Polvos sentem dor não apenas física, mas emocional, sugere novo estudo

Polvos sentem dor não apenas física, mas emocional, sugere novo estudo científico

O polvo é uma das criaturas marinhas mais enigmáticas e fascinantes. Esses animais são considerados por biólogos como os invertebrados com o sistema nervoso mais complexo do planeta. E um novo estudo científico sugere algo ainda mais surpreendente sobre os polvos: eles podem sentir não somente dores físicas, mas também, emocionais.

A descoberta, feita pelo neurobiólogo Robyn Crook, da San Francisco State University, foi divulgada em um artigo científico recente na revista iScience.

“Ao contrário da nocicepção, que é uma resposta (reflexo) simples, a dor é um estado emocional complexo que engloba angústia e sofrimento e geralmente exige um sistema nervoso altamente complexo”, explica o pesquisador.

De acordo com as observações feitas por Crook durante sua análise, os polvos, assim como animais vertebrados, exibem comportamentos cognitivos e espontâneos indicativos de experiência de dor afetiva.

Nos testes realizados em laboratório, o cientista usou os mesmos métodos empregados com roedores para demonstrar a associação entre a dor e a atividade neural – a injestão de algumas substâncias na pele desses animais.

“Embora uma série de estudos anteriores em cefalópodes e outros invertebrados tenham mostrado que eles podem aprender a evitar uma situação que irá causar dor, aqui, os polvos foram capazes de aprender a evitar um local visualmente específico que foi explicitamente desvinculado no tempo e no espaço do procedimento de injeção que iniciou a ativação do nociceptor”, destaca.

A revelação feita por Robyn Crook me faz lembrar de um dos documentários mais lindos que vi até hoje. Chama-se “My Octopus Teacher”, traduzido para “Professor Polvo”, em português, que está disponível no Netflix. O filme mostra a amizade inacreditável que ocorre entre um mergulhador e fotojornalista e … um polvo!

Se você ainda não assistiu, assista! É emocionante e comovente. Mais uma prova de como os polvos são animais extraordinários, assim como tantos outros seres da natureza e o que nos falta, como seres humanos, muitas vezes, é simplesmente ter um olhar mais atento ao nosso redor.

Leia também:
Aumento da temperatura dos oceanos pode prejudicar a visão, e até, cegar caranguejos, lulas e polvos
Cientistas filmam, pela primeira vez, o nascimento de um polvo dumbo
Mergulhadores ‘convencem’ polvo a mudar de casa: deixar pra trás copo plástico no fundo do oceano

Foto: Qijin Xu on unsplash

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante 6 anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, vive agora em Washington D.C.

Deixe uma resposta