Biólogos registram, em vídeo, flagrante raro de baleia jubarte amamentando seu filhote

Biólogos registram, em vídeo, flagrante raro de baleia jubarte amamentando seu filhote

Descrita pela primeira vez na Nova Inglaterra, nos Estados Unidos, a baleia jubarte (Megaptera novaeangliae) tem seu nome científico vindo deste local – novaeangliae – e Megaptera por causa de seu tamanho, já que em grego antigo este termo significa “grandes asas”. Suas imensas nadadeiras peitorais podem medir até 1/3 do comprimento total de seu corpo, algo em torno de 16 metros.

As jubartes podem ser encontradas em todos os oceanos. Chegam a pesar até 40 toneladas. Por isso mesmo, é tão impressionante ver o salto de uma delas, que consegue projetar todo seu corpo para fora da água.

Em sua jornada durante o inverno pelo Hemisfério Norte, cerca de 10 mil baleias jubarte migram para o Havaí, onde ficam entre janeiro e março para se reproduzir. Lá, as fêmeas encontram águas calmas e mornas para ter seus filhotes e amamentá-los. Esse período é muito importante, já que as jovens baleias precisam ser bem alimentadas para ficar fortes e conseguir percorrer longas distâncias no verão.

Para entender melhor o comportamento das baleias durante a época de amamentação, um grupo de pesquisadores acompanhou durante dez dias, no começo do ano, sete filhotes de jubarte, em Maui.

Biólogos registram, em vídeo, flagrante raro de baleia jubarte amamentando seu filhote

Rastreador, com câmera, sendo colocado em um filhote de jubarte

O projeto, que é uma colaboração entre o Marine Mammal Research Program (MMRP) da University of Hawaii em Manoa, do Goldbogen Lab da Stanford University’s Hopkins Marine Station e do Friedlander Lab da University of California, em Santa Cruz, utilizou diferentes tecnologias para fazer o monitoramento dos cetáceos, como drones, câmeras GoPro e um rastreador, não invasivo, que foi acoplado aos filhotes.

A junção de todos esses instrumentos permitiu que os biólogos estudassem detalhadamente a frequência e a duração do processo de amamentação dos filhotes, assim como calculassem suas medidas e tivessem noção das condições físicas de cada um deles.

“No geral, os dados coletados por esse projeto fornecerão informações importantes sobre as necessidades de mães e filhotes jubarte em seus ambientes de reprodução. Por enquanto, estamos ansiosos para explorar ainda mais os dados e para a nossa próxima temporada de campo, em janeiro-março de 2021”, afirma Lars Bejder, diretor do programa de pesquisas de mamíferos marinhos da Universidade do Havaí.

Pesquisas científicas como essa são essenciais para conseguirmos proteger espécies no planeta, já que, apenas através do melhor conhecimento de seus hábitos e comportamentos é possível garantir sua preservação.

Já para nós, leigos, projetos como o realizado pelos biólogos no Havaí nos dão de presente vídeos como o abaixo, com imagens belíssimas e impressionantes e com o incrível flagrante que nos permite, observar, o momento em que uma baleia amamenta seu filhote.

Leia também:
Depois de quase extintas, baleias jubarte atingem número recorde no Brasil e Atlântico Sul
Biólogos registram, com drone, os momentos após o nascimento de um filhote de baleia jubarte
O salto da baleia jubarte

Fotos e vídeo: reprodução Marine Mammal Research Program University of Hawaii

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante 6 anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, vive agora em Washington D.C.

Deixe uma resposta