Repercussão da eleição de Trump nos EUA, na conferência do clima

repercussao-na-cop22-da-eleicao-de-trump-nos-eua
A expectativa a respeito do resultado das eleições americanas era grande nos corredores da 22a. Conferência sobre Mudanças Climáticas da ONU, a COP22, que começou nesta segunda, 7/11, em Marrakesh.

Os Estados Unidos são um dos maiores poluidores do planeta e ratificaram o Acordo de Paris. Mas Donald Trump, durante sua campanha, afirmou que investiria pesado em fontes de energia suja, como carvão, e ainda ameaçou abandonar o acordo climático (o que, a princípio, na verdade, ele não pode fazer).

Abaixo, algumas impressões de ambientalistas, cientistas do clima e entidades sobre a vitória de Trump e o que ela representa no cenário das mudanças climáticas, colhidas pelo Observatório do Clima:

Além da política nacional, a modernização do sistema energético e da infra-estrutura básica
é boa para a economia norte-americana, para o emprego e para o crescimento
Christiana Figueres, ex-secretária executiva da
Convenção Quadro das Nações Unidas para as Mudanças Climáticas (UNFCCC)

O presidente eleito Trump tem a oportunidade de catalisar mais ações sobre o clima que enviem um sinal claro para os investidores para manter a transição para uma economia renovável. China, Índia e outros concorrentes econômicos estão competindo para serem as superpotências em energia limpa global e os EUA não querem ser deixados para trás
Tina Johnson, Diretora de Política, Rede de Ação Climática dos EUA:

O presidente eleito Donald Trump tem sido a fonte de muita discussão sobre as mudanças climáticas no último ano,
mas agora que a campanha eleitoral já passou e as realidades da liderança se instalam,
espero que ele perceba que a mudança climática é uma ameaça para seu povo e para países inteiros
que partilham mares com os EUA, incluindo o meu. O Acordo de Paris sobre as alterações climáticas
tornou-se lei tão rapidamente porque há um interesse nacional significativo para cada país na busca de
uma ação climática agressiva e esse fato não mudou por causa das eleições norte-americanas.
Para as Ilhas Marshall, uma forte ação climática significa sobreviver e prosperar.
Eu espero ansiosamente ver o Sr. Trump assumir sua responsabilidade de proteger o seu povo e outros
em todo o mundo, para lhes proporcionar oportunidades inerentes à transição para baixa emissão de carbono,
de mais e melhores empregos a uma economia mais próspera e melhor saúde

Presidente Hilda Heine Presidente da República das Ilhas Marshall

A eleição de Donald Trump, pelos interesses que ele representa, deve ter impacto sobre a ação climática dos Estados Unidos. Isto posto, a agenda climática deixou de depender de apenas um país, como no passado. O Acordo de Paris já tem 102 ratificações, além da americana, e esses países não vão esperar pelos EUA para agir, porque isso é interesse deles. Uma economia inteira baseada em energias renováveis está em movimento no mundo, e representa uma fatia crescente do PIB e da geração de empregos nos próprios EUA. As convicções pessoais de Trump terão, em alguma medida, de se enquadrar a essa realidade
Carlos Rittl, secretário-executivo do Observatório do Clima

Temos uma nova administração e uma nova oportunidade para avançar na ação climática. A administração Obama moveu montanhas para reunir o mundo em torno do combate à mudança climática. Nosso novo presidente precisa levar adiante esse legado e cumprir a promessa de fazer da América a superpotência de energia limpa do mundo. A liderança dos EUA é necessária para transformar o consenso internacional do Acordo de Paris em ação global concreta, e começa por traçar nosso próprio caminho para um futuro de baixo carbono
Mariana Panuncio-Feldman, diretora sênior do Fundo Mundial para a Vida Selvagem (WWF)
da cooperação climática internacional

De infra-estrutura à ajuda externa, cada decisão que o próximo presidente faz deve ser feita através da lente de uma ação climática ousada. Não basta apenas admitir que a mudança climática é real, precisamos de um presidente que acelere dramaticamente a transição dos combustíveis fósseis para 100 % de energia renovável para todos
Boeve May, diretora executivo, 350.org:

O novo presidente deve proteger as pessoas que ele serve do caos climático. Nenhuma crença pessoal ou afiliação política pode mudar a dura verdade de que cada novo poço de petróleo e oleoduto nos aproxima da catástrofe. A administração tem obrigações morais e legais de cumprir compromissos internacionais e ir mais longe para reduzir a poluição e manter os combustíveis fósseis sujos no solo
Maya Golden-Krasner, Advogada Sênior, Centro para a Diversidade Biológica:

Por mais chocante que seja o resultado da eleição, e por mais que o vencedor já tenha professado seu desamor por diversos valores da democracia, um sistema democrático inclui a alternância de poder, e isso é saudável. Esta eleição, num momento em que a ação contra as mudanças climáticas no mundo finalmente começou a atingir a economia real, dá aos republicanos a chance de se reconciliarem com o resto do mundo e com a vida real. E, na vida real, continuamos batendo recordes de temperatura e de eventos extremos, que atingem democratas e republicanos sem distinção
André Ferretti, gerente de Estratégias de Conservação da Fundação Grupo Boticário
e coordenador-geral do Observatório do Clima

O Acordo de Paris foi assinado e ratificado não por um Presidente, mas pelos próprios Estados Unidos. Como uma questão de direito internacional, e como uma questão de sobrevivência humana, as nações do mundo podem, devem e vão manter os Estados Unidos em seus compromissos climáticos 
Carroll Muffett, Presidente, Centro de Direito Ambiental Internacional (CIEL)

O próximo presidente será capaz de fazer uma enorme diferença na nossa luta para proteger a saúde a longo prazo e prosperidade dos Estados Unidos e do mundo. A liderança americana e a diplomacia climática foram fundamentais para os sucessos climáticos alcançados em Paris e nosso próximo presidente terá a responsabilidade de estabelecer a meta de emissão dos EUA para 2030 – uma oportunidade para demonstrar uma liderança contínua colocando o país num caminho para zero emissões líquidas no mais tardar neste século
Nathaniel Keohane, Vice-Presidente, Clima Global, Fundo de Defesa Ambiental:

O mundo não vai esperar pelos EUA, nem o clima. Este ano, os impactos da mudança climática custaram aos EUA centenas de bilhões de dólares e colocaram 40 milhões de pessoas em risco de fome somente na África do Sul. O próximo presidente precisa trabalhar com o Congresso para avançar mais rápido para reduzir as emissões e proteger os direitos de homens e mulheres na linha de frente da crise climática
Annaka Peterson, Oficial de Programa Sênior, Oxfam América

Donald Trump agora tem a distinção pouco favorável de ser o único chefe de Estado em todo o mundo a rejeitar o consenso científico de que a humanidade está dirigindo a mudança climática. Não importa o que aconteça, Donald Trump não pode mudar o fato de que a energia eólica e solar estão se tornando rapidamente mais acessíveis e disponíveis do que os combustíveis fósseis sujos. Tanto os mercados como a defesa ambiental estão nos movendo em direção à energia limpa, por isso ainda há um caminho forte para a redução da poluição climática mesmo sob uma presidência Trump. Trump deve escolher se ele será um presidente lembrado por colocar a América e o mundo em um caminho para o desastre climático ou por ouvir o público americano e nos manter no caminho para o progresso do clima
Michael Brune, Diretor Executivo, The Sierra Club

Ao representar a juventude dos EUA nas Nações Unidas, exigimos que a próxima presidência dos EUA use o Acordo de Paris como um catalisador para reconhecer o papel de nossa nação na crise climática. Como maior emissor per capita de gases de efeito estufa, devemos construir soluções sistêmicas a partir de um entendimento fundamental de que a mudança climática é um produto do capitalismo colonial
Ryan Camero, Coordenador da Equipe de Mídia e Comunicação, SustainUS


Foto: Gage Skidmore/Creative Commons/Flickr

Mônica Nunes

Jornalista com experiência em revistas e internet, escreveu sobre moda, luxo, saúde, educação financeira e sustentabilidade. Trabalhou durante 14 anos na Editora Abril. Foi editora na revista Claudia, no site feminino Paralela, e colaborou com Você S.A. e Capricho. Por oito anos, dirigiu o premiado site Planeta Sustentável, da mesma editora, considerado pela United Nations Foundation como o maior portal no tema. Integrou a Rede de Mulheres Líderes em Sustentabilidade e, em 2015, participou da conferência TEDxSãoPaulo.

Um comentário em “Repercussão da eleição de Trump nos EUA, na conferência do clima

  • 9 de novembro de 2016 em 5:48 PM
    Permalink

    A eleição de Drump para a presidência dos EUA evidencia totalmente o quão a sociedade está adoecida. É lamentável! Mas em geral é assim mesmo… em tempos de crise ditadores, populistas e radicais chegam ao Poder.

    Resposta

Deixe uma resposta