Amazônia e Cerrado têm número de focos de queimada recorde em junho

Amazônia e Cerrado têm focos de queimada recorde em junho

A Amazônia teve no mês passado o maior número de focos de queimada dos últimos 14 anos. O dado foi revelado ontem (01/07) pelos alertas de monitoramento do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe). Foram registrados em junho 2.308 focos de calor, o maior índice para este mês desde 2007. Em relação a maio de 2021, houve também um aumento de 98%.

Os especialistas do Inpe ressaltam que o salto na taxa é preocupante porque a temporada do fogo na Amazônia só começa em agosto, ou seja, isso significa que a região já enfrenta um período de seca e também, que as queimadas podem estar associadas ao crescimento do desmatamento. No mês passado, como mostramos aqui no Conexão Planeta, a Floresta Amazônica apresentou alta na devastação pelo quarto mês seguido.

“Estamos vivendo um momento muito triste para a floresta e seus povos. Eles estão sendo atacados por todos os lados, seja pelos desmatadores, grileiros, madeireiros e garimpeiros que avançam sobre a floresta ou territórios, seja por meio do Congresso e do Poder Executivo que, não só não combatem esses crimes e danos ambientais, como os estimulam, seja por atos ou omissões”, alerta Rômulo Batista, porta-voz da campanha de Amazônia do Greenpeace Brasil.

E não é só na Amazônia que o fogo avança. As imagens de satélite do Inpe revelam ainda que o Cerrado também teve recorde no número de focos de incêndios: foram 4.181 mil em junho, o maior índice para esse mês do ano desde 2010. Em comparação a maio, houve um aumento de 58%.

“Fogo e desmatamento andam de mãos dadas. Para combatê-los, é necessário muito empenho, ações estratégicas e repressão ao crime. Infelizmente, sabemos que o atual governo não fará nada disso. Ao contrário, Bolsonaro é hoje o principal responsável pela crescente destruição da maior floresta tropical do planeta”, afirma Marcio Astrini, secretário executivo do Observatório do Clima.

Leia também:
Governo assina dois novos decretos e acena com repetição de ações fracassadas no combate ao desmatamento e ao fogo
Forças Armadas voltarão a realizar operações contra o desmatamento na Amazônia
A cada segundo, 24 árvores foram derrubadas no Brasil em 2020
Ricardo Salles, o pior ministro do meio ambiente do Brasil, deixa o governo

Foto: Cícero Pedrosa Neto/Amazônia Real/Fotos Públicas

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante 6 anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, vive agora em Washington D.C.

Deixe uma resposta