Startup espanhola cria turbina eólica sem pás

Startup espanhola cria turbina eólica sem pás

Como já escrevi aqui antes, a energia eólica é uma das fontes renováveis que mais cresce no mundo inteiro. No Brasil, em 2019, eram quase 600 parques eólicos e mais de 7 mil turbinas em 12 estados brasileiros, que atendiam, em média, o consumo de 26 milhões de residências, ou aproximadamente 80 milhões de pessoas.

Todavia, um dos grandes desafios decorrentes da instalação de enormes turbinas eólicas é a morte acidental de aves, que colidem com essas gigantes pás e seus motores.

Mas este problema pode estar com os dias contados. A startup espanhola Vortex Bladeless desenvolveu uma turbina eólica sem pás. “Basicamente, a tecnologia bladeless consiste em um cilindro fixado verticalmente por uma haste elástica. O cilindro oscila em uma faixa de vento, que então gera eletricidade por meio de um sistema de alternador. Em outras palavras, é uma turbina eólica que não é realmente uma turbina. Os geradores eólicos de vórtice são mais semelhantes em características e economia ao longo do tempo aos painéis solares do que às turbinas eólicas normais”, explicam os sócios da empresa.

Startup espanhola cria turbina eólica sem pás

O cilindro externo do Vortex Bladeless é projetado para ser bastante rígido e tem a capacidade de vibrar, permanecendo ancorado na barra inferior. Já seu topo tem a amplitude máxima de oscilação.

“A estrutura é construída com resinas reforçadas com carbono e/ou fibra de vidro, materiais utilizados nas pás convencionais dos aerogeradores. A parte superior da haste suporta o mastro e a parte inferior está firmemente ancorada ao solo”, detalham os empreendores. Segundo eles, a construção dessas turbinas requer menos uso de matérias-primas e reduz a necessidade de uma base mais profunda.

Atualmente, a Vortex gera eletricidade através de um sistema alternador, formado por bobinas e imãs, sem engrenagens, eixos ou quaisquer partes giratórias.

Startup espanhola cria turbina eólica sem pás

A intenção é no futuro construir turbinas mais altas, com maior capacidade de geração de energia

Recentemente, o projeto dos jovens espanhóis (são seis sócios) recebeu a aprovação da empresa estatal de energia da Noruega, Equinor, que incluiu a Vortex em uma lista das dez startups mais interessantes no setor de energia.

As turbinas têm 3 metros de altura e apesar de parecer que giram pra frente e prá trás, na verdade, fazem um movimento circular:

É óbvio que o formato da Vortex Bladeless já se tornou motivo de piadas porque faz lembrar um gigante vibrador. Por esta razão foi apelidado de “skybrator” nas mídias sociais.

Apesar disso, os idealizadores vêem a comparação com bom humor. E afirmam que o vortex deve ser um aliado às tradicionais turbinas, com pás. A ideia é que sejam instalados em áreas urbanas, onde não é possível ter espaço suficiente para grandes parques eólicos. Ainda de acordo com eles, o ruído produzido pelo cilindro é mínimo.

Startup espanhola cria turbina eólica sem pás

O Vortex Nano instalado no telhado do Escola Técnica Superior de Ávila,
na Espanha

A companhia já desenvolveu inclusive alguns modelos menores, que podem ser instalados em edifícios ou casas.

“Hoje, a turbina é pequena e geraria pequenas quantidades de eletricidade. Mas estamos procurando um parceiro industrial para expandir nossos planos para uma turbina de 140 metros, com capacidade de energia de 1 megawatt ”, disse David Yáñez, em entrevista ao jornal The Guardian.

Leia também:
Pá pintada de preto em turbina eólica consegue reduzir em 70% morte acidental de pássaros
Capacidade de produção de energia eólica no Brasil já é igual a de Itaipu
Todos os trens da Holanda já são movidos a energia eólica
Metrô de Santiago será primeiro do mundo a funcionar com energias solar e eólica
Dinamarca bate novo recorde mundial: 42% da energia produzida no país é eólica

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante 6 anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, vive agora em Washington D.C.

Deixe uma resposta