Presença frequente de tubarões-tigre na Praia do Sueste, em Fernando de Noronha, faz ICMBio suspender atividades no local

Presença frequente de tubarões-tigre na Praia do Sueste, em Fernando de Noronha, faz ICMBio suspender atividades no local

Desde a semana passada estão suspensas temporariamente as atividades de flutuação na Praia do Sueste, em Fernando de Noronha. A decisão foi anunciada pelo Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), que administra os parques da ilha, após imagens de drones revelarem a presença frequente de tubarões-tigres (Galeocerdo cuvier) na baía em comportamento de alimentação.

O banho no local já estava suspenso desde o começo de 2022 quando ocorreu o ataque de um tubarão a uma menina ali (leia mais aqui). Mas começou-se então uma reabertura gradual da praia para flutuação turística, que agora volta a ser interrompida.

O monitoramento feito pelo oceanógrafo Rihel Venuto (ICMBio Noronha/Mysticeta Research) e o fotógrafo de natureza Fabio Borges durante pouco mais de duas semanas, com voos durante uma hora por dia, registrou seis vezes a presença de tubarões-tigres.

“O nosso protocolo de reabertura prevê que haja a suspensão da atividade quando houver avistamento de tubarão-tigre, chuva forte, alta turbidez da água e abertura do mangue. Diante da frequência com que o avistamento tem acontecido, a suspensão das atividades na água ocorrem de forma preventiva”, explica Carla Guaitanele, chefe do ICMBio Noronha.

Abaixo vídeo que mostra os tubarões na Praia do Sueste:

O tubarão-tigre apresenta ampla distribuição por águas costeiras e oceânicas, tropicais e subtropicais com temperaturas quentes e, em geral, é encontrado próximo da superfície, mas também em águas um pouco mais profundas, de até 350 metros de profundidade.

Uma das maiores espécies de tubarão existentes, o Galeocerdo cuvier pode medir entre 5 e 7 metros de comprimento. Considerado um predador oportunista, ele se alimenta daquilo que encontra, peixes, aves, mamíferos, tartarugas, moluscos e crustáceos.

Como há uma grande concentração de tartarugas marinhas na Praia do Sueste, elas se tornam presas fáceis para os tubarões.

Esta semana também pesquisadores brasileiros publicaram um artigo científico na revista internacional Environmental Biology of Fishes mostrando evidências de que tubarões-tigres estão acasalando nas águas de Fernando de Noronha.

Presença frequente de tubarões-tigre na Praia do Sueste, em Fernando de Noronha, faz ICMBio suspender atividades no local

Registro de tubarão-tigre feito há poucas semanas na Praia do Sueste
(Foto: Rihel Venuto)

Composto por 21 ilhas e ilhotas, o arquipélago de Fernando de Noronha foi declarado Patrimônio Natural da Humanidade pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco).

A Baía do Sueste é um ecossistema rico em biodiversidade e abriga o único mangue em ilhas oceânicas do Atlântico Sul. Nas ilhas secundárias Cabeluda e do Chapéu há ninhais de aves marinhas como o rabo-de-junco e o atobá-de-pé-vermelho, espécies também ameaçadas, que encontram ali segurança para se reproduzir.

*Com informações da assessoria de imprensa do ICMBio Noronha e site Fauna Digital da Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Leia também:
ICMBio adverte sobre alimentação de tubarões por barcos de turismo em Fernando de Noronha

Tubarão-tigre abocanha câmera que registra imagens raras do interior da boca de um dos maiores predadores dos mares
Interação com turistas faz tubarões-tigres apresentarem níveis mais altos de hormônios e porte maior

Foto de abertura: Rihel Venuto – ICMBio Noronha/Mysticeta Research

Deixe uma resposta

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante 6 anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, vive agora em Washington D.C.