A busca pelo sonho de encontrar o puffin, na Escócia!

A busca pelo sonho de encontrar os puffins, na Escócia!

O encontro com uma criaturinha pequena e desengonçada, com pouco mais de um palmo de altura, o puffin, acabou se tornando um dos momentos mais icônicos da minha carreira como fotógrafo de natureza. A ocasião especial aconteceu durante uma viagem à Escócia, quando eu e minha esposa, Ilka, produziamos imagens para um projeto audiovisual autoral sobre a esperança da conservação no mundo. 

Viajamos à Alemanha em maio de 2019, auge da primavera. A Ilka é alemã, e todos os anos visita os pais na pacata cidadezinha de Bad Holzhausen, no interior. Eu, sempre que posso, tento acompanhá-la nessa jornada, aproveitando a oportunidade para desbravar os arredores em busca de ambientes naturais, onde minha ‘alma’ de fotógrafo sempre me leva a buscar os melhores cenários para registro da vida selvagem.

Nesta ocasião, partimos da Alemanha em direção à Escócia, no norte do Reino Unido, para uma aventura de 20 dias à bordo de um “motorhome”. O veículo compacto, equipado com dormitório, banheiro e cozinha, é uma das alternativas mais econômicas para se conhecer o continente europeu, sendo bastante utilizado por turistas e viajantes locais. A modalidade ganhou reconhecimento a ponto de incentivar a criação de campings exclusivos para motorhomes, onde é possível estacionar, sair para conhecer as atrações do entorno e fazer uma viagem em nosso próprio ritmo, contemplando montanhas, lagos e monumentos naturais. 

Durante minha estadia em solo escocês, diversos fatores contribuíram para uma experiência perfeita. Um deles foi a incrível “sorte” de pegar apenas um único dia de chuva em quase trinta dias de viagem, fenômeno raríssimo à região conhecida pelo clima frio, instável e bastante chuvoso.

O clima certamente colaborou para a realização de um sonho antigo, motivo que desencadeou a aventura pela Escócia: registrar os adoráveis puffins ou papagaios-do-mar (como são conhecidos no Brasil), aves encantadoras, de bico colorido, típicas das falésias do Atlântico Norte europeu. 

Sempre fui fascinado por estar com essas criaturas pequeninas, de personalidade atrapalhada, caricatas e super adoráveis. Ao longo da viagem, eu e minha esposa procuramos por eles em todas as paradas, mas só quando embarcamos em uma balsa até a Ilha de Lunga, é que tivemos o grande privilégio de encontrá-los em uma grande colônia, cercada por colinas verdes e ninhos prontos para o período reprodutivo. 

A busca pelo sonho de encontrar o puffin, na Escócia!

Fiquei muitíssimo surpreso por serem bem menores do que imaginava, já que em fotografias, reportagens ou até mesmo em documentários de natureza, em que são figurinhas carimbadas, assemelham-se muito ao tamanho de pinguins, não ao tamanho diminuto de menos de 20 centímetros de altura. 

Os puffins, surpreendentemente, sentem-se super confortáveis com a presença dos turistas. Esta relação harmônica garante a proteção das aves contra ataques de predadores aos filhotes, e até aos próprios adultos. Claro, é essencial seguir as regras de distanciamento para não invadir o espaço dos bichinhos. O mais interessante é que eles mesmos se aproximam de você em alguns momentos, sem medo nenhum. 

Observá-los é uma experiência fantástica – e bastante engraçada. Apesar de excelentes nadadores e pescadores, os puffins são péssimos voadores: jogam-se do penhasco, batem suas asas atrapalhadamente e chegam ao chão numa espécie de queda estabanada.

Em terra firme, a situação não é muito diferente, pois movem-se de forma super caricata. A graciosidade desastrosa é, com certeza, se não é, deveria ser a marca registrada destas aves.

A busca pelo sonho de encontrar o puffin, na Escócia!

A espécie, que se encontra vulnerável em relação ao risco de extinção, quase foi dizimada pelos humanos, que no passado, alimentavam-se de seus ovos. Porém, com esforços de conservação de instituições como o Scottish Seabird Centre, vemos com esperança a sua capacidade de transformar um ambiente inóspito e repleto de ameaças, em abrigo para prosperidade, beleza e diversão.

Admiro os puffins pela beleza e incrível resiliência às adversidades, condição – infelizmente – tão necessária ao futuro que estamos construindo para nosso meio ambiente.

Uma das experiências mais incríveis que já vivenciei!

A busca pelo sonho de encontrar o puffin, na Escócia!

Texto: Leonardo Merçon e Ana Mardegan

Fotos: Leonardo Merçon

Leonardo Merçon

Fotógrafo de natureza e conservação, é fundador do Instituto Últimos Refúgios, ONG sem fins lucrativos que busca sensibilização ambiental através da cultura, em especial, fotografias e vídeos. Leonardo já realizou diversas exposições no Brasil e também na Alemanha, Itália e França. Tem cinco livros publicados, quatro documentários em vídeo, séries para TV/Youtube e matérias veiculadas na BBC, National Geographic Brasil, Fantástico, Google Arts & Culture

Deixe uma resposta