Unicamp abre inscrições para o Vestibular Indígena 2021 e anuncia inclusão de novos cursos

Unicamp abre inscrições para o Vestibular Indígena 2021 e anuncia lançamento de novos cursos

A modalidade de ingresso do Vestibular Indígena da Unicamp está na terceira edição oferecendo oportunidade a estudantes de diferentes etnias brasileiras a entrarem no ensino superior. Em 2021, a universidade está com 88 vagas disponíveis. Entre os cursos oferecidos estão Administração, Arquitetura, Ciências Econômicas e Sociais, Comunicação Social, Engenharia Elétrica, dentre outros.

As inscrições são gratuitas e vão até 31 de janeiro. Elas podem ser feitas apenas no site da Comissão Permanente para os Vestibulares da Unicamp (Comvest). Este ano 33 cursos estão disponíveis em diferentes horários, com a nova inclusão de Ciência da Computação e Engenharia de Computação. Entretanto, saíram da lista os cursos de Ciências Biológicas, Enfermagem e Farmácia.

No dia da prova, 11 de abril, os estudantes precisam levar e entregar os documentos exigidos no edital para comprovação da origem indígena. Estas informações encontram-se no site. Além das declarações, como o Registro Administrativo de Nascimento Indígena (RANI), a Declaração de Etnia e de Vínculo com Comunidade Indígena (original), o participante do exame deve ter estudado a vida toda na rede pública (municipal, estadual, federal) ou escolas indígenas reconhecidas nesse sistema de ensino e não tenham cursado nenhum ano do ensino médio na rede particular.

Por causa da pandemia, o ano letivo começará no segundo semestre, em agosto. A lista dos aprovados será divulgada em 10 de maio e a matrícula deverá ser feita entre os dias 11 a 17 do mesmo mês.

Procedimento do Vestibular Indígena

A prova terá uma redação e questões de múltipla escolhas distribuídas em: Linguagens e códigos (14 questões); Ciências da Natureza (12 questões); Matemática (12 questões); Ciências Humanas (12 questões). O idioma da prova é o português.

Além da prova geral, os candidatos do curso de Licenciatura em Música vão precisar prestar uma avaliação a mais da Prova de Habilidades Específicas em Música, por meio de envio on-line do vídeo.

Os candidatos terão que se deslocar para uma das seis cidades da aplicação da prova: Bauru (SP), Campinas (SP), Caruaru (PE), Dourados (MS), São Gabriel da Cachoeira (AM) e Tabatinga (AM).

A Unicamp realiza o Vestibular Indígena desde 2019. Na primeira edição foram 611 inscritos, que concorreram 72 vagas. Depois das provas, 64 estudantes de 23 etnias brasileiras foram matriculados. No ano passado, em 2020, as inscrições pularam para 1.675.

Leia também:
Indígenas recebem prêmio internacional por trabalho de divulgação da realidade dos povos tradicionais na Amazônia
Davi Kopenawa, líder e xamã Yanomami, é eleito membro da Academia Brasileira de Ciências
Brasil elege maior número de indígenas e quilombolas da história

Foto: divulgação/Mário Vilela/Funai

Carina Gonçalves

Estudante de Jornalismo da Universidade Presbiteriana Mackenzie, em São Paulo, participa do Projeto "Repórter do Futuro: Descobrir São Paulo, descobrir-se Repórter". É ainda repórter do Fala! Universidades (Plataforma do R7). Uma defensora dos direitos humanos, sustentabilidade e inclusão social

Deixe uma resposta