PUBLICIDADE

“Toadzilla”: sapo gigantesco e venenoso das Américas do Sul e Central é encontrado na Austrália

"Toadzilla": sapo gigantesco e venenoso das Américas do Sul e Central é encontrado na Austrália

Seu nome popular já diz tudo: sapo-cururu ou sapo-boi. Nativo de países da América Central e do Sul, principalmente o Brasil, em específico, na Amazônia, esse anfíbio enorme é venenoso e considerado uma das principais espécies invasoras do mundo. No passado, ele foi “importado” em muitos lugares para combater pragas em lavouras. Acontece que eles não controlavam nada e se reproduziam sem controle.

Foi o que aconteceu na Austrália. Em 1935, 2.400 sapos-bois foram levados para uma região ao norte de Queensland para serem usados em plantações de cana-de-açúcar contra um inseto que matava as plantas. De nada adiantou e em 1999, ele foi incluído numa lista do governo de espécies que provocavam ameaça à biodiversidade local. Estima-se que sejam milhões deles em solo australiano.

Pois bem, mais de 20 anos depois, há poucos dias guardas florestais se depararam no Parque Nacional de Conway com um desses sapos. Não era qualquer um deles. Era uma fêmea gigantesca, que pesava 2,7 kg. Provavelmente a maior dessa espécie já registrada até hoje.

PUBLICIDADE

“Abaixei-me e agarrei o sapo-cururu e não pude acreditar como era grande e pesado”, contou a guarda  Kylee Gray. “Nós o apelidamos de Toadzilla e rapidamente o colocamos em um recipiente para que pudéssemos removê-lo da natureza”.

Sapos-bois podem viver cerca de 15 anos. Uma fêmea pode produzir até 30 mil ovos em cada temporada reprodutiva. Como são venenosos, podem matar outros animais, incluindo domésticos. A toxina age sobre qualquer bicho que os morde, lambe ou come.

O veneno leitoso das glândulas parotóides, chamado de bufotoxina fica atrás dos ombros. Afeta o coração, e a bufotenina, um alucinógeno.

“Um sapo-cururu desse tamanho come qualquer coisa que caiba em sua boca, e isso inclui insetos, répteis e pequenos mamíferos”, explica Kylee.

Toadzilla foi retirado do parque nacional e sacrificado. Caso continuasse no local, poderia continuar se reproduzindo e causar um desequilíbrio naquele ecossistema. O Museu de Queensland já se mostrou interessado em receber o animal para tê-lo em sua coleção de anfíbios.

*Com informações do Queensland Government e da National Geographic

Leia também:
Seis espécies de anfíbios invasores são identificadas no Brasil
Papo de Sapo: série de animação musical conta sobre descobertas científicas para leigos, com muito bom humor
Para escapar de predadores, sapos-de-vidro escondem seus glóbulos vermelhos enquanto dormem
Com ajuda de arte e educação, biólogos querem salvar da extinção os sapos-arlequim, entre eles, dois brasileiros

Foto de abertura: © The State of Queensland (Department of Environment and Science)

Comentários
guest

8 Comentários
Oldest
Newest Most Voted
Inline Feedbacks
View all comments
Maria da Conceição Marques da Cunha
Maria da Conceição Marques da Cunha
1 ano atrás

Os sapos não podem ser vistos só como uma besta pra natureza,todo animal se pararmos para pensar tem em si mesmo sua defesa natural, ninguém atua melhor do que a própria natureza,se ele existe é porque sua presença é bem mais do que necessária na natureza ,quanto ao ciclo de vida só devemos respeitar nossa existência e se ele está causando algum dano a natureza ou ao meio ambiente existe um sério problema,o homem ele nunca conseguiu ecoexistir com a vida que aqui já estava.O que vai acontecer quando o homem super lotar o planeta?

LUIZ PEREIRA CARLOS
LUIZ PEREIRA CARLOS
1 ano atrás

Falam deste sapo como se fosse novidade mas há 65 atrás em Teresópolis próximo a granja Comari ele está a lá, a a criançada se divertia com medo deles.

Robson saraiva
Robson saraiva
1 ano atrás

Tudo isso só começou pela ação do ser humano,acredito que não tivessem usado os sapos como uma uma soluçao pra um poblema a natureza não estaria em desequilibrio e isso só fez causa um outro maior.Sobre o sapo ser sacrificado sou totalmente contra ,se ele foi encontrado em um parque nacional deveriam ter colocado em seu hábitat natural ,como aconteçe com um jacaré ou uma cobra ,sendo que o sapo é um animal igual a qualquer outro.

Ana
Ana
1 ano atrás

Oi Suzana estou vendo que as pessoas não entendem que a função jornalística e informar as pessoas seja uma curiosidade…seja um evento como esse que e interessante…mas sabe e que na verdade as pessoas gostam de tragédias…fofocas….mentiras…e por.ai vai…quando se posta um a matéria interessante a título de informações até mesmo para estudantes que hoje não sabem nem que o “leite vem da vaca”…estão desinformados pois e um bombardeio dessas notícias inúteis…quando se depara com uma matéria que na vdd até pode despertar a curiosidade de um estudante para estudar espécie quem sabe despertar para uma profissão já que os estudantes nem sabe o que querem ser…as pessoas preferem criticar…mas parabéns pela matéria…e continue trazendo coisas interessantes além de fofocas e tragédias…fique com Deus

José Romario
José Romario
1 ano atrás

Nossa!!!

Nem né America do Sul se acha um desse porte.
Foi igual aos Javalis, introduzidos na fauna brasileira.

Sem predadores, São uma praga

Notícias Relacionadas
Sobre o autor
PUBLICIDADE
Receba notícias por e-mail

Digite seu endereço eletrônico abaixo para receber notificações das novas publicações do Conexão Planeta.

  • PUBLICIDADE

    Mais lidas

    PUBLICIDADE