Prédio terá 23 mil árvores para melhorar qualidade do ar

Pode até soar como devaneio de algum designer futurista, mas o prédio Tao Zhu Yin Yuan já está em construção em Taipei, capital de Taiwai, na Ásia. Idealizado pelo renomado (eco)arquiteto belga Vincent Callebaut, especializado em construções sustentáveis, o edifício terá 21 andares, e quando estiver pronto, em setembro deste ano, serão “plantadas” 23 mil árvores e arbustos nas sacadas e em seu entorno.

“O prédio apresenta um conceito pioneiro de ecoconstrução sustentável residencial, que tem como objetivo limitar a pegada de carbono de seus moradores”, afirmou Callebaut, em entrevista à CNN.

A ideia do arquiteto é criar um floresta urbana em meio à cidade. A forma do edifício lembra uma estrutura de DNA. Segundo Callebaut, as plantas irão capturar 130 toneladas de dióxido de carbono por ano. O gás carbônico (CO2), principal responsável pelo aquecimento global, é liberado na atmosfera através da queima de combustíveis fósseis, como por exemplo, a de veículos movidos a gasolina e diesel.

Além de causar impacto ambiental, o dióxido de carbono provoca graves danos na saúde dos seres humanos. De acordo com a Organização Mundial de Saúde, a poluição do ar mata 3 milhões de pessoas por ano no mundo.

O prédio de Taipei, que terá 21 andares, ficará pronto em setembro deste ano

Todavia, muitos criticaram a intenção do arquiteto, já que a quantidade de CO2 a ser capturada será pouca – Taiwan emite cerca de 240 milhões de dióxido de carbono por ano. O belga responde dizendo que seu projeto é “uma esperança para um amanhã melhor”.

Além da vegetação, a torre Tao Zhu Yin Yuan contempla outras práticas do chamado “green building”. O design foi projetado para fazer o uso máximo de luz e ventilação natural, haverá sistema de reúso da água da chuva e instalação de painéis solares no topo do edifício.

Apesar de muitos dos seus projetos nunca terem saído da prancheta, Vincent Callebaut já recebeu diversos prêmios internacionais e seu trabalho foi considerado pela Time Magazine como “the best eco-utopian architecture”, em português, algo como “a melhor arquitetura ecoutópica, já que ele cria projetos fantásticos que focam nos problemas ambientais e sociais do mundo”.

Em Taipei, pelo menos, a fantasia virou realidade.

Leia também:
“Políticas públicas sérias para as mudanças climáticas precisam focar a construção civil”
Escolas verdes: alunos mais saudáveis e notas melhores
Arquitetos apostam em jardim vertical para reduzir barulho e poluição do ar
Que tal usar o telhado do vizinho para investir em energia solar?


Fotos: divulgação Vicent Callebaut

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante 6 anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, vive agora em Washington D.C.

124 comentários em “Prédio terá 23 mil árvores para melhorar qualidade do ar

Deixe uma resposta