“Se esse presidente ruim falar alguma coisa para o senhor, ignore-o”, diz o cacique Raoni para Joe Biden sobre Bolsonaro

Sempre ativo e atuante, até o início de 2020 o cacique Raoni viajava pelo mundo e promovia encontros em sua aldeia para manter vivos os debates com “os parentes” em defesa de suas vidas e das florestas.

Mas, com a pandemia, a luta que empreende desde jovem, de maneira incansável, foi afetada por seu estado de saúde – teve complicações gástricas em julho e foi infectado pela covid-19 em agosto – e pelo falecimento de sua querida esposa, Bekwika Metuktire.

Assim que se restabeleceu, Raoni voltou a se manifestar virtualmente e, na semana passada, gravou mensagem para o presidente americano, Joe Biden, transmitida pelo Fórum Nacional em Defesa da Amazônia (Emergência Amazônica — Em defesa da Floresta e da Vida) em 15/4 e que ganhou as redes sociais por meio do Instituto Raoni (assista no final deste post).

“A mensagem foi provocada pela preocupação de Raoni de que o presidente Biden avance em um acordo EUA x BR com foco na Amazônia, sem escutar os povos da Amazônia”, disse o instituto no Instagram.

Vale destacar aqui que, de certa forma, tal acordo foi desmentido na semana passada por John Kerry, do Departamento de Estado sobre Mudanças Climáticas dos EUA, via Twitter, em resposta à carta de Bolsonaro à Biden: “… esperamos ações imediatas e engajamento com as populações indígenas e a sociedade civil para que este anúncio possa gerar resultados tangíveis” (falamos disso aqui).

(O fórum acima citado reuniu ambientalistas, artistas, parlamentares, representantes indígenas, quilombolas e pessoas do campo para debater o acordo que o governo Bolsonaro quer fazer com os EUA, mas que, ao que tudo indica, já fracassou)

“Os presidentes anteriores sempre me escutaram. Só este está contra mim”

“Presidente dos Estados Unidos, ouça com atenção o que vou falar: tenho ouvido muitas coisas ruins, por isso tenho ficado muito triste. Triste por saber que tudo que tenho feito em prol do meio ambiente está sendo, a cada dia, mais ameaçado. O presidente deste país tem dito muitas mentiras. Ouça-me!”.

Foi assim que Raoni iniciou seu discurso virtual, destacando que está “muito triste” com a situação, que não quer madeireiros e garimpeiros nas terras Kayapó porque seu desejo é manter a floresta em pé.

“Tenho lutado pela permanência da floresta, desta terra. Que seja intacta! Desde jovem venho falando sobre isso e os presidentes anteriores sempre me escutaram. Somente este presidente está contra mim. Eu não gostei disso, por isso estou falando com o senhor. Espero que me escute, onde estiver. Se este presidente ruim fala alguma coisa para o senhor, ignore-o! Diga que Raoni já falou com o senhor!”.

E continuou: “Quero nossos rios limpos e sem barragem, e que a floresta permaneça em pé. É para que meus netos e bisnetos possam viver nela que eu estou pedindo. Essas minhas palavras são para termos paz e harmonia. Para que nos odiarmos tanto por terra e floresta? Não tem que ser assim”.

Por fim, deixou claro que estava ali falando muito sério sobre tudo:

“Entenda o meu pensamento, me ajude e eu também vou te ajudar para que possamos conseguir coisas boas, para as pessoas reconhecerem os frutos do nosso trabalho. Não sei falar seu nome, mas o meu nome o senhor já conhece! Eu me chamo Raoni. É isso. Eu não estou aqui de brincadeira”.

Leia também:
Cacique Raoni lança manifesto Kayapó contra invasões e garimpo em terras indígenas
Cacique Raoni está na Europa para denunciar ameaças à Amazônia e ao Xingu e buscar apoio

Foto: Instituto Raoni/Divulgação

Mônica Nunes

Jornalista com experiência em revistas e internet, escreveu sobre moda, luxo, saúde, educação financeira e sustentabilidade. Trabalhou durante 14 anos na Editora Abril. Foi editora na revista Claudia, no site feminino Paralela, e colaborou com Você S.A. e Capricho. Por oito anos, dirigiu o premiado site Planeta Sustentável, da mesma editora, considerado pela United Nations Foundation como o maior portal no tema. Integrou a Rede de Mulheres Líderes em Sustentabilidade e, em 2015, participou da conferência TEDxSãoPaulo.

Deixe uma resposta