“Querem que eu fale sobre mudança climática. Não acho que é preciso. Todos podemos vê-la”, diz Lizzo em show marcante do Global Citizen Live

"Querem que eu fale sobre mudança climática. Não acho que é preciso. Todos podemos vê-la", diz Lizzo em show marcante do Global Citizen Live

Talvez você não conheça o nome Melissa Vivianne Jefferson. Mas basta falar em Lizzo, que não são necessárias muitas apresentações. Aos 33 anos, a cantora, compositora e rapper norte-americana é uma daquelas artistas que sabem como poucas ocupar um palco. Extremamente carismática e performática, ela também dá voz a importantes questões, como o racismo, a causa LGBT+ e o corpo feminino, ou melhor, a obesidade entre as mulheres. E no sábado, 25/09, durante sua apresentação para o megashow “Global Citizen Live“, em Nova York, de maneira muito breve e sucinta, também falou sobre as mudanças climáticas, já que o evento tinha como principal objetivo chamar a atenção sobre o planeta e a erradicação da fome no mundo.

“Eles querem que eu converse com vocês sobre a mudança climática. Mas eu sinto que não preciso falar com vocês sobre isso. Todos podemos ver o que está acontecendo”, sintetizou.

Difícil mesmo seria não ver o que está acontecendo. No país de Lizzo, os Estados Unidos, muitos estados da costa oeste enfrentam secas e incêndios históricos, enquanto furacões deixam sem água e luz milhões de pessoas em lugares como a Louisiana.

Vestindo uma roupa de látex rosa-choque e ao lado de suas dançarinas, que não seguem o modelo do corpo estereótipo de revista de moda, ou seja, magérrimo e com padrões de beleza irreais, Lizzo mostra a todos que não está preocupada com o que falam sobre ela. Em suas redes sociais, tem 11 milhões de seguidores no Instagram, posta frequentemente fotos com roupas decotadíssimas, saias curtíssimas, e sem censura a estrias e celulites (afinal, qual é a mulher que não as tem?).

"Querem que eu fale sobre mudança climática. Não acho que é preciso. Todos podemos vê-la", diz Lizzo em show marcante do Global Citizen Live

Lizzo e suas dançarinas: o padrão estético aqui é outro!

Entre vários de seus grandes sucessos, como “Good as Hell,” “Rumors,” “Truth Hurts” e “Juice”, a artista também usou o palco do Central Park para falar sobre racismo.

“O terreno em que estamos hoje se chamava Vila Sêneca. Se você não sabe o que é, era uma comunidade afro-americana rica que vivia aqui. E seus morados foram despejados e suas casas demolidas para que pudessem construir este parque. Temos que falar sobre o racismo institucional que acontece neste país o tempo todo. Porque se não falarmos sobre a nossa história, como podemos construir um futuro melhor? É hora de falar sobre as coisas”, disse Lizo.

Bravo!!!! Que mais artistas tenham a audácia e a coragem de Lizzo!

Abaixo, um pedacinho do show dela em Nova York:

Leia também:
Equipe feminina de handebol da Noruega é multada por usar shorts no lugar de biquínis
Prefeito de Londres proíbe anúncios que estimulem padrões de beleza irreais
Calendário Pirelli 2017 fotografa atrizes de todas as idades, com roupa e sem maquiagem
Maior fabricante de brinquedos do mundo lança coleção de boneco/as com gênero neutro

Fotos: reprodução vídeo Global Citizen Live

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante 6 anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, vive agora em Washington D.C.

Deixe uma resposta