Registro de possível “namoro” entre duas onças-pintadas no Parque do Iguaçu traz esperança para aumento da população da espécie, ameaçada de extinção

Registro de possível "namoro" entre duas onças-pintadas no Parque do Iguaçu traz esperança para aumento da população da espécie, ameaçada de extinção

Foram dois vídeos breves, gravados pelas armadilhas fotográficas do Projeto Onças do Iguaçu, mas bastaram para colocar em polvorosa a equipe de biólogos que trabalha pela conservação deste que é o maior felino das Américas, e que compartilhou a novidade em suas redes sociais:

“Se tem casal mais espetacular que esse no momento, a gente desconhece! Olha que delícia esses flagras do mais novo casal do pedaço: Indira e Peter. Dá até um quentinho no coração ver essas duas onças maravilhosas juntas. Pense nos filhotes lindos que isso pode gerar!”.

Os biólogos do Projeto Onças do Iguaçu explicam que as onças são animais solitários e os casais permanecem juntos apenas durante o cio das fêmeas, que dura de seis a 16 dias, em média. “Depois disso é cada um para o seu lado e a fêmea cria os filhotes sozinha”.

Estima-se que restem na Mata Atlântica apenas entre 230 e 300 onças-pintadas (Panthera onca). Um terço delas está justamente na área que abrange o Parque Nacional do Iguaçu, no Paraná, e reservas adjacentes do lado argentino. Esta é a única população da espécie neste bioma que, historicamente, tem apresentado crescimento.

No começo dos anos 2000, notou-se uma grande queda no número de indivíduos naquela região. Em 2009, acreditava-se que sobravam somente entre nove e onze onças. Mas gradativamente, a situação foi melhorando. Em 2014, um censo revelou a presença de 17 indivíduos. Dois anos mais tarde já eram 22, e em 2018 foram contabilizadas 28 delas.

Todavia, o último censo apontou uma estabilidade. No parque brasileiro, o número médio é de 24 animais (entre 20 e 28). “Apesar da estimativa média ter sido menor que a de 2018, isso estatisticamente não representa uma redução significativa, e sim uma estabilidade da população”, explica Yara Barros, coordenadora do Onças do Iguaçu.

Já no chamado Corredor Verde, área situada entre a fronteira da Argentina com o Brasil, estima-se que sejam 90 animais (entre 76 e 106).

Agora, quem sabe, com o namoro de Indira e Peter, em breve possamos noticiar o nascimento de mais uma oncinha… Ou duas!

*A onça Peter foi batizada com este nome para homenagear o pioneiro na pesquisa e conservação da espécie, Peter Crawshaw, que morreu vítima da covid-19 no ano passado.

Leia também:
Após ser resgatada de incêndio no Pantanal, onça-pintada criada em fazenda ganha lar definitivo
Tem nova onça-pintada no Parque Nacional do Iguaçu: Caapuã!
Amanaci e Guarani: após a tragédia no Pantanal que a obrigou a viver em cativeiro, onça-pintada ganha um companheiro
O turismo está ajudando a salvar a onça-pintada no Pantanal, o melhor lugar do Brasil para avistar o felino
Onça-pintada é resgatada no meio do mar, a quase 3 km da costa da Colômbia

Fotos: Maiara Andrade (Indira, à direita) e Peter (reprodução vídeo)

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante 6 anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, vive agora em Washington D.C.

Deixe uma resposta