Prefeitura de São Paulo aprova lei que prioriza plantio de árvores que atraem abelhas

Prefeitura de São Paulo aprova lei que prioriza plantio de árvores que atraem abelhas

Seguindo os passos de outras cidades do mundo que já se deram conta da importância do papel das abelhas como polinizadoras essenciais para o meio ambiente e para a produção de vários alimentos que consumimos no nosso dia a dia, a prefeitura de São Paulo sancionou a Lei nº 17.837/2022, de autoria do vereador Aurélio Nomura, que prioriza o plantio de espécies de árvores que atraem esses insetos na capital paulista.

Entre as espécies recomendadas pelos técnicos da Secretaria Municipal do Verde e Meio Ambiente estão árvores como araçá, aroeira branca, cabeludinha, cambuí, cedro, cereja-do-rio-grande, embaúba branca, guabiroba, guaçatonga, ipê amarelo, ipê branco, paineira e pitangueira, que poderão atrair a a presença das abelhas nos jardins, praças e canteiros da cidade.

Estudos globais alertam sobre o declínio da população de insetos no mundo inteiro, provocado pela perda de habitat, desmatamento e uso de agrotóxicos nas lavouras. A consequência na queda do número de polinizadores, como as abelhas, é um risco à segurança alimentar do planeta. Cerca de 80% das plantas se reproduzem por meio da polinização.

“Mesmo sendo importantes, em razão da poluição e da perda da biodiversidade, as abelhas são cada vez menos comuns, principalmente nas áreas urbanas”, ressalta Nomura.

Pesquisas mostram também que jardins urbanos e parques são tão importantes para insetos polinizadores quanto o campo, porque na cidade, eles encontram uma maior variedade de plantas e flores.

*Texto atualizado em 28/07/22 com novas espécies de árvores a pedido da assessoria de imprensa da Prefeitura de São Paulo

Leia também:
Califórnia decide que invertebrados, incluindo insetos como abelhas e famosa borboleta monarca, entram em lista de espécies protegidas
Novos edifícios de Brighton, na Inglaterra, deverão ter tijolos para abelhas
Angelina Jolie posa cercada por abelhas para divulgar programa da Unesco de incentivo a apicultoras, do qual é madrinha
Mel de abelhas sem ferrão da Amazônia: conservação da floresta, renda para as comunidades e sabor único
Cidade holandesa transforma pontos de ônibus em santuários para abelhas

Foto: domínio público/rawpixel

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante 6 anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, vive agora em Washington D.C.