Rio de Janeiro ganha serviço temporário de pranchas compartilhadas

Lançado no último sábado, 15/2, o projeto #AsasNoSurf é inédito na cidade e foi pensado para incentivar a prática do esporte, além de atender quem fica ou está sem prancha. Os idealizadores partem da ideia de que todos podem surfar, independente da habilidade, da experiência e também da condição. Também pensaram nos viajantes que esquecem suas pranchas em casa ou não podem inclui-las na bagagem. Olhar aquele marzão e não poder aproveitar deve ser muito frustrante, realmente. E

Mas o serviço de pranchas compartilháveis não vai durar o verão todo. Trata-se de um projeto experimental, que funciona apenas nos fins de semana, das 6h às 20h, até 8 de março. E contempla apenas quatro praias no roteiro: Arpoador (dias 15 e 16), Barra (22 e 23), Ipanema (29 e 30) e Leblon (7 e 8).

O serviço não é gratuito, claro! Vinte minutos custam R$ 5, pelo cartão de crédito. É acessado por meio de um aplicativo – neste caso, o Grin, parceiro do projeto promovido pela Red Bull, juntamente com a Grow e DPZ&T -, como os serviços de bikes e patinetes oferecidos em diversas cidades brasileiras.

Depois de feita a solicitação, o surfista retira a prancha numa espécie de armário onde se lê “Tá a fim de surfar?”. Nele também tem parafina e lash, a cordinha para amarrar no tornozelo. O projeto mantém, nas proximidades, uma equipe de apoio aos usuários do serviço, que oferecem orientação, além de lashes e quilhas extras.

Pra contemplar os interessados – desde quem nunca deslizou pelas ondas do mar aos mais experientes – , as pranchas foram desenvolvidas exclusivamente para a ação, pela Flap Company, levando em conta tamanho (muito democrático: 6’4′ e 37.2 litros), segurança e qualidade do material, entre outros requisitos.

Ah, quem sabe a iniciativa #AsasDoSurf dá tão certo que as empresas envolvidas resolvem estender o serviço para além da boa sacada de marketing.

Foto: Tiago Diz/Divulgação

Mônica Nunes

Jornalista com experiência em revistas e internet, escreveu sobre moda, luxo, saúde, educação financeira e sustentabilidade. Trabalhou durante 14 anos na Editora Abril. Foi editora na revista Claudia, no site feminino Paralela, e colaborou com Você S.A. e Capricho. Por oito anos, dirigiu o premiado site Planeta Sustentável, da mesma editora, considerado pela United Nations Foundation como o maior portal no tema. Integrou a Rede de Mulheres Líderes em Sustentabilidade e, em 2015, participou da conferência TEDxSãoPaulo.

Deixe uma resposta