PUBLICIDADE

Produção global de plásticos dobra e chega 460 milhões de toneladas por ano

Produção global de plásticos dobra e chega 460 milhões de toneladas por ano

*Por Lu Sudré

Os plásticos estão por todos os lugares. Nas casas das pessoas, nos estabelecimentos, nas grandes indústrias e, infelizmente, nos mares. Vivemos inundados por eles. O problema é que estamos falando de um material que gera graves impactos ambientais e para a saúde humana ao longo de todo o seu ciclo de vida, não somente em seu descarte.

Enquanto um produto derivado do petróleo, os plásticos também podem ser considerados um vilão do clima, já que a queima de combustíveis fósseis é uma das grandes responsáveis pelo aquecimento do planeta.

Segundo dados da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), a produção global de plásticos duplicou de 2000 a 2019, atingindo 460 milhões de toneladas por ano.

A previsão é que esse número triplique até 2050, se nenhuma medida for tomada pelos líderes globais. Logo, mais gases do efeito estufa serão lançados na atmosfera, agravando a crise climática e impedindo que a humanidade mantenha a temperatura do planeta abaixo de 1,5ºC.

É essa realidade que os líderes mundiais não podem ignorar durante as negociações para criação do Tratado Global de Plásticos, que serão retomadas na próxima semana, no Quênia. É urgente que os governos acordem um texto ambicioso, que responda à crise do plástico à altura de sua gravidade.

Neste contexto, o Greenpeace está pedindo aos governos para que reduzam a produção de plástico em pelo menos 75% até 2040! Esta porcentagem também é indicada por consultorias e organizações de pesquisa, como a Eunomia e a Pacific Enviroment, como uma medida que nos ajudaria a evitar o pior da crise climática. 

Esta é uma crise planetária tripla – a produção desenfreada de plásticos acentua as mudanças climáticas, provoca poluição em escala e ameaça a biodiversidade marinha. A nova rodada de negociações na ONU é uma oportunidade única de uma ação internacional ousada e efetiva. 

Tratado Global dos Plásticos precisa de regras ambiciosas que, além de reduzirem drasticamente a produção, incentivem sistemas de reuso e ações que acelerem uma transição energética justa. 

Já são mais de 2 milhões de pessoas ao redor do mundo pressionando os líderes globais para que não cedam aos interesses da indústria e defendam o meio ambiente.

Faça parte da mobilização também e assine a petição “Futuro sem plásticos!”.

*Texto publicado originalmente em 07/11/23 no site do Greenpeace Brasil

Foto de abertura: © Wason Wanichakorn / Greenpeace

Comentários
guest

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Notícias Relacionadas
Sobre o autor
PUBLICIDADE
Receba notícias por e-mail

Digite seu endereço eletrônico abaixo para receber notificações das novas publicações do Conexão Planeta.

  • PUBLICIDADE

    Mais lidas

    PUBLICIDADE