PUBLICIDADE

Agricultura familiar volta a ser prioridade no governo

Nos últimos quatro anos, muito escrevi aqui, no Conexão Planeta, sobre retrocessos em relação às políticas públicas de apoio à agricultura familiar.

Em março deste ano, o governo federal retomou uma das mais importantes delas, o Programa de Aquisição de Alimentos (PAA), por meio da Medida Provisória (MP) n° 1166.

O PAA havia sido substituído pelo Programa Alimenta Brasil em 2021, no governo anterior, que reduziu drasticamente o investimento na compra de alimentos da agricultura familiar.

O PAA é uma importante política pública de apoio à essa agricultura, que permite que, por meio de chamada pública, órgãos governamentais comprem produtos de agricultores e agricultoras familiares, in natura ou processados.

Os itens adquiridos são destinados a pessoas em situação de insegurança alimentar e nutricional, a entidades públicas e privadas da rede de assistência social e restaurantes populares. Os alimentos são também destinados à Conab (Companhia Nacional de Abastecimento) para estoques públicos.

O Programa está, inclusive, com inscrições abertas até 14 de junho. Cooperativas e organizações agrícolas podem inscrever projetos para a categoria “compra com doação simultânea”, por meio da qual o governo compra orgânicos de pequenos produtores e doa para pessoas em situação de insegurança alimentar e para a rede pública de assistência.

Cada organização poderá receber até R$ 1,5 milhão por ano, limitado o valor de R$ 15 mil por agricultor.

Terão prioridade de acesso ao Programa agricultores familiares incluídos no Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal (CadÚnico) e integrantes de povos indígenas, comunidades quilombolas e tradicionais, assentados da reforma agrária, além de mulheres, negros e juventude rural.

Tramitação da MP está travada no Parlamento

Medidas Provisórias são normas com força de lei, editadas pelo Presidente da República em situações de relevância e urgência.

Dado que políticas públicas voltadas à agricultura familiar foram desmontadas pelo governo anterior, que deixou de usar seu poder de compra para apoiar e estimular os pequenos produtores, povos indígenas e quilombolas, e que os agricultores e agricultoras não receberam sequer auxílio emergencial durante a pandemia (Bolsonaro vetou duas vezes), a situação de relevância e urgência a que se refere essa MP é facilmente perceptível.

Enquanto isso, a sociedade civil se mobilizou com força em arranjos de compra de produtos de pequenos agricultores e doação a pessoas em situação de vulnerabilidade durante a pandemia. E também durante as eleições, para retomar o PPA nos moldes originais.

Apesar de as MPs terem validade jurídica imediatamente à sua publicação, é preciso que haja posterior apreciação pela Câmara dos Deputados e pelo Senado Federal para se transformar em lei ordinária de modo definitivo.

O prazo de vigência da MP é de 60 dias, sendo prorrogado automaticamente por igual período caso não tenha sido votada pelos parlamentares. Se não for apreciada em 45 dias contados da publicação – prazo já expirado -, entra em regime de urgência.

Em maio, a Secretaria Legislativa do Congresso Nacional, terminado o prazo para apreciação, pediu a prorrogação para deliberação da MP por mais 60 dias.  

Temos visto a movimentação dos parlamentares em relação ao programa proposto pelo atual governo federal, dificultando a aprovação de pautas e medidas fundamentais para que haja avanços significativos em políticas públicas.

Sigamos atentos, pressionando e apoiando organizações da sociedade civil para que os parlamentares coloquem em pauta e realmente avancem naquilo que é fundamental para o país.
___________

Edição: Mônica Nunes

Com informações da Agência Câmara de Notícias.

Foto: Pexels/Nataliya Vaitkevich

Comentários
guest

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Notícias Relacionadas
Sobre o autor
PUBLICIDADE
Receba notícias por e-mail

Digite seu endereço eletrônico abaixo para receber notificações das novas publicações do Conexão Planeta.

  • PUBLICIDADE

    Mais lidas

    PUBLICIDADE