Por que é essencial preservamos nossas restingas?

Por que é essencial preservamos nossas restingas?

*Por João Zanardo

Sempre falamos muito no Brasil sobre a importância da preservação de biomas como a Amazônia, a Mata Atlântica, o Cerrado, a Caatinga e agora, mais do que nunca, o Pantanal. Mas nos últimos dias, os manguezais e as restingas ganharam a atenção dos brasileiros depois que, com o Conama, o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles extinguiu regras que protegem esses ecossistemas, mas que sofreu revés após uma decisão judicial (leia mais aqui).

Mas por que é essencial a proteção das restingas?

As restingas são um ecossistema costeiro associado ao bioma de Mata Atlântica, reconhecido pela grande resiliência e biodiversidade de plantas e vegetais. Sua vegetação de hábitos e portes variados desenvolve-se em ambientes com extremos de temperatura, ventos fortes, escassez de água e solo arenoso, ocupando áreas que pouquíssimas outras plantas conseguiriam habitar.

Apesar de sua complexidade ecossistêmica, favorável à sobrevivência, sua resiliência parece não ser suficiente para lidar com os impactos da exploração humana.

Um dos grandes motivos é sua localização próxima às faixas de areia das praias, local onde muitas pessoas desejam construir suas casas. Por essa razão, é comum observarmos a degradação da vegetação nativa para construção de casas, prédios, grandes empreendimentos, além da abertura de acessos às praias e construção de restaurantes e comércios cada vez mais próximos do litoral.

Por que é essencial preservamos nossas restingas?

Restinga da Praia de Itaparica, Vila Velha/ES

O desmatamento também ocorre para extração de areia, sal e para cultivo de frutos do mar (como o camarão), atividade que demanda grande quantidade de água salgada e, por isso, levam produtores à construírem suas fazendas próximas ao mar.

A preservação da restinga vale muito mais do que sua degradação para atividades comerciais ou construção de empreendimentos. Para provar, listamos alguns motivos pelos quais devemos preservá-la:

Combate à erosão

A restinga apresenta uma complexa rede de filamentos e raízes capaz de “fixar” a areia da praia e impedir que ventos fortes a desloquem até o continente. Esta retenção previne o avanço do mar em direção às cidades e a conservação da infraestrutura urbana, evitando a erosão de ruas, calçadas, muros e estabelecimentos comerciais.

Além disso, a restinga promove a conservação de outro ecossistema igualmente importante: o manguezal. Este local de transição entre os ambientes terrestre e marinho, típicos de regiões tropicais, sobrevive graças à retenção de areia que impede o “soterramento” de suas zonas alagadiças.

Lar de espécies silvestres

Muitas espécies de aves migratórias encontram na restinga um local de refúgio, alimentação e descanso. A degradação do ecossistema pode se tornar problema de escala internacional, uma vez que afeta, diretamente, a biodiversidade de outros continentes.

Por que é essencial preservamos nossas restingas?

Sabiá-da-praia e anu-preto estão entre as aves de áreas de restingas

O ecossistema conta, ainda, com uma ampla variedade de espécies silvestres que desempenham papel ecológico fundamental para o ciclo natural do planeta.

A restinga protege os ninhos das tartarugas marinhas, atualmente ameaçadas de extinção, e serve de abrigo para espécies de crustáceos, como siris e caranguejos. A perda de habitat é fator de risco para extinção destas espécies, além de fomentar problemas de saúde pública com a “invasão” de alguns animais ao meio urbano.

Caranguejo guruçá

Biodiversidade vegetal

Por mais que muitos acreditem que a restinga consiste apenas em “um monte de mato na areia da praia”, sua biodiversidade de espécies vegetais é bastante impressionante.

Nela, podemos encontrar plantas frutíferas, como o maracujá-selvagem e a pitangueira, plantas ornamentais, como a aroeira e variadas espécies de cactos, e espécies de caráter medicinal, como a macela-do-campo e o mastruço-do-brasil.

Por que é essencial preservamos nossas restingas?

Esta grande biodiversidade vegetal contribui para o desenvolvimento de pesquisas, novas tecnologias e como fonte de recursos para comunidades tradicionais.

Pesquisa sobre a restinga na Praia de Itaparica, Vila Velha

Fonte de renda para a comunidade

O ‘ecoturismo’ movimenta a economia de muitas comunidades que fazem uso sustentável das áreas de restinga. Estas famílias usam a matéria-prima do ecossistema para confecção de artesanato e preparo de pratos típicos, iguarias e chás medicinais, conquistando seu espaço como uma atração turística cultural. A conservação da restinga garante a prevalência do conhecimento cultivado por estas comunidades e a prevalência de benefícios socioeconômicos para toda a região.

A maior parte da população brasileira está concentrada no litoral do país e, por isso, precisa pensar no desenvolvimento das cidades a longo prazo. A manutenção da restinga deveria ser ponto crucial do desenvolvimento de planos urbanísticos, a fim de impedir que o mar avance em direção às cidades, as faixas de areia reduzidas e as estradas, erodidas. 

A preservação da restinga vai muito além de questões ecológicas, estendendo-se ao âmbito social, econômico e cultural. Uma restinga degradada pode gerar problemas de infraestrutura, saúde pública e afetar a economia local, uma vez que a degradação de grandes áreas, além de difícil e demorada, exige altos investimentos de mão de obra para ser recuperada.

———————————————————————————————————

Assine já, aqui, a petição para pressionar o STF pela proteção das nossas restingas e manguezais!

———————————————————————————————————-

*O Instituto Últimos Refúgios é uma organização sem fins lucrativos na qual os participantes são voluntários e precisa de recursos para financiar as suas atividades. Se gosta de nosso trabalho e quer que ele continue, saiba como colaborar clicando neste link

Leia também:
Litoral do Paraná é refúgio de espécies ameaçadas, que dependem da preservação de restingas e manguezais para sobreviver
A Grande Restinga
Por que o Brasil é um país que insiste no modelo de “desenvolvimento a qualquer custo”?

Fotos: Leonardo Merçon

Instituto Últimos Refúgios

O Instituto Últimos Refúgios é uma organização socioambiental e cultural sem fins lucrativos, que atua desde 2011 na divulgação e sensibilização ambiental, estimulando o diálogo entre sociedade, organizações ambientais, instituições privadas e governamentais. Tem como foco o trabalho fotográfico e audiovisual relacionado ao meio ambiente

Deixe uma resposta