Auckland, na Nova Zelândia, é eleita a melhor cidade do mundo para se viver

Auckland, na Nova Zelândia, é eleita a melhor cidade do mundo para se viver

2020 foi um ano como nenhum outro. Certamente nunca esqueceremos dele. Uma pandemia global fez o mundo entrar em confinamento, fechar fronteiras e tentar conter o avanço de um vírus que, até este momento, já tirou a a vida de 3,7 milhões de pessoas. Diante deste cenário completamente atípico e assustador, quais foram as cidades onde seus moradores se sentiram mais seguros, com acesso garantido à saúde e à educação e confiantes em seus governos? De acordo com o The Global Liveability Index 2021Auckland, na Nova Zelândia, aparece em primeiro lugar na lista.

O levantamento, elaborado pela unidade de inteligência da publicação internacional The Economist, analisa anualmente as condições de moradia e qualidade de vida de 140 cidades ao redor do mundo.

Pela primeira vez, o estudo levou em consideração este evento global perturbador. Cada cidade recebe uma pontuação de “habitabilidade” para mais de 30 fatores qualitativos e quantitativos em cinco categorias: estabilidade, saúde, cultura e meio ambiente, educação e infraestrutura.

Este ano, seis das dez cidades no topo do ranking estão situadas na Nova Zelândia ou na Austrália. O motivo não é surpresa. Estes dois países foram considerados os que melhor conseguiram lidar com a pandemia da Covid-19. Ambos fecharam as fronteiras rapidamente e colocaram em vigor medidas rígidas de confinamento e distanciamento social. Foram pouco mais de 2,5 mil casos positivos e apenas 26 mortes entre os neozelandeses, graças à gestão que foi considerada exemplar da primeira-ministra Jacinda Ardern (saiba mais nesta outra reportagem).

Além de Nova Zelândia e Austrália, aparecem entre os dez melhores lugares para se viver no Global Liveability Index 2021 duas cidades do Japão, Osaka e Tóquio (que já estavam entre as primeiras posições em anos passados), e duas na Suíça, Zurique e Genebra.

O levantamento destaca ainda que cidades canadenses, que sempre constavam no topo do ranking, caíram posições por causa de uma segunda onda de Covid-19 no país.

Justamente por causa da pandemia, algumas cidades da Europa, mais especificamente da Alemanha, apresentaram as maiores quedas comparadas às edições anteriores da análise. Entre elas estão Hamburgo, Frankfurt e Dusseldorf.

Já as capitais que são citadas como tendo as piores condições para se viver são praticamente as mesmas de anos passados: Caracas (Venezuela), Algiers (Argélia), Douala (Camarões), Harare (Zimbabue) e Karachi (Paquistão).

Assim como nas demais edições, nenhuma cidade brasileira é mencionada no ranking.

Global Liveability Ranking 2021

  1. Auckland (Nova Zelândia)
  2. Osaka (Japão)
  3. Adelaide (Austrália)
  4. Wellington (Nova Zelândia)
  5. Tóquio (Japão)
  6. Perth (Austrália)
  7. Zurique (Suíça)
  8. Genebra (Suíça)
  9. Melbourne (Austrália)
  10. Brisbane (Austrália)

Leia também:
Nova Zelândia proíbe exportação de animais vivos em navios

Nova Zelândia aprova licença de três dias para mães e pais que perderam filhos por aborto espontâneo
Primeira-ministra da Nova Zelândia ignora autor dos ataques, dá voz às vítimas e suas famílias e altera leis sobre uso de armas
Após zerar casos de coronavírus, Nova Zelândia lança campanha de reconexão ao mundo com valores da cultura indígena Māori
Nova Zelândia irá doar vacinas para nações vizinhas

Foto: Sulthan Auliya on unsplash

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante 6 anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, vive agora em Washington D.C.

Deixe uma resposta