“Se não dermos um basta à perda da biodiversidade, poderemos enfrentar nossa própria extinção”, alerta ONU


“Se não dermos um basta à perda da biodiversidade, podemos enfrentar nossa própria extinção”, alerta ONU

As (más) notícias sobre a extinção de espécies no planeta não têm fim. Diariamente divulgamos uma nova: Brasil tem sete espécies de árvores em risco de extinção; mais de 26 mil espécies estão em risco de extinção, revela nova lista vermelha da IUCN; uma em cada oito aves do planeta está em risco de extinção; planeta perde 60% dos animais vertebrados selvagens em menos de 40 anos, diz estudo do WWF

“O mundo precisa de um novo acordo sobre a natureza nos próximos dois anos ou a humanidade poderá ser a primeira espécie a documentar sua própria extinção”, alerta Cristiana Pașca Palmer, secretária executiva da Convenção sobre Diversidade Biológica das Nações Unidas.

Em artigo ao jornal britânico The Guardian, a representante da ONU enfatiza que é fundamental que os 195 países, mais as nações da União Europeia, que fazem parte da convenção, e estarão reunidos em Sharm el Sheikh, no Egito, este mês, saiam do encontro com compromissos e ações urgentes delineadas para evitar que a extinção em massa de espécies continue.

“A perda da biodiversidade é um assassinato silencioso”, diz Cristiana. “É diferente das mudanças climáticas, em que as pessoas sentem diariamente o impacto em suas vidas. Com a biodiversidade, isso não fica evidente. Quando as pessoas se derem conta do que está acontecendo, já será tarde demais”.

O que ambientalistas e organizações de proteção esperam da reunião no Egito é um documento que tenha o mesmo peso do Acordo de Paris, aquele assinado em 2015, sobre as mudanças climáticas, em que líderes mundiais se comprometeram publicamente a reduzir suas emissões de gases de efeito estufa para tentar limitar o aumento da temperatura da Terra a 1,5o, acima dos níveis pré-industriais, quando começou-se a fazer esse tipo de medição.

Infelizmente, nem todos os países consideram o tema “biodiversidade” tão importante quanto o aquecimento global, tanto é que, os Estados Unidos, mesmo ainda sob a administração de Barack Obama, costumava enviar somente um observador aos encontros das Convenção sobre Diversidade Biológica da ONU.

Há oito anos, os países signatários das Metas de Aichi se comprometeram, a reduzir, pelo menos pela metade, as perdas de habitats naturais, assegurar a pesca sustentável e expandir as áreas de conservação, em média, em 15%, até 2020. A maioria não conseguiu cumprir o prometido.

Foto: UN Photo/Tobin Jones (Somália)/Creative Commons/Flickr

Um comentário em ““Se não dermos um basta à perda da biodiversidade, poderemos enfrentar nossa própria extinção”, alerta ONU

  • 8 de novembro de 2018 em 10:18 AM
    Permalink

    Humanos alienados que não se preocupam com o ambiente em que vivem, muito menos se vão preocupar com a própria extinção. Extintos seremos todos, um dia, cada qual na sua hora de morrer, claro, porém desnecessária deveria ser essa antecipação, uma vez que há tanto o que fazer ainda na Terra, começando por livrá-la dos dejetos que fabricamos, sem noção, contaminando com nano partículas a água que nossos bebês ingerem, por exemplo, porque continuamos sendo os insanos que fumam sabendo que o cigarro mata e bebem para dirigir, matando e morrendo por causa disso. Se não mudarmos logo, tudo indica que mereceremos ser extintos mas que assim não seja.

    Resposta

Deixe uma resposta

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante 6 anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, vive agora em Washington D.C.