Vídeo de tartarugas em águas limpas na Baía de Guanabara viraliza nas redes sociais. Será efeito da quarentena?

Vídeo de tartarugas em águas limpas na Baía de Guanabara viraliza nas redes sociais. Será efeito da quarentena?

Há cerca de um mês, imagens vindas da Itália se espalharam pela internet. Cisnes e peixes voltaram aos canais de Veneza, patos à Roma e golfinhos à Sardenha, com a quarentena imposta pela pandemia do coronavírus naquele país (leia mais sobre o assunto aqui, no lindo artigo de Mônica Nunes). Agora, um fenômeno parecido aconteceu no Rio de Janeiro. Um vídeo, o qual ninguém sabe ainda quem é o autor, mostra várias tartarugas marinhas nadando em águas limpas, da Baía de Guanabara, próximo ao aeroporto Santos Dumont, no centro do Rio de Janeiro.

O narrador da filmagem, que se diz estar surpreso com a limpeza da água e a quantidade de peixes e tartarugas avistadas, acredita que o cenário é resultado da quarentena sendo realizada pelos cariocas. Com ruas vazias, escolas e comércio fechado, a Baía de Guanabara, tão degradada e desprezada nas últimas décadas, estaria menos poluída e a natureza retornando a seu habitat original.

Todavia, biólogos afirmam que a baía sempre teve tartarugas marinhas. Por causa da água mais turva, elas não eram vistas. Mas continuavam ali.

Em relação à clareza do mar, a junção de dois eventos naturais, a chegada de um frente fria e a maré alta provocada pela lua cheia, podem ser as responsáveis pela sua excelente visibilidade.

O Conexão Planeta tentou entrar em contato com o Instituto Estadual do Ambiente sobre a qualidade da água nas praias do Rio de Janeiro antes e depois do isolamento, mas não conseguiu retorno.

Mas, no site do instituto, há uma notícia do começo de abril revelando que, desde que foi iniciada a quarentena, o ar do Rio de Janeiro está mais limpo: houve uma redução na concentração de dióxido de nitrogênio (NO2) na atmosfera. No distrito industrial de Santa Cruz, na zona oeste da cidade, análises mostraram uma queda de 80% na concentração desse poluente.

Vale ressaltar que, no mundo inteiro, as grandes cidades que determinaram o isolamento social tiveram uma diminuição enorme da poluição – a Cordilheira do Himalaia foi avistada pelos indianos, depois de 30 anos, devido à quarentena.

O que é fácil de perceber, quando imagens como esta, das tartarugas nadando na Baía de Guanabara, viralizam nas redes sociais, é o anseio das pessoas para que a natureza realmente retome seu espaço. É preciso uma crise dessas proporções – já são mais de 2 milhões de contaminados e mais de 130 mil mortos no mundo -, para que o ser humano reflita sobre seu impacto no meio ambiente. E o que pode acontecer, rapidamente, se mudarmos a maneira como vivemos.

Leia também:
A vida selvagem que ainda pulsa na Baía de Guanabara
Grupo de mais de 500 golfinhos dá espetáculo na baía de Guanabara, no Rio de Janeiro
Baía Urbana: a exuberância da vida marinha na Baía da Guanabara em belíssimo documentário

Imagem: reprodução vídeo internet

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante 6 anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, vive agora em Washington D.C.

Deixe uma resposta