Segundo peixe-leão é capturado em Fernando de Noronha: espécie invasora é predadora, venenosa e se reproduz rapidamente

Segundo peixe-leão é capturado em Fernando de Noronha: espécie invasora é predadora, venenosa e se reproduz rapidamente

Em 2018, a possível presença de um peixe-leão no Parque Nacional Marinho de Abrolhos alarmou cientistas brasileiros. O motivo para o alarde é claro. Nativo dos Oceanos Índico e Pacífico, esse peixe (Pterois volitans ou P. miles) é um predador. Seus espinhos venenosos provocam muita dor e em recifes de corais, ele se alimenta vorazmente de outros peixes. Em seu habitat natural, ele é controlado pela cadeia alimentar, onde é presa de espécies de garoupas e até por tubarões. Mas longe dos inimigos naturais, se reproduz rapidamente e sem controle. Uma fêmea pode colocar até 2 milhões de ovos por ano.

Até hoje, cinco peixes-leões já foram capturados no Brasil. E o caso mais recente aconteceu em Fernando de Noronha, o segundo ocorrido na ilha. Segundo informações da empresa Sea Paradise, o animal foi avistado por um de seus mergulhadores no último dia 30 de julho e após o encontro, autoridades locais foram avisadas, como os representantes do O Instituto Chico Mendes da Biodiversidade (ICMBio), responsável pelas áreas protegidas do arquipélago.

O peixe-leão estava a 32 metros de profundidade. Agora amostras dele serão analisadas pela equipe do Departamento de Biologia da Universidade Federal Fluminense e também, da Universidade da Califórnia, nos Estados Unidos. O objetivo é tentar determinar de onde o peixe é proveniente. A suspeita mais provável é que seja do Caribe.

Em dezembro do ano passado, o mesmo mergulhador que encontrou o peixe se deparou com o primeiro registrado nas águas de Noronha.

Desde 2019, o ICMBio faz uma campanha de alerta e monitoramento entre moradores, pescadores e empresas da área turística sobre os perigos relacionados ao peixe-leão. A recomendação é que, caso ele seja avistado, não deve-se tentar capturá-lo ou matá-lo, mas comunicar imediatamente a equipe do Projeto Conservação Recifal.

Nas últimas décadas, houve uma proliferação sem controle de peixe-leão tanto no Mar Mediterrâneo como no Caribe, como noticiamos aqui, nesta reportagem em 2016.

Se em seu habitat natural a espécie é controlada por predadores, em outros lugares ele não é percebido pelas demais como um risco, o que as fazem ignorá-lo e desta maneira, ele consegue se reproduzir em escala assustadora. A presença do peixe invasor provoca desequilíbrio no ecossistema marinho e afeta diretamente o estoque de peixes nativos.

peixe-leão

Em alguns países, o abate do peixe-leão já é permitido. Mas em outros lugares, a solução para combater o invasor é levá-lo para o prato! Apesar de seus espinhos serem venenosos, a carne não é

Leia também:
ICMBio adverte sobre alimentação de tubarões por barcos de turismo em Fernando de Noronha
Em expedição, pesquisadores se deparam com espécies de peixes nunca antes registradas em Fernando de Noronha
Seis espécies de anfíbios invasores são identificadas no Brasil
Um é invasor, outro é nativo. Adivinha quem está ganhando a batalha?
Cassiopea andromeda: a bela invasora das águas brasileiras

Foto: reprodução Instagram Sea Paradise (abertura) e Tchami/Creative Commons/Flickr

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante 6 anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, vive agora em Washington D.C.

Deixe uma resposta