PUBLICIDADE

Verdes Marias: irmãs que, desde 2019, incentivam a prática de hábitos saudáveis e a redução do lixo conquistam prêmio

Mariana Moraes já trabalhava com sustentabilidade ambiental e social e pautava seus hábitos diários com base nesses princípios quando notou que suas irmãs, Maria Carolina Moraes, fotógrafa, e Maria Clara Moraes, atriz, demonstravam cada vez mais interesse por esses temas. Queriam saber, na prática, como reduzir seus impactos diários e evitar a produção de lixo, por onde as pessoas devem começar quando querem “mudar o mudo”

Animada, Marina passou a propor desafios para Carolina e Clara, o que logo se disseminou entre amigos e familiares. Não demorou muito para que, movidas pelo desejo de compartilhar descobertas e práticas e ampliar a consciência ambiental, as três irmãs – muito criativas e comunicativas – lançassem o projeto Verdes Marias. Isso aconteceu em 2019.

Desde então, por meio de um perfil no Instagram e de um site, elas incentivam a adoção de uma vida mais sustentável a partir de pequenas ações e mudanças de hábito diárias – que elas chamam de microrevoluções diárias -, com base em uma espécie de mantra: “Por menos lixo, mais orgânicos e uma vida mais consciente”.

Para tanto testam produtos, visitam projetos e iniciativas, questionam e se mantêm antenadas sobre o que acontece no mundo, com o intuito de aprimorar práticas e reflexões, o que ajudou a transformar o projeto inicial num movimento lindo que, em 15 de dezembro, recebeu seu primeiro grande reconhecimento: o Prêmio Lixo Zero Brasil

O prêmio

É concedido pelo Instituto Lixo Zero a indivíduos, movimentos e empresas que se destacam na promoção do conceito lixo zero no país por meio do exemplo, do trabalho e de dedicação.

Vale destacar aqui que, esse conceito foi definido pela Zero Waste International Alliance (Aliança Internacional Lixo Zero) como “uma meta ética, econômica, eficiente e visionária para guiar as pessoas a mudar seus modos de vida e práticas de forma a incentivar os ciclos naturais sustentáveis, onde todos os materiais são projetados para permitir sua recuperação e uso pós-consumo”. 

O prêmio contempla 18 categorias como ações comunitárias, beleza e saúde, celebridades/influenciadores, indústria lixo zero, logística reversa, tecnologias e redução e reuso. Mari, Carol e Clara venceram como influenciadoras.

Rodrigo Sabatini, presidente do instituto, destaca: “A premiação tem como objetivo reconhecer e agradecer aqueles que mais difundiram o conceito lixo zero no país em 2022 e o projeto Verdes Marias têm sido, de forma consistente e eficiente, um importante canal de conscientização e promoção de boas práticas rumo ao lixo zero”.

Em nome das Verdes Marias, Mariana salienta: “Acreditamos que tanto governos, como empresas e organizações têm papel importante no combate ao lixo. Por trás desses lugares existem pessoas, que podem e devem se comprometer em mudar a forma como consumimos e descartamos. Nós buscamos mostrar que é possível mudar e que todo comportamento conta”.

As consequências do acúmulo de lixo

Este é um problema que atinge todo o mundo. Segundo o Banco Mundial, até 2050, vamos produzir cerca de 3,4 bilhões de toneladas anuais, o que significa um aumento de 70% em comparação com 2016, quando foram produzidas 2 bilhões de toneladas. 

O Brasil é o quarto maior produtor de lixo plástico no mundo, com 11,3 milhões de toneladas, perdendo apenas para os Estados Unidos, a China e a Índia. Com um agravante: apenas 4% do total é reciclado, de acordo com dados da Associação Brasileira de Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais (Abrelpe).

Os números alertam para um cenário cada vez mais grave, resultante da má gestão de resíduos, que causa poluição ambiental, contaminação do solo e da água, destruição de habitats naturais, proliferação de doenças e o avanço do aquecimento global, devido ao aumento das emissões de gases de efeito estufa na atmosfera. 

A poluição provocada pelo plástico é um dos principais vilões para a preservação dos oceanos, ameaçando diariamente a vida da maioria das espécies marinhas – dos plânctons e moluscos aos mamíferos -, além de prejudicar manguezais e recifes de corais, que são alguns dos ecossistemas marinhos mais importantes para a sobrevivência da humanidade.

Não foi à toa que o Fórum Econômico Mundial e a Fundação Ellen MacArthur denunciaram que, em 2050, os oceanos terão mais plástico do que peixes.

O que fazer

As Verdes Marias destacam que a primeira microrrevolução possível para diminuir o lixo, é repensar o consumo, pois muito do que a maioria das pessoas compra será descartado. Sim, numa sociedade que incentiva o consumismo, o ato de comprar torna-se automático, por isso é preciso refletir sobre a “necessidade” de adquirir novos itens.

E elas ainda citam outras atitudes bacanas: fazer a compostagem de resíduos orgânicos, usar fraldas de pano, realizar compras a granel, reutilizar embalagens e ter um kit com itens que evitam a geração de lixo, como, por exemplo: copo, canudo e talheres reutilizáveis e uma ecobag. Na compra de alimentos, usar sacolas de pano.

Quer mais? “Comprar móveis usados, adquirir roupas em brechós ou realizar trocas, investir em sebos para nutrir o acervo de livros e produzir produtos de limpeza e cosméticos com receitas caseiras”.

E, quando for impossível evitar a compra de algum objeto novo, observar para que ele seja acondicionado com o mínimo de embalagem possível, de preferência feita de papel, vidro, alumínio e outros materiais que podem ser reutilizados, reciclados ou compostados.

A seguir, assista ao vídeo que as Verdes Marias publicaram no Instagram para contar como foi o programa organizado para promover a troca de experiências entre os contemplados com o Prêmio Lixo Zero Brasil e, depois, a cerimônia de entrega.

Foto: divulgação

Comentários
guest

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Notícias Relacionadas
Sobre o autor
PUBLICIDADE
Receba notícias por e-mail

Digite seu endereço eletrônico abaixo para receber notificações das novas publicações do Conexão Planeta.

PUBLICIDADE

Mais lidas

  • PUBLICIDADE