Talibã proíbe meninas e mulheres de praticarem esportes no Afeganistão

Talibã proíbe meninas e mulheres de praticarem esportes no Afeganistão

Apesar dos representantes do Talibã terem afirmado que respeitariam os direitos das mulheres, como já era imaginado, o regime está impondo cada vez mais restrições à vida das afegãs. Depois de ter reprimido vários protestos nas ruas, hoje um porta-voz do grupo extremista, que tomou o poder do país em agosto, anunciou que meninas e mulheres estão proibidas de praticar esportes. Durante entrevista à uma rede de televisão da Austrália, o representante do novo governo afirmou que as atletas ficarão com partes do rosto e do corpo visíveis e o Islã não permite isso.

“É a era da mídia, e haverá fotos e vídeos, e então as pessoas assistirão. O Islã e o Emirado Islâmico não permitem que as mulheres joguem críquete ou pratiquem outros tipos de esporte em que são expostas”, declarou Ahmadullah Wasiq, vice-chefe da Comissão de Cultura do Talibã.

Emirado Islâmico é o nome com o qual o grupo chama agora o Afeganistão.

Várias atletas deixaram o país no final de agosto. Mostramos, por exemplo, a história da ativista e capitã da seleção paralímpica de basquete que fugiu para a Espanha. Nilofar Bayat tinha apenas dois anos quando um foguete lançado pelo Talibã atingiu sua casa. Além de perder o irmão, ela teve sérios ferimentos na espinha dorsal e com isso, ficou com problemas de mobilidade. “Eu sou uma prova de quão perigoso é o Talibã. E de como viver no Afeganistão é difícil: não há futuro nem esperança”, disse ela há três semanas.

Nilofar teve a ajuda do governo de Pedro Sánchez e da Federação de Basquete daquele país. Sua história chegou até eles graças à amizade com um jornalista, que a contou na mídia espanhola. A esportista e o marido voaram para lá com 100 outros refugiados. A afegã foi convidada para jogar no time Bidaideak Bilbao. 

Logo que o Talibã assumiu o poder do governo, a ex-capitã da seleção afegã de futebol feminino, Khalida Popal, que vive na Dinamarca, logo recomendou que as jogadoras se livrassem de uniformes e apagassem suas redes sociais. Ontem (08/09), ela voltou a usar seu perfil no Instagram para lamentar a declaração feita pelo representante do atual governo.

“O anúncio foi feito oficialmente!

O direito de praticar qualquer esporte para mulheres e meninas foi banido no Afeganistão.

Muitas mulheres, inclusive eu, usaram os esportes como meio de capacitação, inclusão e ativismo. Todos os anos de dedicação, sacrifícios e amor simplesmente desapareceram pelo inimigo da humanidade.

O sentimento de liberdade é a coisa mais incrível que acontece quando você participa de qualquer atividade esportiva, mas esse sentimento foi tirado de mulheres e meninas que não tinham voz e nenhum papel na tomada de decisões. Não importa quantas vezes eles silenciam e abandonam mulheres e meninas.

Não vamos parar de lutar, não vamos desistir. NÓS BRILHAREMOS MAIS FORTES JUNTAS !! Eu sou a #Voz para minhas irmãs que perderam a voz”.

Já Shabnam Mobarez, que era a atual capitã do time, mas estava nos Estados Unidos, também tinha externado sua preocupação com as colegas. Ela pediu a ajuda da Federação Internacional de Futebol, FIFA, para retirá-las do Afeganistão. Dias depois, a organização global FIFPRO informou que com o auxílio do governo da Austrália conseguiu embarcá-las num voo para a Holanda.

Em julho, a ativista paquistanesa e ganhadora do Nobel da Paz, Malala Yousafzai, que em 2012 levou um tiro na cabeça de militantes do Talibã porque lutava pelos direitos das meninas à educação, escreveu em suas redes sociais como o esporte tinha sido importante na sua vida.

“Quando menina, adorava jogar críquete com meus amigos e irmãos. Mas percebi que os meninos jogavam uma bola mais lenta para mim, presumindo que as meninas tinham medo de acertar uma bola rápida. Eu sempre gritei com eles e disse-lhes para jogarem a bola como fariam se eu fosse um menino. Praticar esportes me ajudou a ter ousadia para ser competitiva e resiliente em minha luta pela educação e igualdade das meninas”, afirmou.

Leia também:
“Estou profundamente preocupada com as mulheres do Afeganistão”, diz Malala
Artista iraniana retrata a força, os desejos e a dor das mulheres afegãs em grafites pelas ruas de Cabul e do mundo

O afegão Abbas Karimi da Equipe Paralímpica de Refugiados não ganhou medalha, mas tem lugar garantido no pódio da vida
Artista afegã mostra a beleza, a dor e o sofrimento de seu povo através da pintura
Organização de proteção animal tenta desesperadamente tirar centenas de gatos e cães do Afeganistão
Airbnb dará moradia temporária para 20 mil refugiados afegãos

Foto: reprodução Facebook Afghanistan Football Federation/CAFA Association

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante 6 anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, vive agora em Washington D.C.

Deixe uma resposta