Startup que transforma fios de cabelo em roupas é finalista de prêmio internacional de sustentabilidade

Startup que transforma fios de cabelo em roupas é finalista de prêmio internacional de sustentabilidade

Você já parou para imaginar quantos bilhões de fios de cabelo vão parar em ralos de banheiros todos os dias? Ou quantas toneladas deles são jogadas fora em barbeiros ou salões de beleza? Bem, a equipe da Human Material Loop não só pensou nessa questão, como decidiu fazer algo até então impensável com esses resíduos: confeccionar roupas!

A startup holandesa desenvolveu uma tecnologia inovadora que transforma os fios de cabelo, compostos pela proteína chamada de queratina – a mesma encontrada na lã, em fibras têxteis. A empresa já produziu protótipos de suéteres, jaquetas e blazers.

E a tecnologia inédita acaba de ser escolhida como uma das finalistas do Dezeen Awards 2023, na categoria “Sustentabilidade”. A premiação é uma das mais famosas no mundo e escolhe os projetos mais relevantes nas áreas da arquitetura e design, além de sustentabilidade.

“Precisamos de mudanças radicais no nosso sistema de produção para manter o nosso planeta para as gerações futuras”, diz Zsofia Kollar, fundadora da startup.

Entre as inúmeras vantagens do tecido feito a partir de fios de cabelos humanos estão ele ser 100% biodegradável, 100% reciclável, não possuir microplásticos em sua fabricação e não envolver crueldade com animais em seu processo de desenvolvimento.

A confecção do fio é igual a de outras fibras. Os cabelos mais curtos são fiados e transformados em um fio contínuo e depois tingidos com corantes naturais.

Além disso, a empresa também está fazendo testes para usar fios de cabelo como isolamento térmico em casacos e jaquetas. Toda a matéria-prima utilizada vem de salões da Holanda, Bélgica e Luxemburgo.

Segundo dados levantados pea Human Material Loop, 150 mil toneladas de cabelo humano acabam em aterros sanitários ou são incineradas na Europa todos os anos.

“Os seres humanos alteraram 70% da superfície terrestre da Terra, causando erosão do solo e gerando má qualidade do ar, poluindo a água, explorando animais e envenenando pessoas. Enquanto destruímos o nosso ecossistema, o nosso fluxo interminável de resíduos não vai para nenhum outro lugar que não seja o nosso quintal”, alertam.

Startup que transforma fios de cabelo em roupas é finalista de prêmio internacional de sustentabilidade

Protótipos de tecidos desenvolvidos pela startup da Holanda
(Foto: divulgação Human Material Loop)

Estima-se que a indústria da moda movimente, anualmente, cerca de 2,5 trilhões de dólares no mundo. Infelizmente, os números grandiosos também estão em seu desperdício: a cada segundo, o equivalente a um caminhão de lixo cheio de sobras de tecido é queimado ou descartado em aterros sanitários. Ou 500 bilhões de dólares são jogados fora, anualmente, com roupas que mal foram usadas ou quase nunca recicladas.

Esta não é a primeira vez que os empreendedores da Holanda têm seu trabalho reconhecido internacionalmente. Em 2022 eles venceram o prêmio Distributed Design, na categoria “Future Thinker”.

A Human Material Loop foi selecionada pelo Dezeen Awards entre 4.800 inscrições, de 94 países. Os vencedores serão anunciados numa cerimônia em Londres, em 28 de novembro.

*Com informações adicionais da CNN Internacional

Leia também:
Fibra da bananeira é transformada em bolsas e mochilas com tecido biodegradável
Indústria da moda desperdiça um caminhão de tecidos por segundo
Tecido biodegradável pode virar adubo para a horta… e menu gourmet!  
Novo tecido elástico garante que criança use mesma roupa dos 4 meses até os 3 anos

Foto de abertura: divulgação Human Material Loop

Deixe uma resposta

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante 6 anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, vive agora em Washington D.C.