Quase um mês após voltar ao Pantanal, Ousado, onça-pintada com patas queimadas pelos incêndios, é flagrado caçando

Quase um mês após voltar ao Pantanal, Ousado, a onça-pintada que teve patas queimadas pelos incêndios, é flagrado caçando

Ousado se tornou tanto o símbolo da tragédia, como da resiliência do Pantanal e da gratidão pelo trabalho de centenas de voluntários. O macho de onça-pintada foi uma das muitas vítimas dos incêndios florestais que devastaram quase 30% do bioma nos últimos meses. Em setembro, ele foi encontrado no Parque Estadual Encontro das Águas, próximo a Porto Jofre, no Mato Grosso, pela equipe de resgate de fauna da organização Ampara Silvestre.

O animal tinha queimaduras de segundo grau nas patas. Com a ajuda de entidades parceiras, ele foi levado para o Instituto de Preservação e Defesa dos Felídeos da Fauna Silvestre do Brasil em Processo de Extinção (Nex), em Corumbá do Goiás. Depois de mais de 20 dias de tratamento, que incluiu sessões de laser e ozônioterapia, Ousado recebeu alta veterinária em outubro, como mostramos nesta outra reportagem.

E há pouco mais de três semanas, finalmente, a onça-pintada foi levada de volta ao Pantanal. Em uma ação coordenada pelo  o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), responsável pela reintrodução do animal na natureza, junto com o Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e Recursos Naturais (Ibama), Ousado foi levado em uma caixa e solto na mata.

Quase um mês após voltar ao Pantanal, Ousado, a onça-pintada que teve patas queimadas pelos incêndios, é flagrado caçando

Logo após o momento da soltura

Ousado recebeu um colar GPS para que sua readaptação pudesse ser monitorada.

Todavia, pelo flagrante feito pelo fotógrafo João Paulo Falcão há dois dias e divulgado em seu perfil no Instagram, a onça parece estar muito bem, saudável e completamente à vontade de volta ao seu habitat.

Segundo Falcão, quando ele fez a foto, Ousado estava caçando uma capivara no Parque Estadual Encontro das Águas.

Certamente é uma imagem linda e que nos traz muita esperança. Ousado está no lugar de onde nunca deveria ter saído, mas graças à dedicação de muitas pessoas e organizações que trabalham arduamente no resgate de animais (e ainda estão trabalhando), a história dessa onça-pintada teve um final de feliz.

Leia também:
Pantanal: o que podemos esperar após os incêndios?
Incêndios no Pantanal podem provocar uma redução na população de onças-pintadas no Brasil
Ao aliar ecoturismo e pesquisa científica, o Onçafari trabalha pela preservação do maior felino das Américas
“O Pantanal sempre pediu socorro. Agora, gritamos tão alto que a solidariedade veio de todo o país”

Foto: João Paulo Falcão (abertura) e Cesar Leite/divulgação Ampara Silvestre 

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante 6 anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, vive agora em Washington D.C.

Deixe uma resposta