Três leopardos-das-neves morrem de covid em zoológico nos Estados Unidos

Três leopardos-das-neves morrem de covid em zoológico nos Estados Unidos

Ranney, Everest e Makalu eram três leopardos-das-neves que viviam no Lincoln Children’s Zoo, no estado de Nebraska, nos Estados Unidos. Há cerca de um mês, a administração do zoológico havia informado que os animais e também, os tigres de Sumatra Axl e Kumar tinham testado positivo para o novo coronavírus. Na última sexta-feira (12/11), veio a triste notícia: os leopardos-das-neves não resistiram às complicações provocadas pela covid-19.

“Nossos leopardos Ranney, Everest e Makalu eram amados por toda a nossa comunidade, dentro e fora do zoológico. Essa perda é verdadeiramente dolorosa e todos estamos sofrendo juntos”, diz o post publicado nas redes sociais.

Ainda segundo o comunicado, os tigres de Sumatra conseguiram se recuperar bem.

Já são vários os casos de animais contaminados pela covid em zoológicos dos Estados Unidos. E inclusive, da mesma espécie. Em julho, um leopardo-das-neves havia testado positivo para a doença no San Diego Zoo. Além de felinos, primatas também contraíram o vírus. Em janeiro, oito gorilas do mesmo zoológico foram infectados. Na época, os cuidadores notaram que dois deles estavam tossindo e apresentavam outros sintomas leves associados com a covid. Decidiu-se então pela análise das fezes dos animais, que confirmou a presença do SARS-CoV-2. Felizmente, todos ficaram bem. No Zoológico de Atlanta, 18 de 20 gorilas apresentaram sintomas moderados da doença, como perda de apetite, tosse e nariz escorrendo (leia mais aqui).

Em julho, uma vacina experimental contra a covid começou a ser administrada em animais de zoológicos e outras instituições dos Estados Unidos. O imunizante foi produzido por uma empresa veterinária, e depois da aprovação do Departamento Federal de Agricultura, 11 mil doses foram doadas gratuitamente. Algumas das primeiras delas foram entregues ao Oakland Zoo, onde tigres, ursos, leões e furões receberam o produto. Não se sabe, entretanto, se os leopardos Makalu, Everest e Ranney tinham sido vacinados.

Os leopardos-das-nevesem risco de extinção

Originários das regiões central e sul da Ásia, no passado os leopardos-das-neves (Panthera uncia) eram observados em montanhas, em terrenos acidentados de penhascos, enseadas rochosas e ravinas de países como China, Butão, Nepal, Índia, Paquistão, Afeganistão, Rússia e Mongólia.

Infelizmente, esses felinos foram levados praticamente à extinção. Segundo a Lista Vermelha, da União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN, na sigla em inglês), que avalia as condições de sobrevivência de milhares de espécies de animais e plantas no planeta, restam apenas entre 2.700 e 3.386 indivíduos da espécie na vida selvagem.

Em seu habitat natural, esse animal está bem preparado para enfrentar o frio. Os leopardos-da-neve possuem um pelo grossíssimo, com mais de 10 centímetros de comprimento, e que cobre tudo, exceto o nariz. Sua cauda tem todo o comprimento do corpo e lhe confere equilíbrio e agilidade. Com sua patas traseiras conseguem pular de um penhasco para outro.

Leia também:
Morre fêmea de leopardo-das-neves, que com seus sete filhotes, trouxe esperança para sobrevivência de espécie tão ameaçada
Mais animais, como gorilas e leões, testam positivo para a covid em zoológicos dos Estados Unidos
Cientistas alertaram, em 2007, que consumo de animais exóticos era bomba-relógio porque morcego é “reservatório de vírus SARS-Cov”
Tráfico de animais silvestres aumenta ameaça de novas pandemias e expansão para comércio digital impõe risco ainda maior à humanidade
“Se não restabelecermos equilíbrio entre natureza e homem, pandemias como essa se tornarão mais comuns”, alertam cientistas

Foto: reprodução Facebook Lincoln Children’s Zoo

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante 6 anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, vive agora em Washington D.C.

Deixe uma resposta