PUBLICIDADE

Rio de Janeiro se torna primeira capital do país a proibir uso de celular na sala de aula

Rio de Janeiro se torna primeira capital do país a proibir uso de celular na sala de aula

Desde ontem (07/08) alunos das escolas municipais do Rio de Janeiro estão proibidos de usar o celular dentro da sala de aula. O aparelho deve ficar dentro da mochila. A medida foi estabelecida através de um decreto assinado pelo prefeito Eduardo Paes e vai de encontro a uma recomendação feita pela Agência das Nações Unidas para Educação, Ciência e Cultura (Unesco).

O Relatório Global de Monitoramento da Educação 2023, lançado recentemente pela entidade, alerta que a utilização dos aparelhos celulares pode prejudicar a aprendizagem e a concentração. Segundo a análise da Unesco, a tecnologia digital deve ser utilizada como uma ferramenta e não para substituir a interação humana.

De acordo com o decreto que entrou em vigor no Rio, os celulares só terão o uso permitido para fins pedagógicos, quando o professor determinar. Caso contrário, os aparelhos deverão permanecer no modo silencioso e guardados nas mochilas e bolsas dos estudantes.  

“O uso dos celulares atrapalha a concentração e prejudica diretamente a aprendizagem. É como se o aluno saísse de sala toda vez que vê uma notificação. Não tem como prestar atenção e aprender de forma plena assim. Além disso, a escola é lugar de socialização, e ficar no celular atrapalha a convivência social, deixa a criança isolada em sua própria tela”, ressalta Renan Ferreirinha, secretário de Educação do Rio de Janeiro.

A única exceção para o emprego do celular será para alunos com deficiência ou com problemas de saúde, que “necessitam destes dispositivos para monitoramento ou auxílio de suas necessidades”.

A decisão da prefeitura do Rio acontece num momento de reavaliação sobre o o uso de tecnologias nas escolas. Na década de 90, por exemplo, a Suécia implementou um modelo 100% digital na educação, mas agora voltou atrás e está investindo 45 milhões de euros na distribuição de livros didáticos impressos.

Enquanto isso, o estado de São Paulo foi alvo de muitas críticas ao anunciar que acabaria com os livros físicos e tornaria a educação digital com o uso de tabletes para alunos do Ensino Fundamental II e do Ensino Médio. Dias depois, o governador Tarcísio de Freitas disse que apostilas continuariam a ser impressas e distribuídas, caso estudantes solicitem.

Um levantamento feito pela Agência Nacional Sueca para a Educação, baseado em vários estudos científicos, apontou que o uso do livro físico é muito mais benéfico para se aprender. A simples cópia de páginas da obra não se equipara à sua utilização completa, quando por exemplo, é importante aprender a localizar uma informação enquanto se folheia páginas.

*Com informações da assessoria de imprensa da Prefeitura do Rio de Janeiro

Leia também:
Bebidas e alimentos ultraprocessados passam a ser proibidos em escolas públicas e particulares do Rio de Janeiro
França proíbe uso de celulares em escolas
Peruanos criam laptop feito de material reciclável e com recarga solar para ajudar estudantes de baixa renda

Crianças menores de 2 anos não devem ser expostas a eletrônicos, recomenda Organização Mundial de Saúde

Foto de abertura: Marjan Grabowski on Unsplash

Comentários
guest

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Notícias Relacionadas
Sobre o autor
PUBLICIDADE
Receba notícias por e-mail

Digite seu endereço eletrônico abaixo para receber notificações das novas publicações do Conexão Planeta.

  • PUBLICIDADE

    Mais lidas

    PUBLICIDADE