Se em vez de receita, comida pra ajudar quem tem fome!

Se em vez de receita, comida pra ajudar quem tem fome!

O  menino passava em frente ao supermercado e pensou: 
– Se eu driblasse o segurança e pudesse entrar?
Entrou e pensou de novo:
– Se eu pedisse comida pra mulher?
E pediu. 
Fui com ele buscar arroz, feijão, comida nas prateleiras
Se o segurança chegasse agora?
Chegou.
Se eu fingisse que conheço o menino há tempos?
– Maicon está comigo. Pode deixar.
Seguimos comprando coisas necessárias. As básicas e que ele conseguisse levar. 
– Quantos irmãos, Maicon?
– Quatro.
– Mora com quem?
– Minha mãe. Meu pai não conheço.
Compra paga, sacolas na mão. Maicon se despede. E vai.
Sigo com a minha compra. E penso agora:

Se o segurança não quisesse tirar o menino de lá
Se ele não tivesse mais quatro irmãos em casa sem ter o que comer
Se tanta gente não estivesse na fila à espera
Se a doença fosse o único mal
Se a vida lá fora não nos espremesse tanto
Se não fosse tão urgente abastecer a despensa de tantas casas
Se fossem casas as tantas casas
Se tivesse café, almoço e janta
Se o senhor desempregado que vi na reportagem tivesse no armário mais do que um pouco de sal  
Se não me calasse no dia em que riram e eu não achei graça nenhuma
Se a empregada da vizinha não me contasse que a irmãzinha da igreja cuida de nove netos, mora num cômodo apertado e está está recebendo ajuda pra comprar leite
Se a moça que veio aqui em casa pedir emprego, pelo amor de Deus, não precisasse de uma diária de faxina pra comprar umas coisinhas lá pra casa
Se hoje eu não corasse só em pensar em receita  
Se em vez de sugerir a receita “risoto tira o arbóreo, entra a quinoa” –  que me fez corar – eu fizesse mais doação
Se eu deixasse a receita pra próxima e pedisse doação pra quem tem fome

Esse texto foi feito, confesso, com dificuldade. Enquanto vivo em família, ao redor da mesa, momentos agradáveis, saborosos e agradecidos, vejo mais pessoas em situação de vulnerabilidade, de pobreza e de fome.

É só apontar o olhar no supermercado, na esquina, na vizinhança, na rua. 

O Conexão Planeta listou, logo abaixo, alguns caminhos para que você possa fazer uma doação. Tem vários outros (manda pra gente e vamos adicionando na lista!). É só apontar o olhar.

Boa semana pra você. E que as próximas possam ser melhores.

Tem Gente com Fome
Prato das Comunidades
Pandemia da Fome (Serviço Franciscano de Solidariedade)
Cozinha Solidária Gastromotiva – Chega de Fome
Mães da Favela
Moradia e Cidadania
Juntos pelos Refugiados – Pares Cáritas RJ
Banco de Alimentos

Pe. Julio Lancelotti (Paróquia de São Miguel Arcanjo, São Paulo)

Foto: pixabay/domínio público

Cássia Miguel

Mulher de marido, mãe de filho, madrasta de enteados. Começou a carreira profissional vendendo pinga e pão com mortadela na venda dos pais, em Minas. Foi bancária, revisora de jornal, rádio escuta, repórter, editora e apresentadora de TV. Hoje é especializada em media training, com foco para entrevistas em TV e vídeo. Fez jornalismo na PUCCAMP, pós graduação em Gestão Estratégica em Comunicação Organizacional e Relações Públicas na USP e Análise do Discurso na PUC SP. Tudo isto sem tirar o pé da cozinha

Deixe uma resposta