Morte de raríssimo alce branco por caçadores provoca comoção no Canadá

Morte de raríssimo alce branco por caçadores provoca comoção no Canadá

A caça é permitida em todo território canadense. A prática é controlada por leis federais e estaduais, que estabelecem os locais e épocas em que ela é permitida. Na província de Ontário, por exemplo, existe uma grande preocupação com as populações de animais selvagens. Caçadores precisam fazer cursos e exames e receber licenças especiais. Apesar de tanta precaução, recentemente um alce branco, raríssimo, foi morto.

O animal era tido como sagrado pelos indígenas que vivem na região de Timmins. Para eles, animais brancos como bisões, corvos e ursos são considerados espíritos e não devem ser feridos.

“Todos estão indignados e tristes. Por que você mataria um animal como este? Se você tem uma licença para atirar em um alce, você pode atirar em outro. Apenas deixe os brancos em paz”, lamentou Murray Ray, chefe da Flying Post First Nation.

Há muito tempo há relatos de que existem vários alces brancos nas florestas daquela área. Biólogos afirmam que os animais não são albinos, mas possuem um gene recessivo.

Pela condição única desses bichos, a caça aos alces brancos era proibida por leis locais e havia vários alertas na região sobre isso.

Os caçadores mataram duas fêmeas de alces – uma branca e outra de cor normal. Moradores encontraram as cabeças dos animais na mata. Autoridades locais estão em busca dos criminosos e entidades ofereceram uma recompensa de U$ 8 mil para quem souber a identidade dos suspeitos.

Em março deste ano, mostramos outra notícia parecida. E igualmente revoltante. Duas girafas brancas e raríssimas, mãe e filhote, também foram mortas por caçadores no Quênia.

Assim como os alces, o branco das girafas era causado por uma peculiaridade genética, chamada de leucismo, devido ao gene recessivo. Diferentemente do albinismo, quando há a ausência completa de melanina, animais com essa condição não possuem olhos vermelhos ou extremamente claros.

Muito difícil ler notícias como estas. Que hoje ainda, em pleno ano de 2020, o ser humano encare a caça como um esporte, uma atividade que possa lhe dar prazer. Que o sofrimento e a morte de outro ser vivo faça bem para seu ego. Uma crueldade e barbárie simplesmente inaceitáveis.

*Com informações do jornal The Guardian

Leia também:
Registro de duas antas albinas no Brasil ganha destaque em publicação científica internacional

A baleia branca mais famosa do mundo é avistada na costa da Austrália
Caçador americano paga UU$ 110 mil para matar bode, ameaçado de extinção, no Paquistão
Foto de americana com girafa morta como troféu de caça provoca revolta nas redes sociais

Foto: Lasse Dybdahl/Wikimedia Commons

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante 6 anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, vive agora em Washington D.C.

Um comentário em “Morte de raríssimo alce branco por caçadores provoca comoção no Canadá

  • 16 de novembro de 2020 em 5:13 PM
    Permalink

    Não. Não deixem os alces brancos em paz. Deixem todos. Porque morte é morte em qualquer um de qualquer cor, por isso são sagrados todos os que vivem e assassinar qualquer um deles deveria ser motivo de tristeza e consternação, não permissão para caçadores exercerem sua prática homicida porque nenhuma Lei deveria fornecer permissão para assassinos, sim puni-los. “Se você tem uma licença para atirar em um alce, NÃO pode atirar em outro porque existe coração nele também. Que “todos os que estão indignados e tristes” porque um alce branco foi morto, fiquem consternados profundamente também pelos outros que não são brancos mas merecem viver e respirar tanto quanto. Leis que punem assassinos de alces brancos, concedendo permissão para assassinos de qualquer outro animal, são especistas e coniventes com o sangue derramado, não importa de qual, por isso criminosas e cúmplices. Não apenas os brancos são sagrados, porque em todos bate um coração que ama viver e ser feliz, isso é de Deus. Infelizmente caçadores são a praga demoníaca, inconcebível hoje no Planeta que se recupera e se reconstrói, reabilitando, reverdecendo, replantando, reflorestando,despoluindo, salvando, protegendo e perpetuando espécies ameaçadas ou não, porque todas sentem medo e fogem quando intimidadas.. Malditas mãos essas, à revelia deste Novo Tempo regenerado, exausto de guerras, escravidão, holocaustos e matanças; mil vezes amaldiçoados estes pés que buscam o templo de espécies animais, raras ou não, para executa-las por esporte e prazer, portando uma licença de pseudo legalidade e absurda permissão de extermínio de uns, de outros não, contraditório e discrepante, isso. Não deixem os alces brancos em paz, deixem todos; preservem todos os animais que nasceram portando sua pele desta ou daquela cor, sejam raros ou nem tanto, protejam essas vidas, todas benditas e sagradas para Deus, mas punam os caçadores de qualquer cor, etnia, raça ou religião pois são malditos, malignos e diabólicos; cadeia neles porque são absurdamente MAUS.

    Resposta

Deixe uma resposta