Pizza, luz e calor

Pizza, luz e calor

O encontro seria à noite. Tudo combinado.

Na data marcada, faltou energia desde as 5 horas da tarde.

Quando ficamos sem luz, a massa da pizza já estava sovada e os ingredientes que dariam sabor a uma rodada intensa da iguaria já guardados em casa. Chovia. Por alguns instantes acreditamos que a energia iria voltar e receberíamos os amigos como previsto.

Mas a energia não voltou.

A maturidade nos traz um certo desdém por questões pequenas. Essa era uma delas. Estaríamos apenas sem eletricidade, mas não faltaria calor nem luz: pra assar a pizza, forno a lenha; pra iluminar, velas.

Só que as velas que eu sempre tenho em casa talvez não fossem o bastante pra empreitada de jantar, conversar, esticar a conversa até o sono dominar. Ia longe, tinha certeza. Então, pedi pro meu marido correr num mercadinho e comprar mais velas pra garantir. Ele foi. E voltou com umas 7 velas de 7 dias, daquelas pra fazer promessa.

– Mas não são perfeitas? Grandonas, duram bastante…

Eu olhava a embalagem e pedia perdão a Santa Terezinha estampada em algumas delas e também a São Judas estampado em outras tantas:

– E iluminam nadica de nada, seu Rogério. Essa aqui é pra reza, oração, pra durar e perpetuar enquanto os santos fazem os planos pra atender aos pedidos de nós, mortais carentes e viventes nesse Brasil…

Minutos depois, na decoração da mesa, entraram as velas lindas do estoque que sempre tenho, cilíndricas, quadradas, decorativas, postas e arrumadas em castiçais alguns comprados em Paris, outros ali mesmo em Embu, outros sei lá de onde vieram.

Bico de garrafa encaixa vela que é uma beleza. E tem ainda os pires despareados, saudosos das  xícaras quebradas, que são perfeitos como base pra velas. Principalmente as de 7 dias que precisam estar num suporte arrojado. Sim, elas entraram na composição.

Só sei que ao lado das velas aportamos flores em vasinhos improvisados e reciclados, garrafinhas de refrigerante caçulinha devidamente livres dos rótulos, potinhos de geleia ou de mostarda mais altos, mais baixos. E a mesa ficou linda! Iuminada.

Quando a visita chegou falei que mandei o escuro imperar porque queria surpreendê-los e oferecer um jantar charmoso à luz de velas.

Foi o que foi.

Nos abancamos em torno da mesa com o forno a lenha já quente. A massa  já dividida em medidas  redondas equivalentes, pra nova fermentada de crescimento, renderiam pelo menos 8 pizzas.

Começamos com vinho, emendamos conversa, seguimos com vinho.

As pizzas abertas com maestria pelo meu marido, redondinhas,  logo ganharam coberturas: molho, muçarela, abobrinha, gorgonzola, pera; molho, muçarela, tomate, calabresa, manjericão fresco; molho, muçarela, cebola, ovo, linguicinha; molho, manjericão fresco, muçarela. Variadas combinações. As crianças adoram inventar.  Os adultos também.

Comemos muito, bebemos bem, acolhemos os chuviscos e o frio da noite.

As velas derretiam levemente e formavam esculturas escorridas até o fim do pavio.

Conversa aquecida. Amigos calorosos.

Luz elétrica pra quê mesmo?

RECEITA DE PIZZA FEITA EM CASA

INGREDIENTES

30g de fermento fresco
30 g de açúcar (ou mel)
30 g de sal
600 ml de água morna
1/2 kg de farinha de trigo
1/2 kg de semolina – ajuda a fazer uma massa mais leve, mas você pode optar por usar apenas farinha de trigo

MODO DE PREPARO

Dissolva o fermento, o sal e o açúcar em metade da água morna, acrescente farinha até formar uma massa mole. Deixe descansar. Quando começar a levantar bolhas, o fermento está ativado. Acrescente, aos poucos, o restante da água e da farinha e semolina (ou só farinha), usando os dedos para misturar.

Quando todos os ingredientes estiverem incorporados, é hora de sovar. Numa superfície limpa e lisa, enrole, empurre, dobre e estique a massa várias vezes até que fique homogênea e lisa.

Faça um formato circular e acomode num recipiente para deixar crescer.

Quando a massa dobrar de tamanho, volte a sovar. Então, divida a massa em 4 círculos menores e iguais. Cada círculo será uma pizza.

Deixe descansar por uns 10 minutinhos. Então, abra a massa e cubra com os sabores que escolher. Sugeri algumas combinações lá no texto.

A pizza básica já é deliciosa!:

Cubra levemente a massa com molho de tomate, jogue folhas de manjericão fresco, capriche numa camada generosa de muçarela ralada e leve ao forno quente.  Se não tiver forno a lenha, no forno doméstico a 240 graus por 10 minutinhos.

Retire do forno, jogue mais um pouquinho de manjericão, regue azeite de oliva dos bons e divida com os amigos.

Um bom vinho acompanha que é uma beleza.

Leia também:
Manjericão para o pesto, jabuticaba para os bichos: farturas do quintal
A magia do chá do hibisco
Para Fabi, com sabor: como fazer um salmão com graça
Vamos concordar: pastel
O encontro da acelga com quinoa e macadâmia num colóquio sobre o voo do avião
Chicória com guaraná

Foto: domínio público/pixabay

Cássia Miguel

Mulher de marido, mãe de filho, madrasta de enteados. Começou a carreira profissional vendendo pinga e pão com mortadela na venda dos pais, em Minas. Foi bancária, revisora de jornal, rádio escuta, repórter, editora e apresentadora de TV. Hoje é especializada em media training, com foco para entrevistas em TV e vídeo. Fez jornalismo na PUCCAMP, pós graduação em Gestão Estratégica em Comunicação Organizacional e Relações Públicas na USP e Análise do Discurso na PUC SP. Tudo isto sem tirar o pé da cozinha

Deixe uma resposta