Nova Zelândia irá doar vacinas para nações vizinhas

Nova Zelândia irá doar vacinas para nações vizinhas

Nova Zelândia e sua primeira-ministra, Jacinda Ardern, que em outubro foi reeleita para seu segundo mandato com total apoio dos neozelandeses, deu exemplo ao mundo no controle da pandemia do novo coronavírus.

Com a imposição rápida de medidas rígidas de isolamento social, o país teve pouco mais de 2 mil casos confirmados da COVID-19 e apenas 25 mortes. Em 15 de março, quando havia o registro de somente 100 casos da doença e nenhum óbito, as fronteiras foram fechadas.

Há poucos dias, o governo anunciou que já garantiu a compra de vacinas, de diferentes laboratórios, para imunizar toda a população nos próximos meses, cerca de 5 milhões de habitantes.

Todavia, o que mais surpreendeu a todos foi que a Nova Zelândia irá oferecer para doar vacinas também aos países vizinhos: Tokelau, Cook Islands, Niue, Samoa, Tonga e Tuvalu.

“Agora temos acordos em vigor com quatro fornecedores, cobrindo três tipos diferentes de tecnologia de vacinas e garantimos doses mais do que suficientes para cobrir toda a nossa população mais o Pacífico”, disse Jacinda Ardern.

A expectativa é que trabalhadores essencais e profissionais com cargos em áreas de fronteira sejam os primeiros a receber a vacina na Nova Zelândia no segundo trimestre de 2021. E o resto da população no segundo semestre do ano.

Nunca antes o país realizou uma campanha de imunização dessa escala. Por isso, já há 12 mil profissionais treinados para a aplicação das vacinas e mais ainda receberão capacitação.

“E como parte do Plano Nacional de Imunização, o Ministério da Saúde passará a ter um sistema de gestão de estoque de vacinas contra a COVID-19 com informações precisas sobre a localização e a temperatura nas centrais de armazenamento. Isso nos permitirá rastrear as vacinas administradas e aquelas em estoque, incluindo suas datas de validade para reduzir o desperdício”, revelou Chris Hipkins, ministro responsável pelo enfrentamento à pandemia.

Foram comprados também nove grandes freezers, que conseguem atingir a temperatura de 80oC negativos para armazenar mais de 1,5 milhão de doses da vacina Pfizer-BioNTech.

Na semana passada, Jacinda Ardner apareceu entre as dez pessoas mais influentes da Ciência em 2020 na lista elaborada pela renomada revista Nature. Ele foi citada como exemplo de liderança perante a crise global provocada pela COVID-19.

Leia também:
Após zerar casos de coronavírus, Nova Zelândia lança campanha de reconexão ao mundo com valores da cultura indígena Māori
Campanha da Nova Zelândia por plantio de árvores quer que frustrações de 2020 sejam transformadas em “mudas de esperança”
Mulher da etnia Maori é nomeada chanceler na Nova Zelândia
Governo da Nova Zelândia usa bom humor para alertar pais sobre acesso de crianças e jovens a pornografia e bullying na internet

Foto: DoD photo by Lisa Ferdinando/Fotos Públicas

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante 6 anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, vive agora em Washington D.C.

Deixe uma resposta