Projeto Tatu-Canastra: dez anos de pesquisa trazem maior conhecimento sobre espécie ‘invisível’ dos biomas brasileiros

Projeto Tatu-Canastra: dez anos de pesquisa trazem maior conhecimento sobre uma espécie invisível dos biomas brasileiros

*Por Suzana Camargo

O trabalho feito pelo biólogo Arnaud Desbiez e sua equipe faz lembrar o de paleontólogos. Caminhando ao longo da vegetação do Cerrado, da Mata Atlântica e do Pantanal, eles buscam indícios da presença de um animal raramente avistado, apesar do seu tamanho: o tatu-canastra.

“Ele é praticamente um fantasma da floresta”, diz Desbiez. “Muitas pessoas sequer o conhecem. Toda nossa relação com o tatu-canastra é através de evidências indiretas. Achar um é como encontrar uma agulha em um palheiro”. E para o biólogo, nascido na França, mas radicado no Brasil há quase duas décadas, uma das principais ameaças da espécie é justamente o desconhecimento dela.

Todavia, desde que criou, em 2010, o Projeto Tatu-Canastra, realizado pelo IPÊ – Instituto de Pesquisas Ecológicas e o Instituto de Conservação de Animais Silvestres (Icas), com apoio da Fazenda Baía das Pedras, muitas descobertas já foram feitas sobre o comportamento e os hábitos desse animal, o Priodontes maximus, a maior entre as 20 espécies de tatu do mundo.

É surpreendente que um bicho com o seu tamanho seja pouquíssimo avistado. Esse mamífero pode pesar até 50 kg e medir cerca de 1,5 metro (do focinho à cauda). Acontece que ele tem hábitos noturnos e vive a maior parte do tempo dentro dos engenhosos e imensos túneis que cava. Além disso, é um ser solitário, diferente de outras espécies que precisam de um grupo.

Coberto por uma armadura feita de escamas, o tatu tem entre suas mais marcantes características as garras em forma de foice. A principal delas, no terceiro dedo, mede aproximadamente 14 cm. Ou seja, é maior do que a de um urso polar.

“Ele é como um um fóssil vivo, remete a épocas passadas”, afirma o coordenador do projeto, um apaixonado pela espécie. “A primeira foto que fiz de um tatu-canastra mudou minha vida”. Foi há exatos dez anos, quando Desbiez conseguiu fotografar o animal usando uma armadilha, no Mato Grosso do Sul.

Projeto Tatu-Canastra: dez anos de pesquisa trazem maior conhecimento sobre espécie 'invisível' dos biomas brasileiros

A toca do tatu-canastra pode chegar a ter 5 metros de comprimento, 1,5 a 2 metros de profundidade e 35 centímetros de largura

Dados inéditos sobre a espécie

Desde então, o time do Projeto Tatu-Canastra conseguiu compilar informações importantes, muitas ainda desconhecidas pela literatura científica. Elas foram obtidas por meio do trabalho em campo, aparelhos de GPS e câmeras fotográficas camufladas espalhadas pela mata.

Foi com essa última ferramenta, por exemplo, que conseguiu-se fazer o registro inédito de um filhote de tatu-canastra na natureza. Depois dele, outros três tatuzinhos já foram flagrados pelas lentes das armadilhas escondidas.

“Acredito que uma de nossas maiores descobertas foi em relação à sua reprodução. Percebemos que a fêmea que costumava trocar de buraco a cada uma ou duas noites de repente começou a ficar nele por 25 dias”, conta. “Depois do nascimento, ela levou o filhote para outra toca e ficou lá por mais 15 dias; após esse período, novamente mudou de buraco”.

Graças ao projeto brasileiro, sabe-se hoje que a gestação do tatu-canastra leva cinco meses, com o nascimento de apenas um filhote. “Antes acreditava-se que seriam de um a dois filhotes, mas nossas observações mostraram sempre o nascimento de um, com um intervalo de três anos entre cada gestação”.

Projeto Tatu-Canastra: dez anos de pesquisa trazem maior conhecimento sobre espécie 'invisível' dos biomas brasileiros

Arnaud, no lado direito, de chapéu, com sua equipe

Desde o final de 2019, os biólogos do Tatu-Canastra contam também com uma nova tecnologia que já possibilitou outra descoberta. Sete animais têm um implante intra-abdominal, que possui um sensor de atividade, e, com esse dispositivo, a equipe detectou que o tatu fica ativo por 5 horas durante a noite. A espécie anda, em média, 2 quilômetros nesse período.

O resultado de todas essas pesquisas dos últimos dez anos gerou a publicação de cerca de 30 artigos científicos e a produção de um documentário pelo canal britânico BBC, Hotel Armadillo, que foi ao ar em 2017. O reconhecimento pelo trabalho também rendeu ao projeto o prêmio Whitley Awards, em 2015, considerado um “Oscar” da área de conservação.

Engenheiro do ecossistema

Umas das façanhas mais impressionantes do tatu-canastra está embaixo da terra. São as enormes tocas que ele cava — ou melhor, túneis, já que podem chegar a 5 metros de comprimento, de 1,5 a 2 metros de profundidade e 35 centímetros de largura. E com uma rapidez sem igual. Em cerca de 20 minutos, seu novo lar para os próximos dias está pronto.

O que tem surpreendido os biólogos, entretanto, é a quantidade de outros animais que se beneficiam e compartilham o conforto desse lar.

“Os buracos do tatu-canastra servem de abrigo para muitas outras espécies. Até agora já registramos 70 diferentes”, revela o coordenador do projeto. “As tocas são usadas quando há variações climáticas extremas no ambiente, pois sempre mantêm uma temperatura constante de 25 graus”.

Muitos bichos são atraídos também para a toca em busca de comida. O tatu se alimenta de formigas e cupins, mas ao construir os túneis quebra raízes e remexe o solo. Roedores, carnívoros, répteis e até aves, como a seriema, foram vistas nesses esconderijos debaixo da terra.

“Foi incrível descobrir que o tatu-canastra, uma espécie da qual não se sabia quase nada, tem um papel fundamental no ecossistema”.

Projeto Tatu-Canastra: dez anos de pesquisa trazem maior conhecimento sobre espécie 'invisível' dos biomas brasileiros

Com suas garras, um tatu-canastra é capaz de cavar um túnel
em apenas 20 minutos

Ameaças em biomas degradados

Desbiez afirma que o Pantanal foi o lugar perfeito para o início dos estudos sobre o Priodontes maximus por ser uma região ainda bem preservada no Brasil. Todavia, para que se pudesse traçar estratégias de conservação era necessário conhecer a situação em outros biomas, daí a extensão do projeto para áreas de Cerrado (Mato Grosso do Sul), da Mata Atlântica (Minas Gerais e Espírito Santo) e do Chaco argentino.

Um mapa de ocorrência do animal, elaborado pelo projeto, serviu como base para o planejamento do zoneamento econômico e ecológico, já que agora o tatu é um dos cinco principais mamíferos a serem usados como indicador para o estabelecimento de áreas protegidas e de corredores de conservação no Mato Grosso do Sul.

De acordo com a Lista Vermelha das Espécies Ameaçadas da União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN, na sigla em inglês), o tatu-canastra é considerado vulnerável, o que significa que a espécie tem chance de entrar em extinção na natureza.

No Cerrado, uma das maiores ameaças a esse animal é a expansão agropecuária, que traz com ela o desmatamento e a construção de estradas para o transporte de sua produção.

“Os mamíferos de grande porte, como o tatu-canastra, são os mais impactados pelas rodovias; uma vez que se deslocam em grandes distâncias – pela fragmentação do habitat – o que aumenta a possibilidade de travessia nas rodovias e, consequentemente, de atropelamentos”, destaca Aureo Banhos, um dos pesquisadores do projeto.

Para localizar e monitorar o animal, os pesquisadores usam
aparelhos de radiotelemetria

A ampliação do Projeto Tatu-Canastra

Há três anos, percebeu-se que além das pesquisas científicas, era preciso investir também na educação ambiental, fazendo com o que o tatu-canastra ganhasse a empatia de crianças e comunidades locais.

Com o apoio da startup Fubá, foram criadas atividades e ações, além de material para ser usado em salas de aula com estudantes desde o Ensino Infantil e Fundamental até o Médio. Com a pandemia do novo coronavírus, muitos desses recursos estão disponíveis online.

“A reação das crianças é bem bacana porque trabalhamos com diferentes perfis, desde aquelas que moram em Campo Grande e acabam descobrindo o canastra através das nossas atividades e vão se interessando por ele, até aquelas que vivem em aldeias indígenas, em Aquidauana, por exemplo, quando ele é um bicho muito mais próximo”, conta Andréia Figueiredo, co-fundadora da Fubá.

Segundo a educadora, em ambos os casos, há sempre um encantamento dos pequenos pelo animal tão enigmático.

Estudantes participando de atividades sobre o tatu-canastra

O Projeto Tatu-Canastra ampliou ainda seu foco para outra espécie, o tamanduá-bandeira. Infelizmente a covid-19 trouxe desafios à iniciativa, que perdeu alguns de seus financiadores.

“Nossa grande prioridade agora é salvar o projeto e estendê-lo para a Mata Atlântica, na região do Parque Estadual do Rio Doce”, revela Desbiez. A ideia é que o tatu-canastra se torne cada vez mais conhecido por todos. “Nas escolas do Brasil há uma tendência a se falar muito dos animais da África e esquecer da nossa própria fauna”, diz o biólogo francês, mas de coração brasileiro.

*Texto publicado originalmente em 20/08/20 no site do Mongabay Brasil

Leia também:
Tatus-canastra em rara aparição no Mato Grosso do Sul
Pesquisadores fazem registro raro de tatus-canastra em reserva ambiental do Mato Grosso do Sul
Com audição ruim e movimentos lentos, tamanduá-bandeira é uma das principais vítimas de atropelamentos no Cerrado

Fotos: divulgação Projeto Tatu-Canastra/divulgação

Mongabay Brasil

Agência de notícias sem fins lucrativos que visa aumentar o interesse e a valorização de terras e animais selvagens, ao examinar o impacto das tendências emergentes no clima, na tecnologia, na economia e nas finanças em conservação e desenvolvimento. Seu objetivo é inspirar, educar e informar

Deixe uma resposta