Tião dá um novo e importante passo na longa jornada de recuperação, após início de vida em meio aos incêndios do Pantanal

Tião dá um novo e importante passo na longa jornada de recuperação, após início de vida em meio aos incêndios do Pantanal

Para os íntimos ele é “Tiãozinho”. Afinal, há muito amor envolvido nessa história. Tião é seu verdadeiro nome. Pelo menos assim ele foi batizado por seus cuidadores, que ao longo dos últimos quase dois anos têm feito de tudo para que ele cresça forte, saudável e possa, um dia, se tudo der certo, ser solto novamente na natureza. O então filhote de anta foi encontrado em 2020 sozinho, com as quatro patas queimadas e levado para ser cuidado inicialmente na Universidade Federal do Mato Grosso.

Tião foi mais uma das muitas vítimas dos incêndios florestais que devastaram o Pantanal naquele ano, quando cerca de 30% do bioma foi queimado pelo fogo. Quando resgatado, ele tinha entre 30 a 40 dias. Estava muito debilitado e desnutrido.

“Ele tinha o comprometimento das quatro patas, mas os dois membros anteriores eram os mais afetados. Além das queimaduras, ele teve exposição óssea e perdeu a falange distal da pata direita da frente. Essa falange tem várias funções, inclusive relacionadas com o crescimento do casco”, explica Jorge Salomão Junior, veterinário e responsável técnico da Ampara Silvestre, organização que também fez o resgate e cuidou de vários animais durante a tragédia de 2020.

Tião dá um novo e importante passo na longa jornada de recuperação, após início de vida em meio aos incêndios do Pantanal

Tião, logo após seu resgate, com as quatro patas queimadas

Ao longo dos últimos dois anos, a anta passou por diversos tratamentos para sua recuperação, que incluíram ozonioterapia, laserterapia e a aplicação de pele de tilápia. E por causa da lesão na pata, constantemente precisa ser anestesiado e ter seus cascos alinhados.

Tião dá um novo e importante passo na longa jornada de recuperação, após início de vida em meio aos incêndios do Pantanal

Em pouco tempo, o filhote se tornou o xodó da equipe da Ampara:
na foto, com o focinho sujo de leite

Mas Tião está crescendo bem e surpreendendo a todos com sua alegria e força. Na última semana, ele iniciou um passo importante para a sua futura e tão aguardada reintrodução na vida selvagem (caso seja realmente possível). A anta foi transferida para um recinto maior, situado no Parque Sesc Baía das Pedra, unidade do Polo Socioambiental Sesc Pantanal, no município de Poconé.

“O recinto é bem grande, com um lago grande também e isso vai acelerar muito o processo de recuperação dele. Vamos avaliar se poderemos fazer a soltura dele na natureza por causa do problema no caso”, diz Salomão.

O veterinário ressalta que estando numa área maior, Tião poderá se exercitar e nadar mais, e isso fortalecerá sua musculatura. Aos poucos também, no novo recinto, a equipe irá se distanciar fisicamente ainda mais do animal para que ele volte a ter um instinto mais selvagem e não se sentir tão à vontade com os seres humanos.

“Estamos bem otimistas em relação ao desenvolvimento dele daqui para a frente. Sempre fazendo o máximo para que a gente consiga reintroduzí-lo na natureza”, completa.

Tião dá um novo e importante passo na longa jornada de recuperação, após início de vida em meio aos incêndios do Pantanal

Torcida não falta para que o Tiãozinho possa correr livre e feliz pelo Pantanal novamente. Assim como nós do Conexão Planeta, ele já virou o xodó de milhares de brasileiros que o acompanham pelas redes da Ampara.

Se depender de boas energias e todo o amor enviado por seus fãs, tudo vai dar certo para o nosso querido Tião!

*Todo o trabalho feito pela Ampara Silvestre conta com a importante colaboração de parceiros, como o Sesc Pantanal e também, a companhia aérea LATAM, que tem transportado gratuitamente os especialistas e veterinários responsáveis pelo tratamento do Tião.

Fotos: reprodução Facebook Ampara Silvestre

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante 6 anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, vive agora em Washington D.C.

Deixe uma resposta