Rapper M.I.A. e H&M se unem em campanha pela reciclagem de roupas

Rapper M.I.A. e H&M se unem em campanha pela reciclagem de roupas

A cada mil toneladas de roupas e tecidos jogados no lixo todos os anos, cerca de 95% deles poderiam ser reciclados. Para chamar a atenção de seus consumidores sobre este problema global, entre os dias 18 e 24 de abril, a cadeia sueca H&M, gigante do varejo de roupas, vai promover a World Recycle Week: Semana Mundial da Reciclagem.

Durante os sete dias da iniciativa, 3.600 lojas da rede no mundo todo – o Brasil ainda não têm lojas da marca – receberão roupas usadas e em troca, as pessoas que fizerem as doações ganharão um vale com 30% de desconto para a próxima compra. Além de roupas, que podem ser de qualquer fabricante, não somente da H&M, são incentivadas doações de meias e toalhas velhas.

E quem vai dar voz à campanha é a rapper britânica M.I.A. No dia 11 de abril, ela lançará vídeo com uma nova música, que falará sobre o impacto ambiental causado pelo despejo de milhões de toneladas de tecidos em aterros sanitários e lixões. Ao lado de M.I.A, estarão modelos, atores, dançarinos e blogueiros de moda, endossando a World Recycle Week.  A intenção da H&M é que o clip viralize nas redes sociais, com a hashtag #HMrehaul. A marca está convidando também as pessoas a gravarem vídeos curtos, em que mostrem as peças que levarão até as lojas para serem recicladas.

M.I.A foi escolhida como estrela da campanha por ser ativista de causas sociais. Mathangi Maya Arulpragasam, este é seu verdadeiro nome, é filha de imigrantes do Sri Lanka. O pai era líder de uma organização revolucionária. Em seu último clip, Borders , a cantora falou sobre xenofobia e a questão dos refugiados sírios na Europa.

Além de engajada, M.I.A., que também desenha e pinta, adora o mundo fashion. Filha de uma costureira, transita ao lado de estilistas e se veste de maneira única, misturando muitas cores e estilos.

A expectativa da sueca H&M é arrecadar 1 mil toneladas de peças de roupas para serem recicladas durante a semana da campanha. O tecido velho é utilizado depois para fabricação de fibras têxteis. A empresa acredita que desta maneira diminui o impacto ambiental da cadeia têxtil. Desde 2013, a H&M americana disponibiliza a possibilidade de doação de roupas em suas lojas. Por lá, os clientes recebem um vale de 15% de desconto para a próxima visita. Em dois anos, já foram recicladas 25 mil toneladas de roupas. Em 2014, com as fibras produzidas com este material, foi lançada a coleção “Close the Loop” (Fechando a Cadeia, em tradução livre).

Assim como outras grandes cadeias do varejo, como Gap, Zara, Adidas e Forever 21, a H&M já foi acusada de usar trabalho escravo na produção de suas roupas. O comprometimento com a causa ambiental pode ser um reflexo da necessidade de mudar sua atitude e comportamento perante o mercado. Cada vez mais os consumidores cobram de suas marcas, responsabilidade social e com o meio ambiente.

A meta de longo prazo da H&M – que tal ser curto prazo? – é não ter nenhuma peça de roupa da marca em lixões ou aterros. Ao reciclar apenas uma camiseta, 2.100 litros de água são economizados.

A ideia é uma ótima iniciativa a ser copiada por empresas aqui no Brasil. E a H&M poderia tornar a campanha semanal, em anual. Esta sim, seria uma excelente notícia!


Foto: divulgação H&M

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante 6 anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, vive agora em Washington D.C.

Deixe uma resposta