PUBLICIDADE

100 anos de Saramago: o Nobel da Literatura que enxergava o que se faz aos bichos

100 anos de Saramago: o Nobel da Literatura que enxergava o que se faz aos bichos

– Como podem homens sem Deus serem bons?, perguntaram a José Saramago, certa vez.
O autor português, ateu convicto, respondeu:
– Como podem homens com Deus serem tão maus?

O diálogo não tem fonte clara, mas é recorrentemente citado na internet. E foi a partir dele que um professor da área da biologia virou pesquisador de literatura. Uma boa mistura de ciências e letras, de animais e José Saramago.

Jaime Bertoluci dá aula na Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (ESALQ) da USP. E também é pesquisador do (Institutos de Estudos Avançados (IEA) sobre a compaixão pelo sofrimento dos animais (imposto pelo homem) na obra do prêmio Nobel de Literatura, que se vivo, teria completaria 100 anos em 16 de novembro. “Percebi logo cedo que ele expressava nos livros, na ficção, a compaixão tanto pelos pelos homens quanto pelos animais”, diz Bertoluci.

José Saramago está sendo lembrado esta semana. O ano todo. Há congressos, relançamentos, discussões sobre o polêmico escritor. Um homem que não se deixava aprisionar e enfrentou críticas pelo que escreveu e pelo que disse.

Em relação aos animais, não ficou em cima do muro: “Se pudesse eu, fecharia todos os zoológicos do mundo. Pudesse eu, proibiria a utilização de animais nos espetáculos de circo. Não devo ser o único a pensar assim, mas arrisco o protesto”, escreveu Saramago, no blog que mantinha, em 2009.

Ele também se indignou com a situação de uma elefanta que vivia no zoológico de Barcelona, na Espanha, em um espaço pequeno. “O chão que ela pisa é de cimento, o pior para as sensíveis partes destes animais que talvez ainda tenham na memória a macieza do solo das savanas africanas. Cuidar de Suzi (a elefanta), dar lhe um fim de vida mais digno. A quem devo apelar? À direção do zoológico? À Câmara?”.

E também se posicionou contra os testes feitos em animais pela indústria de cosméticos e o uso de plumas em travesseiros: “as penas das aves destinadas a recheio de almofadas de dormir são arrancadas assim mesmo, ao vivo”.

Compaixão pelo sofrimento

“Encontro nos cachorros mais humanidade que nos homens”, afirmou o autor português em 2003, no México. A relação dele com os cães nem sempre foi tranquila. Na infância, tinha medo, sofreu traumas. Com o tempo, aos poucos, a história mudou. Ao lado da mulher, Pilar Del Río, alguns foram adotados. Quando um deles, Pepe, morreu, Saramago declarou: “Eu não imaginava que se pudesse chorar por um cão como eu chorei”.

E o inverso aconteceu. Quando o escritor morreu em 2010, a viúva do autor descreveu o comportamento de Camões, um dos cachorros da casa. “Quando percebeu que o dono já não estava, nem ia estar, que isso é a morte, uivou, gritou, rasgou-se numa dor que arranha a alma só de descrevê-la.”

O olhar direcionado aos animais no dia-a-dia transbordava para as obras. Bertoluci estudou cinco livros e uma peça de teatro do Nobel de Literatura. Encontrou diversas passagens que confirmam a tese sobre compaixão.

“A presença de animais é quase uma constante na obra de Saramago, desde bois puxando carros pesados e touros sendo martirizados em arenas em “Memorial do Convento” até um elefante realizando uma viagem insólita em “A viagem do elefante”, passando por rolas e cordeiros sendo sacrificados em rituais religiosos em “O evangelho segundo Jesus Cristo”, muitas vezes com a clara função de expressar a compaixão do autor pelo sofrimento de homens e animais e criticar as atitudes que o geram”, diz o professor.

Ainda segundo o pesquisador, em grande parte dos casos, os abusos das histórias eram motivados por questão religiosa. E mais, ao estudar a obra de Saramago, descobriu que a defesa em nome dos bichos não se tratava de atitude pontual ou panfletária. Por isso, o título de um dos artigos de Bertoluci é a melhor forma de lembrar o único – até hoje – Nobel de Literatura em Língua Portuguesa: “O Ateu Amoroso”.

Foto de abertura: Juan Ramón Iborra/Fundação José Saramago

Comentários
guest

2 Comentários
Oldest
Newest Most Voted
Inline Feedbacks
View all comments
JONGA CARVALHO
JONGA CARVALHO
1 ano atrás

Ele apoiava a ditadura cubana e sovietica.nunca falou sobre 30 milhoes de mortes dos regimes comunistas.depois de velho vem com esse bla bla bla de amor por animais.

Lorena Scheffel
Lorena Scheffel
1 ano atrás

Pois eu li muitos livros de Saramago …. Tanto na faculdade quanto depois…. Achava muito interessante ele ser auto didata.. . Mas realmente, nunca me chamou atenção alguma postura significativa de amor aos animais.. achei estranho agora estas afirmativas dde um defensor da causa!!!!! Talvez pos mortem ? Tenha assumido está causa. …. Pois em vida não era algo tão moderno como agora, e tenga lhe bastado o ateísmo e postura política.!!!! Vai saber!!!!

Notícias Relacionadas
Sobre o autor
PUBLICIDADE
Receba notícias por e-mail

Digite seu endereço eletrônico abaixo para receber notificações das novas publicações do Conexão Planeta.

  • PUBLICIDADE

    Mais lidas

    PUBLICIDADE