Projeto que autoriza a caça esportiva é retirado da pauta na Câmara: ganhamos mais tempo para derrubá-lo em 2022

Pra evitar que cenas tenebrosas como a que ilustra este post – a morte brutal de uma onça parda, registrada em Santa Catarina, no ano passado – se tornem ainda mais frequentes pelo país, a sociedade brasileira precisa se mobilizar ainda mais para derrubar os 12 projetos a favor da caça que tramitam no Congresso Nacional. Começando pelo Projeto de Lei 5544/2020, que propõe a liberação da caça esportiva de animais silvestres e ameaça diversas espécies, algumas em risco de extinção.

Ontem, na Câmara dos Deputados, o debate foi intenso, e os parlamentares contrários à aprovação desse PL conseguiram sua retirada da pauta de votação da Comissão de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável, na Câmara dos Deputados.

Em meio a muito tumulto e debates acalorados, o relator, deputado Nelson Barbudo (PSL-MT, aceitou tirá-lo de pauta para que outras pudessem avançar na Comissão. O PL pode voltar à Comissão em 2022, mas, na sessão de ontem foi aprovado requerimento para que uma audiência pública seja realizada para debater o texto.

Na prática, ganhamos tempo para nos prepararmos ainda melhor para derrubar este projeto, que atende apenas aos interesses de colecionadores, atiradores esportivos, caçadores e a indústria de armas.

A sessão de ontem é um ótimo exemplo de como a participação popular é imprescindível para ajudar a neutralizar interesses escusos, que negligenciam a natureza e a vida. E também de como a democracia e a defesa da vida não têm partido político. A diversidade, neste quesito, me chamou a atenção e creio que é algo importante a destacar..

Nas redes sociais, internautas contrários ao PL se organizaram em campanhas. No Twitter, o objetivo foi alçar a hashtag PL554Não aos trending topics. Parlamentares como o deputado Marcelo Freixo (PT) fortaleceram a mobilização digital e se manifestaram criticamente ao projeto.

Na sessão, deputados notoriamente conhecidos por defenderem a causa animal, em todas as esferas, e contrários â medida, combateram de maneira incisiva os argumentos de figuras nefastas como o deputado Nelson Barbudo, e a presidente da comissão, Carla Zambelli, bolsonarista e apreciadora de armas.

Barbudo foi desrespeitoso e grosseiro com os parlamentares que argumentaram contra o PL de autoria de Nilson Stainsack (PP) e contra sua versão, apresentada ontem, na qual acrescentou os búfalos – criados em regiões como a Ilha do Marajó, onde está o maior rebanho da espécie no país!!! – à lista de espécies que podem ser abatidos.

À deputada Tabata Amaral (PSD), Barbudo disse para “ficar quietinha, pianinha”. E ‘bateu boca’ principalmente com o deputado Fred Costa (Patriota), que também precisou elevar o tom para ser ouvido. Para dar ainda mais corpo à sua defesa, ele levou documento com mais de “um milhão de assinaturas de cidadãos brasileiros” e de organizações contrários ao PL 5544.

“Foi cansativo! Na obstrução tive de me exaltar, discutir, brigar (veja no vídeo, no final deste post), mas, pelos animais, vale a pena. Eles não têm voz, temos obrigação de falar por eles. O PL 5544/2020 propõe a autorização da caça e a autorização de utilização de cães na prática. Um verdadeiro absurdo!”. E completou:

“Saio muito cansado, após falar por quase duas horas, porém, realizado por não permitir a votação desse absurdo projeto!”, declarou ao final da sessão.

Além de Costa, os deputados Rodrigo Agostinho (PSB) e Ricardo Izar (Progressistas) criticaram a proposta. Para os três, a pauta é motivo de vergonha e não deveria ser levada a uma comissão que, na essência, tem a obrigação de defender a proteção do meio ambiente e de sua fauna, e não o contrário.

Assista, no final deste post, às falas indignadas dos deputados Ricardo Izar e Fred Costa, reproduzidas pela Ampara Silvestre em seu Instagram. Vale ouvir.

Brasileiros contra a caça

abaixo-assinado do movimento Todos contra a Caça – que reúne “cidadãos e instituições da sociedade civil e tem mais de 1,2 milhão de assinaturas – indica que há 12 projetos de lei a favor da caça em tramitação na Câmara dos Deputados e no Senado. Entre eles, o PL 5544/2020.

enquete pública do site da Câmara dos Deputados revela que 97% dos votantes (55.459 pessoas, até 13h28, de hoje) é “totalmente contrário” ao PL. A favor, apenas 3% (1.380).

Em 2019, pesquisa encomendada pelo WWF Brasil ao Ibope, apontou que 93% dos brasileiros é contra a caça de animais silvestres.

Agora, assista à fala potente do deputado Ricardo Izar. E, em seguida, Fred Costa. Dois aguerridos defensores dos animais na Câmara dos Deputados, que nos lembram que é preciso ter mais responsabilidade ao eleger representantes no Congresso. Precisamos eleger quem, de fato, represente os interesses do povo e não de uma minoria de corruptos, como os que hoje dominam as duas casas legislativas e apoiam o governo de Bolsonaro, comprometido com a destruição e a morte.

Se tiver interesse, ouça Fred Costa em post completo (sem edição) em seu perfil no Instagram, que reproduzo abaixo também. Ele revela a incansável defesa do deputado pelos animais e contra a selvageria defendida pelo relator.

Mônica Nunes

Jornalista com experiência em revistas e internet, escreveu sobre moda, luxo, saúde, educação financeira e sustentabilidade. Trabalhou durante 14 anos na Editora Abril. Foi editora na revista Claudia, no site feminino Paralela, e colaborou com Você S.A. e Capricho. Por oito anos, dirigiu o premiado site Planeta Sustentável, da mesma editora, considerado pela United Nations Foundation como o maior portal no tema. Integrou a Rede de Mulheres Líderes em Sustentabilidade e, em 2015, participou da conferência TEDxSãoPaulo.

Deixe uma resposta