‘Um Dia no Parque’ promove conservação da natureza com atividades ao ar livre e festival online

Lançada em 2018 pela conservacionista Angela Kuczach, que dirige a Rede Pró-UC e lidera a Coalizão, a iniciativa Um Dia no Parque tinha como objetivo incentivar o amor pela natureza e convidar os brasileiros a curtir os espaços naturais com mais consciência dos limites que garantem sua preservação.

A primeira edição contou com a adesão de 65 unidades de conservação (UCs) espalhadas pelo Brasil. Em 2019, foram mais de 200 UCs, e a iniciativa se transformou num lindo movimento pela conservação.

E este ano? Com a pandemia, como imaginar a realização de um evento que convida os brasileiros a curtir as áreas protegidas ao ar livre? Como respeitar as medidas restritivas da Organização Mundial de Saúde? Como manter viva essa ideia genial e tão transformadora num ano tão difícil?

Ele atrasou um pouquinho – em geral, acontece em julho -, mas ganhou um dia na agenda de 2020 – 18 de outubro – e já está com uma programação intensa rolando nas redes sociais.

Nesse dia, a programação será intensa e muito especial “para atender os amantes da natureza, do Oiapoque ao Chuí, que queiram curtir a data atividades nas Unidades de Conservação (UCs) – respeitando as medidas de higiene e distanciamento – ou prefiram participar em suas casas, devido à pandemia“.

Acompanhe pela página do evento no Facebook e pelo Instagram.

Minha conexão com a natureza

Pensando bem, quer situação mais propícia para falar de conservação de natureza como esta que vivemos? Em meio à uma pandemia mundial – provocada pela falta de cuidado do ser humano com os animais – e aos ataques e ameaças aos biomas brasileiros: Amazônia, Pantanal e Cerrado, em especial.

E, em geral, é na dificuldade que a criatividade aflora. Assim, além das atividades ao ar livre, o evento Um Dia no Parque ganhou outros formatos e plataformas, ampliando o raio de ação para disseminar o tema.

O lançamento do desafio Minha Conexão com a Natureza surgiu, nas redes sociais, como um convite para que os seguidores do evento revelassem como se dá sua conexão com a natureza.

A ideia é que todos gravem vídeos simples contando um episódio especial, o primeiro contato ou qualquer situação que incentive seu contato com a natureza e intensifique a conexão. Em seguida, publiquem suas histórias nas redes sociais com a hashtag #minhaconexãocomanatureza, convidando amigos a fazer o mesmo.

Para incentiva-los, Angela, que também lidera a contou sua experiência: “A primeira vez que senti uma conexão forte com a natureza foi quando vi um rastro de onça. Ali, percebi que queria trabalhar pela preservação da natureza e me tornei conservacionista”. E, assim, a hashtag se espalhou. E continuará se espalhando.

Papos bacanas

Em seguida, vieram as lives semanais ou conversas online promovidas com a parceria do projeto Proteja Talks e transmitidas pelo You Tube e pelo Facebook do evento.

Nesses encontros, Ângela apresenta projetos e especialistas ligadas à conservação, ampliando o conhecimento sobre suas atividades e apresentando de que maneira cada um estava se organizando para participar do Um Dia no Parque, sem violar as medidas para evitar contágio por coronavírus.

Se você perdeu, pode assisti-las pelo canal do evento no YouTube.

Cinema no fundo do mar, no sábado

O dia está chegando e a programação de Um Dia no Parque está ainda mais intensa.

Amanhã, sábado, 17/10, às 15h, vai acontecer um encontro chamado Sala de Cinema (neste link aqui), composto por um papo bacana sobre mergulho em áreas protegidas com o pessoal do projeto Parques Nacionais e a exibição do filme Noronha Submerso: “uma bela composição de sons e imagens do mundo subaquático de um dos lugares mais incríveis do Brasil e do Planeta: o Parque Nacional Marinho de Fernando de Noronha”.

O documentário é um convite para conhecer um mundo diferente de profundo contato com a natureza, protagonizado por golfinhos-rotadores, tartarugas verdes, tartarugas de pente, porquinhos-pintados, cambevas, polvos, peixes-borboletas, lagostas, peixes-anjo, moréias, sardinhas, tubarões-limão e lixa, linguados, baiacus, barracudas, raias preto e chita, entre outros bichos incríveis.

No grande dia, atividades ao ar livre e festival com bate-papos e festival online

No domingo, 18/10, cerca de 135 unidades de conservação em todo o Brasil realizarão atividades presenciais “de forma segura e controlada, seguindo os protocolos da Organização Mundial de Saúde: distanciamento social, uso de máscaras, álcool em gel…”, ressalta Ângela.

Entre essas atividades estão observação de aves, manutenção de trilhas, limpeza de praias, passeios de bike, fotografia de natureza, educacao ambiental... Você pode identificar a mais interessante, de acordo com seu estilo, na página do Festival no Facebook, mas veja o que reservam alguns dos parceiros do evento, abaixo.

No Parque Nacional da Chamada dos Veadeiros, por exemplo, será realizada uma experiência de ciência cidadã batizada de Que Flor é Essa (#quefloréessa).

A Fundação Florestal de São Paulo, também parceria do Um dia no Parque, oferece gratuidade em todas as UC’s que administra no estado.

No Amazonas, vai acontecer um tour virtual pelas trilhas de duas UC’s, transmitidas pelo YouTube do evento.

Às 15h, em seu site, o projeto Proteja Talks exibe três painéis de debate sobre temas como turismo, arte, natureza, cultura, saúde, voluntariado, entre outros.

E, às 19h, vai rolar o Festival Um Dia no Parque, que reunirá 14 profissionais ou iniciativas inspiradores de todo o Brasil:

  • o documentarista e diretor de fotografia especializado em natureza, Cristian Dimitrius, vai falar de sua conexão com o mundo selvagem através das lentes;
  • Yara Barros, bióloga que se dedica, de corpo e alma, ao Projeto Onças do Iguaçu, em um dos lugares mais fantásticos da Terra, o Parque Nacional do Iguaçu;
  • Ailton Lara, guia de turismo, conservacionista e dono da pousada Pantanal Jaguar Camp (um dos mais aguerridos voluntários no combate ao fogo e pelo resgate de animais nos incêndios), vai falar da realidade do bioma: “Pantanal, vida e resiliência”;
  • Suzana Padua, educadora ambiental e co-fundadora do Instituto de Pesquisas Ecológicas (IPÊ), que vai contar como semeia amor pela natureza;
  • Weber Girão (Aquasis), que luta para guardar as nascentes que levam água para o sertão;
  • Guto Carvalho, observador de aves e criador do evento AvistarBrasil, que vai ensinar a “passarinhar para conectar pessoas e natureza”;
  • Vanessa Kanaan, bióloga e presidente do Instituto Espaço Silvestre, em Florianópois, com o qual resgata e devolve papagaios de peito roxo à natureza (já contamos sobre uma das solturas aqui);
  • Ricardo Borges, que está à frente da Grande Reserva da Mata Atlântica que trabalha o desenvolvimento com base nas riquezas naturais, culturais e históricas do maior e mais bem preservado remanescente desse bioma em todo o mundo;
  • Rodrigo Levikovicz, da Fundação Florestal de São Paulo, vai contar sobre a proteção das florestas do estado de São Paulo; e
  • Pedro Passos, do projeto Semeia, vai comentar sobre a importância das Unidades de Conservação para nossa existência.

As apresentações serão permeadas por shows e declarações de artistas ativistas como Elza Soares, Evandro Mesquita, Sérgio Brito, Gabriel Sater, João Suplicy e Mateus Solano, entre outros.

O festival será transmitido pelo canal do evento no YouTube.

Finalizo este texto reiterando o convite para que você participe deste movimento lindo e lembrando que, em uma de suas publicações nas redes sociais, Ângela Kuczach contou que uma das formas com as quais ela se conecta com a natureza é quando sente que plantou boas sementes. E explica:

“Não só sementes físicas, que dão pra gente plantas e árvores, que nos fornecem coisas tão fundamentais como o oxigênio, mas sementes de ideias transformadoras. É um prazer trabalhar com conservação da natureza no Brasil. É desafiador todo dia, mas, antes de mais nada, uma ideia transformadora”. E completa: Um Dia no Parque é isso: uma ideia transformadora. Uma ideia que já deu certo. E isso só aconteceu porque não é só minha, mas de cada um que atua com conservação no país”. Se você quiser ouvi-la, só clicar aqui.

Faça parte desta ideia. Nós estamos com Ângela e todos que aderiram e vão participar de Um Dia no Parque!

Imagens: Divulgação

Mônica Nunes

Jornalista com experiência em revistas e internet, escreveu sobre moda, luxo, saúde, educação financeira e sustentabilidade. Trabalhou durante 14 anos na Editora Abril. Foi editora na revista Claudia, no site feminino Paralela, e colaborou com Você S.A. e Capricho. Por oito anos, dirigiu o premiado site Planeta Sustentável, da mesma editora, considerado pela United Nations Foundation como o maior portal no tema. Integrou a Rede de Mulheres Líderes em Sustentabilidade e, em 2015, participou da conferência TEDxSãoPaulo.

Deixe uma resposta