PUBLICIDADE

Sapos de Chernobyl revelam intrigante evolução da espécie diante da contaminação por radiação

Sapos de Chernobyl revelam intrigante evolução da espécie diante da contaminação por radiação

Em 1986, a Europa se viu como o epicentro do maior acidente nuclear de nossa história. Na época, o reator quatro da usina de Chernobyl, da cidade soviética de Pripyat, localizada na atual Ucrânia, explodiu e jogou uma enorme quantidade de material radioativo na atmosfera (400 vezes mais radiação foi emitida ali do que a lançada pela bomba atômica lançada em Hiroshima em 1945). Vários países vizinhos, como a Bielorrúsia, receberam a onda de contaminação.

O número de mortos pela tragédia é controverso. Sabe-se, entretanto, que milhares e milhares de pessoas foram vítimas da radiação, morrendo ao longo dos anos posteriores após o desenvolvimento de vários tipos de doenças.

Todavia, 36 anos após a catástrofe, a região de Chernobyl é habitada por ursos, bisões, lobos, cavalos selvagens, linces e mais de 200 espécies de aves. O local do acidente tornou-se uma das maiores reservas naturais da Europa, onde muitos animais ameaçados de extinção encontram refúgio. Simplesmente inacreditável.

Muitas áreas da antiga usina ainda apresentam diferentes níveis de contaminação radioativa e sabe-se que isso pode provocar mutações genéticas em seres vivos. Entretanto, o que cientistas têm estudo é como algumas espécies demonstraram uma estratégia de evolução para sobreviver no meio daquele ambiente.

Um exemplo disso é o sapo oriental (Hyla orientalis). Desde 2016 pesquisadores da Universidade de Uppsala, na Suécia, estudam a espécie, que em geral apresenta uma cor verde, bastante brilhante, em seu dorso. Todavia, poucos indivíduos também são pretos. Mas no passado, em um número muito, muito menor.

Mas o que se percebeu foi que, após a explosão de Chernobyl, a população de sapos orientais pretos aumentou exponencialmente e hoje eles são a maioria ali, sobretudo, próximo às áreas que têm os mais altos índices de contaminação ainda hoje. A suspeita dos cientistas é que eles utilizaram a melanina para se proteger da radiação e passaram por um rápido processo de evolução para os padrões da natureza (que em geral, levam milhares de anos).

“A coloração escura é conhecida por proteger contra diferentes fontes de radiação, neutralizando os radicais livres e reduzindo os danos no DNA, e, particularmente, a pigmentação da melanina tem sido proposta como um mecanismo tampão contra a radiação ionizante. Nossos resultados sugerem que a exposição a altos níveis de radiação ionizante, provavelmente no momento do acidente, pode ter provocado a coloração mais escura nos sapos de Chernobyl”, dizem os autores do estudo, publicado na revista Evolutionary Applications.

Sapos de Chernobyl revelam intrigante evolução da espécie diante da contaminação por radiação

As diferentes tonalidades de cores da mesma espécie de sapo encontradas no norte da Ucrânia

Os pesquisadores acreditam que os sapos pretos adquiriram uma melhor habilidade de sobreviver à radiação e com isso, se reproduziram mais.

Sapos de Chernobyl revelam intrigante evolução da espécie diante da contaminação por radiação

Um sapo da espécie Hyla orientalis fora da área de contaminação de Chernobyl

*Com informações do site Phys.org

Leia também:
Quase uma década após acidente nuclear de Fukushima, no Japão, vida selvagem mostra resiliência e prospera
4 novas espécies de ‘tubarões tropicais caminhantes’ – usam as barbatanas para andar – revelam capacidade adaptativa e de evolução
Caça por marfim pode ter sido responsável pela evolução de elefantes sem presas
Após mortandade em massa, estrela-do-mar tem evolução surpreendente em luta pela sobrevivência

Fotos: Germán Orizaola/Pablo Burraco, CC BY-SA

Comentários
guest

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Notícias Relacionadas
Sobre o autor
PUBLICIDADE
Receba notícias por e-mail

Digite seu endereço eletrônico abaixo para receber notificações das novas publicações do Conexão Planeta.

  • PUBLICIDADE

    Mais lidas

    PUBLICIDADE