Portugal não tem mais animais em circos: últimos foram transferidos para santuários de vida selvagem

Portugal proíbe uso de animais selvagens em circos

É muito legal quando a gente escreve sobre uma história, ou mais especificamente, sobre uma lei e constata que, depois de um tempo, ela realmente entrou em vigor, na prática, e funcionou. É o caso da legislação aprovada em Portugal, há alguns anos, que proibiu o uso de animais selvagens em circos. Com a decisão, mais de 1 mil animais, de 40 espécies diferentes, entre eles, leões, zebras, tigres, camelos e elefantes, deveriam ser levados para refúgios de conservação.

O prazo para a lei ser cumprida, ou seja, para que circos pudessem se adequar a ela e entregar voluntariamente os animais, era 2025, mas segundo comunicado divulgado ontem (20/01) pelo Ministério do Ambiente e da Ação Climática e o Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas de Portugal, o processo já foi concluído. Não há mais animais selvagens nos circos portugueses.

Os últimos dez bichos – três crocodilos, quatro cobras, dois tigres e um leão -, foram encaminhados para santuários na Alemanha e na Espanha.

Em 2009, outra medida havia sido implementada pelo governo de Portugal para reduzir o sofrimento de animais em espetáculos. Na época, ficou banido o uso de grandes primatas – gorilas, chimpanzés e orangotangos -, nesses shows.

Como bem lembrou a International Organization for Animal Protection, “animais não andam de bicicleta voluntariamente, não ficam de cabeça para baixo ou pulam através de argolas de fogo. Eles não fazem estes tipos de coisas e outras tarefas difíceis porque querem, mas porque têm medo de não fazer”.

Diversos outros países já baniram ou restringiram a presença de animais em shows de entretenimento, entre eles, Suécia, Irlanda, Escócia, Áustria, Costa Rica, Índia, Finlândia e Singapura.

No Brasil, infelizmente, não há uma lei nacional que regule esta prática. Alguns estados proíbem, tornando a atividade um crime, entre eles, Alagoas, Espírito Santo, Goiás, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Paraíba, Paraná, Pernambuco, Rio de Janeiro, Santa Catarina e São Paulo.

Ou seja, dos 26 estados brasileiros, apenas 12 baniram a presença de animais em circos (além do Distrito Federal), mas outros 14 ainda permitem.

Existe um projeto de lei tramitando em Brasília desde 2006 sobre o tema, mas nunca seguiu adiante. O PL 7291/2006 dispõe sobre o registro dos circos perante o Poder Público Federal e o emprego de animais da fauna silvestre brasileira e exótica na atividade circense.

Leia também:
Durante fuga de espaço onde estavam em quarentena, morrem três de 18 girafas importadas da África do Sul pelo Bioparque do Rio de Janeiro
França aprova lei contra maus-tratos aos animais em petshops, circos e aquários
Site de turismo Booking.com não venderá mais passeios que envolvam exploração e interação com animais
Após anos em circos, mais de 30 elefantes ganham novo lar em santuário de vida selvagem na Flórida
Circo alemão faz espetáculo fascinante ao substituir animais reais por hologramas

Foto: TravelSwiss1/Creative Commons/Flickr 

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante 6 anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, vive agora em Washington D.C.

Um comentário em “Portugal não tem mais animais em circos: últimos foram transferidos para santuários de vida selvagem

  • 22 de janeiro de 2022 em 8:14 AM
    Permalink

    Apesar dos estragos que já fez, então o ser humano tem conserto. Vale a pena rezar.

    Resposta

Deixe uma resposta