Vencedores do Prêmio Nobel de Física contribuíram para o melhor entendimento do aquecimento global

Vencedores do Prêmio Nobel de Química contribuíram para o melhor entendimento do aquecimento global

A Royal Swedish Academy of Sciences anunciou nesta manhã os vencedores do Prêmio Nobel de Física a 2021, que este ano tem três ganhadores: o japonês Syukuro Manabe, meteorologista senior na Universidade de Princeton, nos Estados Unidos, o alemão Klaus Hasselmann, professor do Instituto de Meteorologia Max Planck de Hamburgo e o italiano Giorgio Parisi, professor da Universidade Sapienza University de Roma.

Manabe e Hasselmann foram escolhidos pelo comitê da Academia de Ciências Sueca por terem estabelecido a base de nosso conhecimento sobre o clima da Terra e como a humanidade o influencia. Já Parisi contribuiu de maneira revolucionária para a “teoria de materiais desordenados e processos aleatórios”.

Syukuro Manabe conseguiu demonstrar como o ampliação dos níveis de dióxido de carbono na atmosfera leva ao aumento das temperaturas na superfície do planeta. Na década de 60, ele liderou o desenvolvimento de modelos físicos do clima da Terra e foi a primeira pessoa a explorar a interação entre o balanço de radiação e o transporte vertical de massas de ar. Seu trabalho lançou as bases para o desenvolvimento dos modelos climáticos atuais.

Dez anos mais tarde, Klaus Hasselmann criou um modelo que associa o tempo ao clima, respondendo assim à pergunta de “por que os modelos climáticos podem ser confiáveis apesar do tempo ser mutável e caótico”. Ele elaborou ainda métodos para identificar sinais específicos, como impressões digitais, que tanto os fenômenos naturais quanto as atividades humanas “imprimem” no clima. E segundo o comunicado divulgado pela academia sueca, Seus métodos têm sido usados para provar que o aumento da temperatura na atmosfera é devido às emissões humanas de dióxido de carbono.

“As descobertas reconhecidas este ano demonstram que o nosso conhecimento sobre o clima está alicerçado numa base científica sólida, baseada numa análise rigorosa das observações. Todos os laureados deste ano contribuíram para que obtivéssemos uma visão mais profunda das propriedades e da evolução de sistemas físicos complexos ”, afirmou Thors Hans Hansson, presidente do Comitê do Nobel de Física.

O prêmio de 10 milhões de coroas suecas, pouco mais de 6 milhões de reais, será dividido em dois, com metade dele a ser entregue para Manabe e Hasselmann e o restante para Parisi.

Amanhã será anunciado o ganhador/a do Nobel de Química, que no ano passado, foi concedido a duas cientistas, que ressaltaram como as mulheres podem ter impacto na ciência.

Os ganhadores do Nobel de Medicina foram divulgados ontem, segunda-feira (04/10). O americano David Julius e o libanês Ardem Patapoutian foram escolhidos por descobertas sobre receptores de temperatura e toque no corpo humano.

A cerimônia de entrega dos prêmios acontece sempre em 10 de dezembro, aniversário da morte do seu idealizador, o industrial e filantropo sueco Alfred Nobel (1833-1896).

As indicações ao Nobel podem ser feitas por algumas pessoas específicas, membros de alguns órgãos e entidades, parlamentares, professores universitários, acadêmicos e ex-recebedores do título, mas a lista completa com o nome dos nomeados é sempre mantida em segredo por 50 anos.

Leia também:
Chove em pico gelado a mais de 3 mil metros na Groenlândia, fenômeno que traz alerta incontestável sobre o aquecimento global
Aquecimento global pode ser irreversível, adverte cientista líder de expedição enviada ao Polo Norte
Florada antecipada das cerejeiras nos Estados Unidos e no Japão é novo alerta sobre o aquecimento global
92% dos brasileiros reconhece a existência do aquecimento global e, para 72%, “a culpa é nossa”, revela pesquisa

Ilustração: Niklas Elmehed

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante 6 anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, vive agora em Washington D.C.

Deixe uma resposta