Volvo e Mini venderão apenas veículos elétricos a partir de 2030

Volvo e Mini venderão apenas veículos elétricos a partir de 2030

A lista não para de crescer. Este definitivamente é o momento da mudança rumo à mobilidade elétrica. Em janeiro a maior montadora de carros dos Estados Unidos, a General Motors, anunciou que venderá apenas carros com bateria na próxima década, depois, no mês seguinte, a Ford divulgou plano similar para o mercado europeu. E agora, Volvo e Mini seguem na mesma direção.

No começo de março, a fabricante sueca de carros, Volvo, afirmou que está comprometida a se tornar uma empresa de carros totalmente elétricos até 2030. A meta é, em nove anos, encerrar de vez a comercialização de modelos movidos a combustíveis fósseis ou híbridos.

“Não há futuro de longo prazo para carros com motor de combustão interna”, diz Henrik Green, diretor de tecnologia da companhia. “Estamos firmemente comprometidos em nos tornar um fabricante de carros exclusivamente elétricos e a transição deve acontecer até 2030. Isso nos permitirá atender às expectativas de nossos clientes e ser parte da solução quando se trata de combater as mudanças climáticas”.

No final do ano passado, a Volvo lançou seu primeiro modelo elétrico e o segundo agora em março. A previsão é que, em 2025, 50% das vendas globais seja de elétricos e a outra metade, de híbridos.

Assim como a concorrente sueca, a britânica Mini, que pertence ao grupo alemão BMW, também pretende investir somente no segmento elétrico. O objetivo é ter um portfólio com 50% desses modelos em 2027 e três anos depois, encerrar a produção dos movidos a gasolina e a diesel. Atualmente a empresa possui apenas o Mini Cooper SE, que funciona com bateria.

“Não há futuro de longo prazo para carros com motor de combustão interna”, diz Henrik Green, diretor de tecnologia da Volvo. A previsão é que, em 2025, 50% das vendas globais sejam de elétricos e a outra metade, de híbridos

O primeiro modelo elétrico da Mini, o Cooper S

Muitos países e fabricantes estão deixando os combustíveis fósseis para trás. Na Noruega, por exemplo, os elétricos já representam 54% das vendas de carros novos. O governo norueguês tem como objetivo ser a primeira nação do mundo a proibir a comercialização de carros a gasolina ou diesel a partir de 2025.

Já o Reino Unido anunciou que irá antecipar para 2035 a proibição da venda de veículos a gasolina e a diesel e a França definiu o prazo para 2040. Holanda também se comprometeu com o mesmo prazo que a Noruega: 2025.

Nos Estados Unidos, o novo presidente Joe Biden assinou vários decretos para incentivar a descarbonização da economia e impulsionar o mercado de energias renováveis, entre eles, a moratória a novos projetos de exploração de petróleo e gás em terras e águas públicas e que todos os órgãos e agências federais substituam a frota de veículos por carros de emissão zero.

*Com informações da Volvo Cars Global Newsroom e Der Spiegel

Leia também:
Cidade da Califórnia proíbe construção de novos postos de gasolina

Oxford e Coventry devem se tornar primeiras cidades da Inglaterra a ter frotas de ônibus totalmente elétricas
Todos os novos carros vendidos na Califórnia a partir de 2035 deverão ser elétricos
Alemanha começa 2021 com novo imposto de emissão de carbono sobre produtos e serviços
Israel inicia projeto piloto de rua “elétrica”, que recarrega veículos remotamente

Fotos: divulgação Volvo e Mini

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante 6 anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, vive agora em Washington D.C.

Deixe uma resposta