‘Professor Polvo’ ganha o maior prêmio britânico do cinema e da TV como melhor documentário

Assim que foi lançado em agosto do ano passado, o belo e comovente documentário My Octopus Teacher (Professor Polvo) entrou nas listas de cinéfilos, viciados em plataformas de streaming e amantes do cinema e da natureza.

Impossível alguém pedir indicação de filmes da Netflix e não receber de volta a indicação da linda história de amizade e de amor entre o documentarista sul-africano Craig Foster, que vivia uma profunda crise existencial, e um polvo fêmea, nas águas da Grande Floresta Marinha da África. Eles são uma unanimidade, creio que até entre corações endurecidos.

Foto: Sea Project/Divulgação

Em meados de março, os fãs do filme certamente deliraram ao saber de sua indicação não só ao Oscar, mas também ao Bafta – prêmio da Academia Britânica de Artes do Cinema e Televisão, o ‘Oscar dos britânicos‘.

Apesar da boa performance do filme em festivais no final de 2020, nos quais sua fotografia ganhou destaque, alguns críticos o consideravam um azarão, veja só!

Pois, em 9 de abril, concorrendo com o documentário de Sir David Attenborough, Nosso Planeta, e outros “pesos-pesados” da categoria como O Dissidente, The Connective e O Dilema das Redes, a bela história de Craig e sua misteriosa parceira arrebatou o júri do Bafta e Professor Polvo “levou o troféu pra casa”.

Foto: My Octopus Teacher/Divulgação

Quem diria que o sensível encontro de um homem e um bicho misterioso, numa das florestas marinhas mais incríveis do mundo, iria vencer documentários sobre temas fortes como pandemia, corrupção, racismo, homofobia…

Talvez por isso, mesmo. Precisamos de mais narrativas que promovam o afeto e a amizade, a compaixão, a empatia, que nos mostrem que somos parte dessa natureza exuberante e podemos aprender muito com ela. E nos curar.

Vale destacar que, dias antes, ainda em março, o documentário levou o PGA Awards 2021prêmio do Sindicado de Produtores de Hollywood -, na mesma categoria. Agora só falta o Oscar!

Agora, assista ao trailer do documentário, abaixo.

Foto: Sea Project/Diivulgacao

Mônica Nunes

Jornalista com experiência em revistas e internet, escreveu sobre moda, luxo, saúde, educação financeira e sustentabilidade. Trabalhou durante 14 anos na Editora Abril. Foi editora na revista Claudia, no site feminino Paralela, e colaborou com Você S.A. e Capricho. Por oito anos, dirigiu o premiado site Planeta Sustentável, da mesma editora, considerado pela United Nations Foundation como o maior portal no tema. Integrou a Rede de Mulheres Líderes em Sustentabilidade e, em 2015, participou da conferência TEDxSãoPaulo.

Deixe uma resposta