Tartaruga resgatada em Santa Catarina é retrato do descaso do ser humano com oceano: tinha o estômago cheio de plástico

Tartaruga resgatada em Santa Catarina é retrato do descaso do ser humano com oceano: tinha o estômago cheio de plástico

Recentemente uma tartaruga-verde (Chelonia mydas) foi resgatada perto da Beira Mar de São José, na divisa de Florianópolis, em Santa Catarina. O animal, que estava bastante debilitado, foi levado pela organização R3 Animal para a sede do Projeto Tamar na região.

A tartaruga, um indivíduo juvenil pesando 5,3 kg, está respondendo bem ao tratamento. De acordo com a veterinária do Tamar, Joyce Bitencourt, ela tem um lesão linear na base da nadadeira anterior direita, compatível com ferimento causado por rede de emalhe.

Nos exames iniciais, a tartaruga se mostrou deprimida, porém reativa aos estímulos. “Mas no dia seguinte já apresentava melhora da consciência e no teste em recinto com água salgada apresentou boa postura, com movimentos natatórios coordenados e reflexo respiratório adequado”, diz Joyce.

Tartaruga resgatada em Santa Catarina é retrato do descaso do ser humano com oceano: tinha o estômago cheio de plástico

A tartaruga-verde resgatada

Todavia, o que chamou muito a atenção dos profissionais foi a quantidade de resíduos plásticos expelida pela tartaruga. Diversas vezes, por vários dias seguidos, a água do recinto onde ela foi colocada ficou suja de lixo: fios de nylon, barbantes e até uma parte plástica de uma tampa de garrafa.

Tartaruga resgatada em Santa Catarina é retrato do descaso do ser humano com oceano: tinha o estômago cheio de plástico

Lixo que estava no estômago da tartaruga

O que acontece também é que muitas espécies de tartarugas se alimentam de de águas-vivas. Em um planeta em que os oceanos contêm 300 milhões de toneladas de plástico, ou mais precisamente, 5 trilhões de pequenas partículas plásticas boiando pela água, fica óbvio como estes animais confundem plástico por água-viva.

“O plástico pode impactar a saúde de diversas maneiras, em alguns casos a tartaruga não consegue eliminá-los causando constipação, pode gerar inflamações e infecções no trato gastrointestinal e em alguns casos úlceras – os pedaços de plástico perfuram estômago e intestinos”, explica Daniel Rogério, gestor do Centro de Visitantes do Projeto Tamar em Florianópolis.

A expectativa agora é que, em breve, o animal possa ser devolvido à natureza.

Tartaruga resgatada em Santa Catarina é retrato do descaso do ser humano com oceano: tinha o estômago cheio de plástico

Água cheia de resíduos plásticos expelidos pelo animal

Em novembro do ano passado, a R3 Animal também resgatou um lobo-marinho que tinha resíduos plásticos no estômago (após um mês e meio de reabilitação ele foi devolvido ao mar: leia mais aqui).

Casos como esses ocorridos em Santa Catarina – dois entre os milhões que acontecem todo os dias no planeta -, são mais um alerta de como são urgentes ações para proteger nossos oceanos e reduzir a produção da indústria de plástico.

——————————————————————————————————

*Caso você aviste um mamífero, ave ou tartaruga marinha debilitada ou morta na praia, no Paraná, Santa Catarina ou São Paulo, ligue para o Projeto de Monitoramento de Praias da Bacia de Santos (PMP-BS), no telefone 0800 642 3341. No Rio de Janeiro o número é 0800 9995151Sua ajuda é fundamental para salvar vidas!

Leia também:
Tartaruga resgatada presa em rede de pesca tem intestino cheio de lixo plástico
Golfinho morre por causa de tira de sandália presa em focinho
Baleia achada morta na Escócia tinha 100 kg de plástico e redes de pesca no estômago
Filhote de tartaruga morta tinha mais de 100 pedaços de plástico no estômago
Baleia grávida, com 22 kg de plástico no estômago, é achada morta na Itália

Fotos: Nilson Coelho/R3 Animal

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante 6 anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, vive agora em Washington D.C.

Deixe uma resposta