#TodosPelasVacinas: cientistas, artistas e organizações combatem fake news em prol da vacinação

#TodosPelasVacinas: cientistas, artistas e organizações combatem fake news em prol da vacinação

A sociedade civil brasileira se uniu em uma iniciativa para combater à desinformação sobre a vacinação. Na campanha #TodosPelasVacinas, pesquisadores, artistas, cientistas, profissionais de saúde e organizações estão unidos através de um único objetivo: promover a conscientização sobre a importância da imunização contra a COVID-19 e outras doenças preveníveis por vacinas!

O site da campanha reúne uma quantidade enorme e, o mais importante, confiável e segura, de informações sobre vacinas e vacinação, além de muitos materiais para serem compartilhados nas redes sociais para lutarmos contra a desinformação no Brasil e fazer com que todos entendam que só poderemos acabar com a pandemia da COVID-19 se todos forem vacinados.

Os textos, vídeos, áudios, memes, artes e podcasts foram produzidos e cedidos para a iniciativa por alguns dos principais nomes e especialistas de cada área.

A ilustração que abre este artigo, por exemplo, foi feita pela cartunista Laerte. Ela contraiu o coronavírus e está internada em um hospital de São Paulo. Apesar de ter sido transferida para a UTI no começo da semana, seus filhos informaram que ela já está respondendo melhor ao tratamento (assim como muitos brasileiros, a equipe do Conexão Planeta também está torcendo pela sua rápida recuperação!)

Como divulgamos ontem (29/01), em um ranking global, o Brasil apareceu como pior país na gestão da pandemia. Infelizmente, os brasileiros sofrem com a falta de liderança e a disseminação de fake news. Desde o início da pandemia o presidente Jair Bolsonaro menosprezou o coronavírus e sua gravidade. O chamou de “gripezinha”. Demitiu dois ministros da Saúde (médicos). Defendeu o uso de medicamentos sem eficácia comprovada pela ciência. Duvidou da importância do uso de máscaras de proteção e do distanciamento social e também, mais recentemente, da necessidade urgente da vacinação em massa.

“Somente através da vacinação é que de fato conseguiremos sair dessa pandemia. É um vírus que se transmite muito facilmente, ele sofre mutações, com capacidade de provocar síndromes clínicas muito variadas e com transmissão de pessoas para pessoas mesmo entre indivíduos assintomáticos. Enfim, é uma infecção muito difícil de controlar com medidas convencionais”, ressaltou a médica infectologista e epidemiologista Cristiana Toscano, a única brasileira a fazer parte do Grupo de Trabalho de Vacinas para COVID-19 do Grupo Estratégico Internacional de Experts em Vacina e Vacinação (Sage) da Organização Mundial da Saúde (OMS), ao Conexão Planeta (leia sua entrevista completa em Verdades e mitos sobre as vacinas contra a COVID-19).

Confira abaixo um dos muitos vídeos produzido pela campanha #TodosPelasVacinas. Assista, compartilhe e combata a desinformação:

Leia também:
Três semanas após início de vacinação, hospitais de Israel registram queda de 60% em internações de pacientes com mais de 60 anos
“SOS Brasil: ataques à ciência” é título de artigo na Lancet, uma das mais respeitadas revistas médicas do mundo
Artistas gravam vídeo para sensibilizar brasileiros sobre a importância da vacina contra a COVID
Anvisa e entidades médicas reforçam que NÃO há tratamento preventivo contra a COVID

Ilustração: Laerte

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante 6 anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, vive agora em Washington D.C.

Um comentário em “#TodosPelasVacinas: cientistas, artistas e organizações combatem fake news em prol da vacinação

  • 29 de janeiro de 2021 em 2:00 PM
    Permalink

    Parabéns ao movimento Todos Pelas Vacinas por ampliar a percepção popular positiva quanto ao papel das vacinas na saúde pública. Agora é buscar o apoio de outras entidades profissionais, inclusive estudantis, para ir derrubando a percepção equivocada que vem do próprio Planalto, e que apoia a política da morte.

    Resposta

Deixe uma resposta