PUBLICIDADE

Tigres, ursos, leões e furões são vacinados contra a covid em zoológico americano

Tigres, ursos, leões e ferrões são vacinados contra a covid em zoológico americano

No começo do ano, em março, orangotangos e bonobos foram os primeiros animais a serem vacinados contra a covid nos Estados Unidos. Depois que oito gorilas testaram positivo para a doença no Zoológico de San Diego, na Califórnia, dois meses antes, decidiu-se pela imunização de algumas espécies. A vacina experimental foi desenvolvida por um laboratório de medicamentos veterinários, o Zoetis, e teve seu uso autorizado pelo Departamento Americano de Agricultura.

No mês passado, a empresa também doou 11 mil doses de vacina para outros 27 zoológicos, santuários de vida selvagem, abrigos e organizações de proteção animal, em 27 estados do país. No Oakland Zoo, no norte da Califórnia, tigres, ursos, leões-da-montanha e furões foram os primeiros a receberam o imunizante. Assim como a maioria das vacinas para os seres humanos, os animais também terão que tomar duas doses.

Em um segundo momento, primatas, morcegos e porcos também participarão da imunização.

De acordo com a empresa fabricante, embora o vírus (antígeno) seja o mesmo que nas vacinas humanas, as para animais variam de acordo com o portador (adjuvante) que é usado, e isso garante a segurança e a eficácia para as espécies nas quais ela é aplicada. A Zoetis também desenvolveu para felinos e cães testes de diagnóstico (PCR) para detectar o SARS-CoV-2, vírus que causa a covid-19, que fornecem o resultado em tempo real.

“Mais do que nunca, a pandemia do novo coronavírus reforçou a importante conexão entre a saúde animal e a saúde humana, e continuamos monitorando doenças infecciosas emergentes que podem afetar tanto animais quanto pessoas”, diz Mahesh Kumar, vice-presidente senior de Global Biologics da companhia.

Em junho, dois leões morreram de covid num zoológico da Índia. Outros dez leões também testaram positivo para a doença no local, que estava fechado para visitação pública.

Um dos primeiros casos confirmados no mundo de contaminação animal pelo coronavírus ocorreu em abril de 2020, quando um tigre em Nova York ficou doente. Na época, o Bronx Zoo divulgou que a fêmea Nadia, de 4 anos, foi infectada pelo coronavírus. Além dela, a irmã, Azul, dois outros tigres da espécie Amur e três leões africanos estavam com tosse, sinal que também tinham sido contaminados. Todavia, como para realizar o teste de sangue nesses animais é preciso sedá-los, o time do zoológico decidiu submeter apenas um deles, no caso, Nadia, ao procedimento (leia mais aqui).

Desde então, a presença do vírus também foi detectada em fazendas de criação de visons nos Estados Unidos, Holanda, Espanha, Grécia, Suécia, Itália e Dinamarca. Só neste último, mais de 15 milhões deles precisaram ser sacrificados.

Leia também:
Leopardo-das-neves é mais novo caso de animal contaminado pela covid no San Diego Zoo, nos Estados Unidos
Cientistas alertaram, em 2007, que consumo de animais exóticos era bomba-relógio porque morcego é “reservatório de vírus SARS-Cov”
Tráfico de animais silvestres aumenta ameaça de novas pandemias e expansão para comércio digital impõe risco ainda maior à humanidade
“Se não restabelecermos equilíbrio entre natureza e homem, pandemias como essa se tornarão mais comuns”, alertam cientistas

Foto: divulgação Oakland Zoo

Comentários
guest

1 Comentário
Oldest
Newest Most Voted
Inline Feedbacks
View all comments
Sandra
Sandra
2 anos atrás

Se estivessem em seus habitats, de onde foram ardilmente arrastados, após caírem em ciladas humanas, não precisariam de vacina contra Covid porque saberiam estar vivos e felizes sem ela.

Notícias Relacionadas
Sobre o autor
PUBLICIDADE
Receba notícias por e-mail

Digite seu endereço eletrônico abaixo para receber notificações das novas publicações do Conexão Planeta.

  • PUBLICIDADE

    Mais lidas

    PUBLICIDADE