PUBLICIDADE

Pulverização aérea de agrotóxico foi responsável pela morte de 100 milhões de abelhas no Mato Grosso

Pulverização aérea de agrotóxico foi responsável pela morte de 100 milhões de abelhas no Mato Grosso

O Instituto de Defesa Agropecuária do Mato Grosso (Indea) confirmou esta semana que a morte de cerca de 100 milhões de abelhas em junho na região das cidades de Sorriso, Ipiranga do Norte e Sinop foi provocada pela pulverização aérea de pesticidas. As denúncias foram feitas por produtores de mel, que tiveram pelo menos 600 colmeias contaminadas.

A investigação realizada pelos servidores do Indea através da coleta de amostras dos apiários apontou o uso irregular de defensivo agrícola com princípio ativo fipronil como a causa. Segundo a averiguação, a morte das abelhas foi súbita e atingiu uma extensa área, de aproximadamente 30 km, o que descarta a possibilidade de algum tipo de doença.

Apesar do uso desse agrotóxico ser permitido no Brasil, sua utilização através de pulverização aérea é proibida. O fipronil é extremamente tóxico para as abelhas. Todavia, é empregado no controle de pragas em diversas culturas como algodão, soja, arroz e batata.  

Descobriu-se que uma fazenda onde é feito o cultivo de algodão foi a responsável pelo crime ambiental. Ainda de acordo com o Indea, a receita para a aplicação foi pedida para soja e para naquele local.

“Devido à irregularidade constatada, o proprietário foi autuado em cerca de R$ 225 mil e o relatório elaborado pela equipe do Indea de Sorriso foi enviado aos gestores, que realizarão encaminhamento à Secretaria de Estado de Meio Ambiente (Sema-MT), ao Ministério Público do Estado (MPE-MT) e ao Conselho Regional de Engenharia e Agronomia de Mato Grosso (Crea-MT), possibilitando a averiguação das responsabilidades cíveis e criminais cabíveis, e de ocorrência de danos ambientais”, informou o órgão.

Produtores de mel daquela região contam enormes prejuízos. Serão necessários anos para conseguir ter de novo o volume de abelhas obtido através de árduo trabalho. Segundo os apicultores, entre as milhões de abelhas mortas, estão quatro espécies ameaçadas de extinção no Brasil.

Em 2021, pesquisadores brasileiros denunciaram a morte de araras-azuis envenenadas com pesticidas no Pantanal.

Pulverização aérea de agrotóxico foi responsável pela morte de 100 milhões de abelhas no Mato Grosso

Abelhas encontradas mortas nas propriedades do Mato Grosso
(Foto: divulgação Indea/Sorriso)

Leia também:
Por unanimidade, STF reafirma lei que proíbe a pulverização aérea de agrotóxicos no Ceará
Abelhas nativas sem ferrão são mais sensíveis a agrotóxico que espécie usada em testes toxicológicos
Pesticidas provocam lesão no cérebro das abelhas e fazem com que elas não consigam voar em linha reta
Abelhas e outros polinizadores são ameaçados pelo desmatamento e pelos agrotóxicos no Brasil
Declínio na população de abelhas terá impacto direto sobre agricultura

Foto de abertura: rostichep por Pixabay

Comentários
guest

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Notícias Relacionadas
Sobre o autor
PUBLICIDADE
Receba notícias por e-mail

Digite seu endereço eletrônico abaixo para receber notificações das novas publicações do Conexão Planeta.

  • PUBLICIDADE

    Mais lidas

    PUBLICIDADE