“Quero expressar minha eterna gratidão aos indígenas, leais guardiões da vida, da justiça e das florestas”, declara Alessandra Sampaio, viúva de Dom Phillips, no velório

"Quero expressar minha eterna gratidão aos indígenas, leais guardiões da vida, da justiça e das florestas", declara Alessandra Sampaio, viúva de Dom Phillips, no velório

Antes da cerimônia reservada à família e aos amigos, no domingo, antes do funeral de Dom Phillips – a imprensa e o representante do governo do Reino Unido, Anthony Preston, acompanharam os pronunciamentos de Alessandra Sampaio e Sian Phillips, respectivamente viúva e irmã do jornalista, no Cemitério Parque da Colina, em Niterói (RJ), cidade onde vive a família de Alessandra. 

Dom foi assassinado no Vale do Javari, no estado do Amazonas, junto com amigo e indigenista Bruno Pereira, em 5 de junho, durante expedição realizada para finalizar as entrevistas com os indígenas da região para o último capítulo do livro que estava escrevendo e que seria publicado até o final deste ano: ‘Como Salvar a Amazônia’

Livro póstumo

Sian Phillips, irmã de Dom, foi a primeira a falar. Agradeceu a atenção, o carinho e o amor de todos que acompanharam o desenrolar das investigações do crime e se solidarizaram com sua família e a de Bruno. 

"Quero expressar minha eterna gratidão aos indígenas, leais guardiões da vida, da justiça e das florestas", declara Alessandra Sampaio, viúva de Dom Phillips, no velório
Sian, irmã de Dom Phillips, contou que o livro que ele escrevia sobre a Amazônia será finalizado / Foto: Tânia Rêgo/Agência Brasil (Fotos Públicas)

Destacou, ainda, que os dois morreram porque contavan ao mundo sobre a exploração ilegal dos recursos naturais da região, que coloca os povos e a floresta em risco. 

Também falou dos planos de Dom e Alessandra de adotarem crianças brasileiras e da tristeza que causava saber que o irmão não teve a oportunidade de revelar o pai maravilhoso que seria. 

Por fim, deu uma linda notícia: o livro que Dom escrevia será finalizado com a ajuda da família e dos amigos. “Mesmo em tempos de tragédia, a história deve ser contada”.

Solidariedade, justiça e consciência

Visivelmente emocionada, Alessandra salientou a companhia e atuação indígenas do Vale do Javari: 

“Primeiro, eu gostaria de expressar minha eterna gratidão aos povos indígenas, que seguem junto conosco como leais guardiões da vida, da justiça e das nossas florestas. Meu especial agradecimento à Univaja, parceria deste momento tão difícil”.

Em seguida, estendeu seus agradecimentos “a todos que participaram das buscas ativamente, sejam órgãos oficiais ou pessoas físicas (…) e imensamente à imprensa e aos amigos jornalistas que têm sido fundamentais nos esforços de apuração do caso, na cobrança por transparência nas investigações e na mobilização que permitiu que chegássemos todos até aqui”.

"Quero expressar minha eterna gratidão aos indígenas, leais guardiões da vida, da justiça e das florestas", declara Alessandra Sampaio, viúva de Dom Phillips, no velório
“Hoje, Dom será cremado no país que amava, seu lar escolhido, o Brasil”, ressaltou Alessandra Sampaio, viúva do jornalista / Foto: Tânia Rêgo/Agência Brasil (Fotos Públicas)

Alessandra lembrou de todos que se que solidarizam com Dom e Bruno e também com suas famílias, no Brasil e em outros países, e acrescentou: “Esse movimento mundial de solidariedade e justiça e de consciência pela conservação da natureza e dos povos que a protegem traz uma imensa esperança a todos nós, eu tenho certeza disso”.

Destacou o amor de Dom pelo Brasil – “Hoje, Dom será cremado no país que amava, seu lar escolhido, o Brasil” –  e pela humanidade: “Ele era uma pessoa muito especial, não apenas por defender aquilo que acreditava, como profissional, mas também por ter um coração enorme e um grande amor pela humanidade. Vamos celebrar a doce memória de Dom e a sua presença em nossas vidas”. 

A viúva ainda pediu a compreensão de todos para que a família e os amigos vivam “um tempo de paz para podermos lidar com o luto e com a perda irreparável de nosso amor Dom”, e finalizou: 

“Seguiremos atentos a todos os desdobramentos das investigações, exigindo justiça no significado mais abrangente do termo. Renovamos a nossa luta para que nossa dor e a da família de Bruno Pereira não se repitam. Como também as das famílias de outros jornalistas e defensores do meio ambiente, que seguem em risco”. E enfatizou: “Seguem em risco!”.

"Quero expressar minha eterna gratidão aos indígenas, leais guardiões da vida, da justiça e das florestas", declara Alessandra Sampaio, viúva de Dom Phillips, no velório
Após seus pronunciamentos à imprensa, Alessandra e Sian foram abraçadas pelos familiares / Foto: Tânia Rêgo/Agência Brasil (Fotos Públicas)

Foto (destaque): Tânia Rêgo/Agência Brasil (Fotos Públicas) – Alessandra Sampaio com sua mãe nos jardins do Cemitério

Mônica Nunes

Jornalista com experiência em revistas e internet, escreveu sobre moda, luxo, saúde, educação financeira e sustentabilidade. Trabalhou durante 14 anos na Editora Abril. Foi editora na revista Claudia, no site feminino Paralela, e colaborou com Você S.A. e Capricho. Por oito anos, dirigiu o premiado site Planeta Sustentável, da mesma editora, considerado pela United Nations Foundation como o maior portal no tema. Integrou a Rede de Mulheres Líderes em Sustentabilidade e, em 2015, participou da conferência TEDxSãoPaulo.