Veneno de abelhas mata células de câncer agressivo de mama, mostra estudo internacional

Veneno de abelhas mata células de câncer agressivo de mama, mostra estudo internacional

Foi na natureza que a pesquisadora Pilar Blancafort do Instituto de Pesquisa Médica Harry Perkins, na Austrália, viu um possível tratamento para o câncer de mama. E conseguiu resultados promissores, publicados um artigo científico na revista Nature Precision Oncology. Ela descobriu que o veneno de abelhas mata células de um tipo de câncer bastante agressivo, o triplo-negativo, que atualmente tem opções de tratamento limitadas.

“Na pesquisa baseada em descobertas, vamos à mãe natureza para entender o que ela faz. Essa é a importância da pesquisa biomédica que fazemos em nosso laboratório – pegamos algo que existe na natureza e o aplicamos para combater cânceres difíceis de tratar e outras doenças”, revela.

Ao lado de outra cientista, sua aluna de PhD Ciara Duffy, elas usaram o veneno de 312 abelhas e zangões e testaram em laboratório seu efeito sobre células cancerígenas. E constataram que ele provocou uma destruição rápida das mesmas.

“Ninguém havia analisado anteriormente os efeitos do veneno da abelha ou da melitina (uma molécula encontrada no veneno) em todos os diferentes subtipos de câncer de mama e células normais”, diz Ciara. “Testamos um peptídeo muito pequeno com carga positiva no veneno das abelhas chamado melitina, que pudemos reproduzir sinteticamente, e descobrimos que o produto sintético espelhava a maioria dos efeitos anticâncer do veneno das abelhas”, explicou.

De acordo com as pesquisadoras, a melitina destruiu completamente as membranas das células cancerosas em 60 minutos e reduziu substancialmente as mensagens químicas que são essenciais para o crescimento e a divisão celular.

A descoberta é encorajadora, mas serão necessárias ainda novas pesquisas. “As próximas etapas requerem uma colaboração multidisciplinar e um investimento significativo de recursos”, dizem as especialistas. Elas pretendem agora avaliar se o veneno da abelha também poderia ser utilizado contra o câncer de ovário.

Esta não é a primeira vez que o veneno de abelhas é estudado para o tratamento de câncer. Em 1950, já havia sido feita uma pesquisa com o mesmo fim, mas analisando o crescimento de tumores em plantas. No caso desta mais recente, realizada pelas cientistas da Austrália, foram utilizadas abelhas melíferas (Apis mellifera), também conhecida como abelha-europeia).

O câncer de mama triplo negativo representa, em média, 15% dos casos desse tipo de doença no mundo. Comparado a outros subtipos, ele é mais frequente em mulheres jovens, em geral, com menos de 35 anos. O que faz esse tumor mais complicado é ser negativo para os três biomarcadores mais importantes na classificação e definição do tratamento: receptor de estrógeno, receptor de progesterona e HER2. 

*Com informações da Harry Perkins Institute e do Hospital A.C.Camargo

Leia também:
Proteína da semente de uma árvore brasileira inibe progressão do câncer de mama
Campanha Tarja Verde mostra aos brasileiros quais alimentos são saudáveis e ajudam a evitar o câncer
Pesquisadores brasileiros e americanos descobrem molécula com potencial para tratar o câncer de ovário

Foto: Krzysztof Niewolny on unsplash

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante 6 anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, vive agora em Washington D.C.

Deixe uma resposta