Uber anuncia que 100% de seus veículos serão elétricos nos Estados Unidos, Europa e Canadá até 2030

Uber anuncia que 100% de seus veículos serão elétricos nos EUA, Europa e Canadá até 2030

A multinacional Uber, plataforma de serviço de mobilidade urbana que conecta motoristas parceiros a passageiros através de aplicativo, em quase 70 países e em mais de 10 mil cidades ao redor do mundo, anunciou um plano de sustentabilidade – o Driving a Green Recovery – na semana passada.

“Tudo mudou em 2020. Meses de paralisações contínuas custaram a milhões de pessoas seu sustento e empurraram cidades e empresas para um modo de sobrevivência. As desigualdades de longa data pioraram, com muitas das mesmas comunidades que foram afetadas pela poluição do ar agora vulneráveis aos impactos do COVID-19”, começa o texto do comunicado.

A empresa segue afirmando que pudemos vislumbar como a vida poderia ser com menos trânsito e ar mais limpo – em cidades construídas para pessoas, não para carros. “Mas as emissões de carbono voltarão ao “normal” em breve. Quando dois terços da população mundial estava confinada no início de abril, as emissões de carbono caíram 17% em comparação com o ano passado. Em junho, a queda era de apenas 5%. E os incêndios que continuam a assolar nosso estado natal, a Califórnia, são um lembrete preocupante da urgência da crise climática“.

Entre as metas anunciadas pela Uber para os próximos anos estão a de se tornar uma plataforma carbono zero até 2040, com 100% das viagens sendo realizadas em veículos não poluentes.

O primeiro passo será ter uma frota totalmente elétrica nos Estados Unidos, Canadá e Europa a partir de 2030, ou seja, daqui a uma década. Para conseguir alcançar esse objetivo, a companhia informou que irá investir 800 milhões de dólares para ajudar os motoristas a migrarem para carros elétricos nos próximos cinco anos. Além disso, a Uber pretende zerar as emissões de suas operações em seus escritórios em dez anos.

“Como os especialistas nos lembram, o acesso acessível a veículos verdes e equipamentos de recarga é fundamental para reduzir as emissões. É por isso que estamos nos associando a fabricantes de veículos e equipamentos de recarga e locadoras de veículos elétricos para conseguir descontos e vantagens para os motoristas”, garante Dara Khosrowshahi, CEO da Uber.

No mundo inteiro a plataforma conta com 5 milhões de motoristas/entregadores parceiros, como aqueles, por exemplo, que fazem entregas através do Uber Eats. Só no Brasil, são 1 milhão de pessoas que trabalham com a marca. O número diário de viagens/entregas globais chega a 18 milhões.

Outra iniciativa a ser implementada é a expansão do Uber Green, que ainda não existe no Brasil. Com ele, usuários podem solicitar, pagandor 1 dólar a mais pela corrida, um veículo elétrico ou híbrido. De acordo com a companhia, essas viagens emitem 44% menos carbono na atmosfera. A alternativa está disponível atualmente em 65 cidades do mundo. Os que optarem por essa opção, ganharão mais pontos no programa de fidelidade da empresa.

Motoristas que escolherem fazer parte do Uber Green receberão mais por suas corridas.

Um outro programa a ser oferecido, em breve, é o multimodal, que irá auxiliar a integracão a outras alternativas como metrô, bikes e scooters. Isso já acontece em projetos pilotos em cidades como Austin, Los Angeles, Munique, Portland, Roma e Zurique.

“Este é um começo e esperamos ser julgados por nossas ações. O sucesso final de nosso negócio dependerá de nossa capacidade de fazer a transição de nossa plataforma para energia limpa em parceria com motoristas, indústrias de inovação e governos. É a coisa certa a fazer por nossos clientes, nossas cidades, nossos acionistas e o planeta que todos compartilhamos”, ressalta Dara.

Leia também:
Veículos elétricos estão no centro do plano de recuperação da indústria automotiva da França pós-pandemia
Sidney quer substituir sua frota de 8 mil ônibus por similares elétricos
Trens mais baratos e incentivos para carros elétricos estão entre medidas de novo plano do clima na Alemanha
Moto ou carro? É o Gaia, o novo veículo elétrico brasileiro

Foto: Michael Marais on unsplash

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante 6 anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, vive agora em Washington D.C.

Deixe uma resposta